Notícias / Educação

02/10/20 às 13:51 / Atualizada: 02/10/20 às 13:55

Ribeirão Cascalheira - Em aula online, professor de história aposta em trabalho prático em argila

A aula consistiu na apresentação aos alunos do fóssil Luzia, o mais antigo encontrado na América do Sul, e que ajuda a perceber a história da habitação da América.

Adilson Rosa | Seduc MT

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Ribeirão Cascalheira - Em aula online, professor de história aposta em trabalho prático em argila

A escultura foi a parte prática da aula online

Foto: Divulgação

As escolas da rede estadual não estão economizando tecnologia e imaginação nas aulas online. É o caso da Escola Estadual Coronel Ondino Rodrigues de Lima, localizada no município de Ribeirão Cascalheira (a 900 quilômetros a leste da Capital) que realizam oficinas em casa na aula de história utilizando a plataforma Microsoft Teams. Por meio de aula remota, os alunos fizeram um exercício prático reproduzindo um fóssil humano. A aula envolveu alunos do 1º ano do Ensino Médio.  

Segundo o professor João Marcos, a aula consistiu na apresentação aos alunos do fóssil Luzia, o mais antigo encontrado na América do Sul, e que ajuda a perceber a história da habitação da América. Por meio do Teams, o professor iniciou um debate, por meio de uma roda de conversa. Em seguida, leu um texto sobre o fóssil.

Na sequencia, cada aluno assistiu ao filme “1492 A Descoberta do Paraíso”. Os estudantes receberam as imagens do fóssil e da estatueta, foram motivados a reproduzir, colocaram as mãos no barro.

“Essa experiência foi essencial para compreendermos a importância da arqueologia no estudo da história e na construção da nossa identidade”, salienta o professor que ficou satisfeito com o resultado, mostrado pelos alunos pela plataforma e por fotos através do aplicativo WhtasApp.

No entendimento da assessora pedagógica de Querência, Gláucia Galvão Vieira, que atende a escola, mesmo em realidades distantes a quase 1.000 quilômetros da capital é possível fazer a diferença. A assessora lembra que essas práticas são provas que o novo normal é possível, que é possível levar a escola para dentro de casa.

“Nem mesmo uma pandemia fez com que nossos alunos parassem, e eles continuam se reinventando com o recurso que tem. Foi preciso uma situação atípica para aprendermos que a escola não é só prédio, que é possível estudar e trabalhar a distância”, comemora.

Para a assessora pedagógica, o desafio é imenso, mas graças ao envolvimento e comprometimento dos professores, alunos, pais, diretores e coordenadores que os alunos podem aprender neste formato emergencial.


Os trabalhos em argila impressionaram os colegas de sala.
Créditos: Divulgação

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Ronivaldo Lemos

Médico todo dia

Muito cedo eu tomei a decisão de ser médico. Estudei muito para entrar na Universidade Federal de Mato Grosso e me esforcei igualmente para me formar. Ali, nos corredores do Hospital Universitário, eu reafirmava todos os dias a...

 
 
 
 
Sitevip Internet