Notícias / Justiça

06/03/22 às 17:17 / Atualizada: 06/03/22 às 17:28

Investidora de MT receberá R$ 117 mil de 'pirâmide financeira'

Telexfree atuava com esquema de pirâmide financeira e foi a bancarrota em dois anos

Rafael Costa

Folha Max

Imprimir Enviar para um amigo
Investidora de MT receberá R$ 117 mil de 'pirâmide financeira'

Foto: Divulgação

O juiz da 7ª Vara Cível de Cuiabá, Yale Sabo Mendes, condenou no dia 2 deste mês a empresa Ympactus Comercial S/A, administradora da Telexfree a devolver R$ 60 mil a uma mulher que comprou ações para tornar-se divulgadora dos produtos da empresa. 

A decisão foi dada nos autos de uma ação de liquidação de sentença. O valor deverá ser acrescido de juros e correção monetária, totalizando uma quantia superior a R$ 117 mil. 

Consta nos autos que T.T.P.D.S adquiriu 20 contas da Telexfree no valor total de R$ 60 mil. Porém, jamais foi restituída em caráter voluntário, o que exigiu a necessidade de ajuizar uma ação.

 
Diante das provas irrefutáveis, o magistrado autorizou a liquidação da sentença. “A prova do direito, em obrigação de restituir determinada quantia, advém da juntada de documentos que comprove o efetivo desembolso, sendo que a ausente tal prova obstado o aperfeiçoamento do título executivo, impedindo, por conseguinte, o prosseguimento da demanda, que tem por pressuposto a existência desse elemento.

Pirâmide

Conhecido como um esquema de pirâmide financeira que veio a falir após vigorar com intensidade nos anos de 2012 e 2013, a Telexfree atuava com prestação de serviços de telefonia VoIP (por meio da internet). Cada conta custava US$ 49,90 (cerca de R$ 100) e permite o uso ilimitado por um mês.

Para divulgar o produto, a empresa adotou um sistema de venda direta remunerada, explica Fuchs. Para se tornar um “divulgador”, o interessado precisava pagar uma taxa de adesão de US$ 50 (cerca de R$ 100). Com isso, ele poderia comprar pacotes de contas com desconto. Um pacote com 10 contas custava US$ 289 (quase R$ 600) e um com 50 contas custava US$ 1.375 (cerca de R$ 2,8 mil).

Os valores eram estabelecidos em dólares porque a prestadora de serviços, a Telexfree, tinha sede nos Estados Unidos. No Brasil, a Ympactus fazia a gestão administrativa. A remuneração aos divulgadores, contudo, era depositada na conta bancária de cada um em reais, explica.

Para “lucrar”, o divulgador precisava vender essas contas aos usuários interessados e estimular que eles também se tornem revendedores, em um sistema chamado de “marketing multinível.” 

A divulgação era feita principalmente pela internet.

comentar1 comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Jurandir, em 10/03/22 às 17:46

    Pena que para receber a justiça do MT teria que ter a liberação da justiça do Acre e até hoje ninguem conseguiu essa liberação

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

DOIS DE JULHO, UM DIA ESPECIAL

Se nossa querida Afife estive viva, não tivesse nos deixado há pouco mais de sete meses, em um sábado, como hoje, aqui em Franklin Farm, Herndon, Virginia, EUA, no dia 20 de Novembro do ano passado (2021), HOJE, 02 de Julho de...

 
 
 
 
Sitevip Internet