Notícias / Internacional

25/03/19 às 20:18

Italiano Cesare Battisti admite ter participado do assassinato de quatro pessoas

Pelo Twitter, Bolsonaro comemorou confissão e afirmou que o Brasil não será mais "o paraíso de bandidos”

Repórter Cintia Moreira

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Italiano Cesare Battisti admite ter participado do assassinato de quatro pessoas

Foto: Divulgação

O italiano Cesare Battisti, de 64 anos, preso na Bolívia e extraditado em janeiro deste ano para a Itália, admitiu pela primeira vez ter participado do assassinato de quatro pessoas na década de 1970.

Na época, Battisti fazia parte do grupo Proletários Armados pelo Comunismo, organização armada de extrema-esquerda, e dizia, até então, que era inocente. Em seu depoimento à autoridades italianas antiterrorismo, ele confessou pela primeira vez os crimes e disse que se envolveu nos atos políticos por acreditar que aquela era uma “guerra justa”.

Além de confirmar o envolvimento nos quatro assassinatos, Cesare Battisti admitiu "suas responsabilidades" no ferimento de três pessoas e na participação de roubos. Depois, pediu desculpas aos parentes das vítimas.

A confissão de Battisti rendeu uma postagem do presidente Jair Bolsonaro, que desde a campanha eleitoral defendeu a extradição do italiano. No Twitter, Bolsonaro afirmou, nesta segunda-feira (25), que a posição do Brasil é um recado ao mundo de que o país não será mais "o paraíso de bandidos”.

Condenado à prisão perpétua na Itália pelo assassinato de quatro pessoas, Cesare Battisti passou 30 anos como fugitivo entre o México e a França, e em 2004, se escondeu no Brasil, onde permaneceu até ser preso em 2007. Após pedido do governo italiano, o Superior Tribunal Federal (STF) autorizou a extradição em 2009, em decisão que concedia a palavra final para o chefe de Estado.

Contrariando as expectativas, no último dia de seu mandato, o então presidente Luiz Inácio Lula da Silva negou a extradição do ex-militante de esquerda. Desde então, Battisti residia no país sob a condição de refugiado político. No ano passado, fugiu para Bolívia, onde foi preso pela Interpol.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Alfredo da Mota Menezes

Nascendo a agroindústria

Deve crescer no Estado as fábricas de etanol de milho, como ocorreu nos EUA Têm em operação 12 fábricas de etanol em Mato Grosso. Duas são de milho e três, chamada flex, com cana e milho. As outras...

 
 
 
 
Sitevip Internet