Notícias / Cultura

26/07/19 às 19:16 / Atualizada: 26/07/19 às 22:40

Conquista D' Oeste/MT - Com muita música, festa Nambikwara comemora passagem de jovens indígenas à idade adulta

Kézia Abiorana Assessoria/Funai, com CTL em Pontes e Lacerda

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Conquista D' Oeste/MT - Com muita música, festa Nambikwara comemora passagem de jovens indígenas à idade adulta

Foto: Arquivo Funai

Marcada pelo ritual da menina moça e da furação de nariz, a puberdade voltou a ser comemorada pelos Nambikwara Katitaurlu, na Terra Indígena (TI) Sararé, município de Conquista D' Oeste, Mato Grosso. Durante a 10ª edição da festa Txawxãhaijausu ("Nossa Música", na língua Nambikwara), em meio a músicas de flautas, cantos, danças e competições esportivas, as comunidades das aldeias celebraram a passagem de garotas e rapazes para a fase adulta.
 
O evento, que ocorreu entre 11 e 14 de julho, foi executado com recursos do Plano de Aplicação da Renda do Patrimônio Indígena da TI Sararé e contou com o apoio da Funai, Sesai e da Prefeitura de Conquista D'Oeste. Presente em todas as etapas da iniciativa, a Coordenação Técnica Local (CTL) de Pontes e Lacerda, subordinada à Coordenação Regional Cuiabá, colaborou a partir da mobilização da comunidade, organização do evento e aquisição de materiais e alimentos necessários à sua realização. A prefeitura garantiu a melhoria das estradas de acesso, prestou apoio para a infraestrutura, cedeu o transporte necessário ao deslocamento das comunidades da TI Nambikwara, em Comodoro-MT e, juntamente com a Sesai, conduziu as competições esportivas e aquisição de troféus.
 

No ritual de furação de nariz, os rapazes têm seus lábios superiores e septos perfurados. Foto: Arquivo Funai

 
O ritual da menina moça está presente entre os Nambikwara e diversos outros povos indígenas brasileiros. Durante a primeira menstruação, a menina é mantida em reclusão em maloca específica, de forma que o contato com o mundo externo se dá apenas por meio das mulheres que com ela conversam e a aconselham. O período de clausura não é padronizado, mas pode chegar de um mês a um ano. Para a retirada da menina da clausura e apresentação à comunidade indígena como mulher pronta para exercer as tarefas femininas e até mesmo para casamento, os Nambikwara convidam os parentes indígenas de outras aldeias. Ao entardecer, a menina deixa, intermitentemente, a reclusão e dança com seus padrinhos. Séria, a garota não deve olhar para aqueles com quem dança. No fim da madrugada, é completamente liberta da clausura e, ao raiar o dia, agora livre, a moça recebe cânticos e ofertas de peixe assado e beiju.
 
Durante o evento, alguns rapazes também atingiram o status de adultos por meio do ritual denominado Furação de Nariz. Sem anestesia e deitados no chão, os jovens tiveram seus lábios transpassados com vareta de bambu e o septo nasal com osso de macaco. Chorar ou tremer é incogitável. Após o furo, chega o momento da pajelança. A partir de então, o rapaz já assume responsabilidades com a vida social da família e da comunidade. A prática é milenar entre os Nambikwara.


Saulo Katitaurlu, cacique de uma das aldeias da TI, explica que a festa promove a interação e a paz entre as comunidades indígenas. "Há muito tempo havia conflito entre os indígenas. Hoje, estamos fazendo paz. Então, essa festa tem um significado: ela traz alegria. Seja amigo ou inimigo, todos estarão juntos nessa hora. É uma oportunidade de conversamos novamente, ou seja, nos traz alegria e paz", relata o cacique.


Competições esportivas também compuseram as atrações do evento. Foto: Arquivo Funai
 
Para Sara Barros, professora da aldeia que convive com a comunidade há 15 anos e uma das idealizadoras do evento juntamente com  professores indígenas, a Txawxãhaijausu é mais que uma grande festa para os Nambikwara, define-se, também, como uma oportunidade de fortalecimento cultural, desenvolvimento pessoal e coletivo. "Depois de alguns anos de trabalho com o povo, vimos que os saberes eram repassados por meio da música. Escrevemos, então, um projeto de fortalecimento da identidade para valorizar o conhecimento étnico, promover o intercâmbio entre os Nambikwara e outros povos indígenas e proporcionar momento de aprendizagem entre os jovens", declara.

Neste ano, em cada dia do evento, cerca de 200 pessoas participaram das atividades. A tradição de convidar indígenas de outras TIs foi mantida. Os Nambikwara Negarotê da Terra Indígena Nambikwara estiveram presentes e se envolveram no ritual. Também compareceram estudantes não-indígenas de uma escola estadual do município de Pontes e Lacerda-MT que interagiram com as comunidades indígenas a partir de competições esportivas em jogos como futebol, peteca, arco e flecha e oficinas de pintura corporal.

André Rodrigues, chefe da Coordenação Técnica Local de Pontes e Lacerda/MT, entende a festa como uma oportunidade não só para os indígenas fortalecerem suas tradições, mas também para a sociedade envolvente aprender com os costumes, valores e com a visão de mundo dos Nambikwara. "Essas ações são importantes para a troca cultural com os jovens não-indígenas, possibilitando a oportunidade de conhecer a cultura e diminuir o preconceito social. De modo geral, esse conjunto de ações da Funai está em consonância com a proteção, promoção e o fortalecimento cultural do povo Nambikwara Katitaurlu", comenta o indigenista.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Dr. Rosário Casalenuovo Júnior

Queimada e tempo seco não são os agentes principais das doenças respiratórias

As clínicas de otorrinolaringologista e pneumologia ficam cheias nesta época do ano. Crianças e idosos sofrem para dormir, principalmente devido à baixa resistência do organismo, fato que provoca com facilidade...

 
 
 
 
Sitevip Internet