Notícias / Saúde e Ciência

09/10/21 às 08:56

No Mês Mundial da Visão, Associação Médicos da Floresta retoma atendimento oftalmológico a povos indígenas

Atuação da ONG já abrangeu 42 mil pessoas em terras de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Roraima desde 2016; agora, a entidade busca inovação e recursos para ampliar atividades

Daniel Suzumura

Jornal Dia a Dia

Imprimir Enviar para um amigo
No Mês Mundial da Visão, Associação Médicos da Floresta retoma atendimento oftalmológico a povos indígenas

Foto: Assessoria

Às vésperas do Dia Mundial da Visão, celebrado em 14 de outubro, a Associação Médicos da Floresta – AMDAF anuncia a retomada de seus atendimentos oftalmológicos às populações indígenas. As ações locais da entidade estavam suspensas há um ano e meio, em razão da pandemia do novo coronavírus.

Agora, os voluntários da AMDAF voltarão às aldeias, a começar pelo estado da Bahia, a partir de novembro. De lá, seguirão para o Parque Indígena do Xingu (Mato Grosso), onde a ONG realizou suas primeiras expedições, em 2016, para levar diagnóstico, tratamento e acompanhamento oftalmológico à região.

Desde então, sua atuação se estendeu à região de Dourados, no Mato Grosso do Sul, às comunidades Xavantes na região de Campinápolis (MT), e à região da Raposa Serra do Sol, em Roraima. A associação criou ainda o Amazonian Smile Project, que fornece atendimento odontológico aos povos indígenas.

Até aqui, foram 42 mil pessoas triadas pela saúde local. A partir daí, foram atendidas mais de 7 mil pessoas na oftalmologia, com 2.500 óculos doados e mais de 300 cirurgias realizadas. Também foram realizados mais de 2.000 procedimentos odontológicos.

E os números voltarão a crescer com a retomada das ações. “Estamos bastante animados com o retorno às expedições, que naturalmente se dará seguindo todos os protocolos sanitários e com toda a nossa equipe vacinada contra a Covid-19”, afirma Frank Hida, presidente e cofundador da AMDAF.

A entidade é a única no Brasil associada à Agência Internacional para a Prevenção da Cegueira (IAPB), aliança internacional fundada em 1975 e atuante em mais de 100 países, que trabalha para promover a saúde ocular ao redor do mundo.

E, como parte do programa 2030 in Sight (2030 em Vista) da IAPB, cujo objetivo é eliminar a cegueira evitável em todo o mundo até o fim da década, a AMDAF tem a meta de abranger um total de 300 mil indígenas com suas ações neste período.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, ao menos 2,2 bilhões de pessoas têm uma deficiência visual ou cegueira. Entre elas, estima-se que ao menos 1 bilhão tenham uma condição que poderia ter sido evitada, se tratada, ou que ainda não foi endereçada.

“A grande demanda de saúde hoje, no mundo todo, é a oftalmologia. Até 2050, o número de pessoas com miopia chegará a 5 bilhões, segundo a OMS. E a vantagem dessa especialidade é que o atendimento pode resolver a maioria dos problemas dos pacientes. A gente só precisa chegar até eles”, afirma Hida.

A ONG vem investindo ainda no uso de equipamentos portáteis e com recursos de inteligência artificial para o diagnóstico precoce desses problemas. Para isso, receberá nos próximos meses um grande reforço: acaba de ser selecionada pelo programa Silver Economy Challenge , do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), que concederá até US﹩ 1 milhão (R﹩ 5,5 milhões) em recursos para iniciativas que visem a melhorar a qualidade de vida da população em envelhecimento.

Protocolo

Os atendimentos às comunidades são realizados seguindo um protocolo desenvolvido pela AMDAF, com a parceria da Secretaria Especial da Saúde Indígena. Primeiro, a equipe se reúne com a saúde local (os Distritos Sanitários Especiais Indígenas) para obter informações sobre a distribuição das aldeias na região.

Nesse encontro, os colaboradores locais também recebem capacitação para realizar a triagem de toda a população da região e identificar quem precisa de atendimento oftalmológico e odontológico. Com esse estudo, é possível entender a demanda e, assim, planejar as ações.

A fase seguinte envolve a execução das ações clínicas. Os médicos da associação viajam ao local para que possam realizar um atendimento completo de oftalmologia. “Nele, diagnosticamos qualquer deficiência visual e, a partir daí, seguimos dois caminhos: quem precisa de óculos, os recebe; nos casos em que é preciso tratamento cirúrgico, fazemos um agendamento para realizá-lo”, diz o presidente da ONG.

Por último, eles mobilizam uma ação cirúrgica, para que essas pessoas possam, então, ter sua visão restaurada.

A parceria com o poder público, no entanto, não envolve recursos financeiros – apenas a troca de informações e apoio logístico nos locais de atuação. Para isso, conta com doações de iniciativas e empresas do setor privado, como Fundação L’Occitane, Johnson & Johnson, Instituto Phi e Novartis. Em 2021, passou a receber também contribuições de pessoas físicas, diretamente pelo site da ONG.

“Contamos também com os nossos valorosos voluntários – são mais de cem diretos e 400 indiretos. Estes últimos nos ajudam localmente a organizar as ações, permitindo que aproveitemos os recursos e a estrutura da região, principalmente as universidades. E queremos também ampliar essas parcerias”, afirma Frank Hida.

Sobre a AMDAF

A Associação Médicos da Floresta é uma entidade civil sem fins lucrativos que reúne médicos, gestores e criativos para prestar atendimento a comunidades indígenas em todo o território brasileiro. Sua missão é promover a qualidade de vida e inclusão social das comunidades carentes, por meio de ações inovadoras nas áreas da saúde, infraestrutura e educação.

Saiba mais em: https://amdaf.org/

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet