Notícias / Curiosidades

10/06/19 às 17:15

Superalimentos que vêm da natureza e fazem bem à saúde

Vegetais de fácil cultivo podem ser a solução para os desafios alimentares da humanidade no presente e no futuro.

Daiana Barasa

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Apesar de todos os avanços tecnológicos e sociais em todo o mundo nas últimas décadas, alguns dos desafios mais antigos da humanidade resistem – a fome, a desnutrição e a obesidade. Todos relacionados a uma rotina alimentar desregrada. O combate à fome foi bandeira de muitos governos, especialmente a partir da década de 90. Mais recentemente, campanhas pela diminuição de alimentos industrializados e ultraprocessados na dieta das pessoas, especialmente das crianças, têm ganhado destaque.

Já a obesidade é um problema que afeta pessoas de todas as idades, e costuma acarretar outros problemas de saúde. A prevalência entre os adultos aumentou 60% no Brasil, de 2006 a 2016, e começa cada vez mais cedo. Entre crianças de 5 a 9 anos no país, 33% já estão acima do peso e 15% são considerados obesos. Nesse ritmo, a estimativa é que a obesidade atinja 11,3 milhões de crianças brasileiras até 2025.

O mais inquietante neste caso é o fato de que uma criança obesa tem 80% de chance de se tornar um adulto obeso. A obesidade é um problema associado a nada menos que 26 doenças crônicas, como pressão alta e diabetes tipo 2 – problemas que deixaram de ser exclusividade de adultos em todo o mundo. Além de campanhas informativas, existem outras maneiras de difundir a alimentação saudável na sociedade.

A utilização de recursos naturais pode contribuir decisivamente na luta por uma alimentação mais saudável. Altamente nutritivos e encontrados nos mais diversos biomas da natureza, os chamados superalimentos podem ser cultivados em grande escala com o apoio de governos e de entidades privadas, ajudando a erradicar a fome e o acesso à água potável em regiões mais vulneráveis e melhorando o consumo nutricional de adultos e crianças do mundo todo. Conheça alguns desses alimentos de fácil cultivo que podem salvar milhões de vidas.


Moringa

A moringa, espécie nativa do sul da Ásia, é uma árvore que cresce rápido e é resistente à seca. Quase todas as partes da planta são aproveitáveis, e são, por vezes, usadas na medicina ayurvédica. As folhas da moringa podem ser colhidas por até sete vezes em um ano e são ricas fontes de vitaminas A e C, e também de minerais como o potássio e o cálcio. Além disso, a moringa tem alto valor nutricional, sendo rica em proteína, cálcio e ferro.

É possível cortar as longas vagens da moringa em pedaços menores para cozinhar em sopas altamente nutritivas. As vagens também contêm sementes ricas em ácido oleico, que melhoram a taxa do chamado “colesterol bom" no corpo humano. Também costuma-se secar, moer e transformar as folhas da moringa em pó, para que sejam usadas em vitaminas, sopas, molhos e chás. As raízes da chamada “árvore milagrosa” também auxiliam na purificação da água, atraindo e retendo poluentes. Estudos apontam que a raiz de moringa é capaz de limpar até 99% das impurezas de determinadas quantidades de água.


Nopal

O Nopal é um cacto comestível muito comum na cozinha do México. Os chefs mexicanos utilizam os brotos, os frutos e o caule como ingredientes de várias receitas típicas. O vegetal pode ser consumido cozido ou cru, e serve como ingrediente para a produção caseira de sucos e geleias. Resistente a longos períodos de estiagem, o cacto pode ser facilmente cultivado em áreas de pouco acesso à água potável.

Estudos apontam que o Nopal é um importante agente na redução dos níveis de açúcar no sangue em pessoas com diabetes tipo 2. Mais uma boa notícia sobre a planta é que o cacto ajuda a combater os sintomas desagradáveis da ressaca alcoólica. Vale ressaltar que o consumo excessivo do Nopal pode trazer efeitos colaterais, como inchaço abdominal, náuseas e mal-estar.


Fonio

Trata-se de um antigo grão africano, conhecido por seu sabor delicado, que lembra o de nozes. O povo do Mali diz que o Fonio nunca cria problemas para o cozinheiro, já que é muito fácil de preparar. Existem indícios de que o grão vem sendo cultivado há mais de cinco mil anos, desde o Egito antigo. Existem variedades preta e branca do cereal, que é resistente à seca e está pronto para ser colhido em apenas 60 ou 70 dias na região do Sahel, na África Ocidental.

Os grãos de fonio são pequenos, quase microscópicos. Sua casca não é comestível e precisa ser removida. Rico em ferro, zinco e magnésio, o Fonio pode ser usado no lugar do cuscuz ou do arroz e é, até mesmo, usado para fazer cerveja. O grão tem tudo para cair no gosto popular, já que é livre de glúten. O fato de ser resistente à seca também o torna uma boa opção de alimentação em regiões vulneráveis do planeta.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Luiz Tejon Megido

Santiago do Norte rumo a uma agrossociedade

Ao registrarmos histórias reais como a de Santiago do Norte, cidade localizada no norte de Mato Grosso, ficamos muito entusiasmados e tomados pelo que o genial autor Ariano Suassuna disse: “O otimista é um tolo. O pessimista, um...

 
 
 
 
Sitevip Internet