Notícias / Eleições

21/03/19 às 09:37

'Sistema cria mecanismos que retardam e criam brechas', diz presidente do TRE-MT sobre lei

Presidente comentou sobre as eleições suplementares no estado após cassação de dois prefeitos

G1 MT

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo

Presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), desembargador Márcio Vidal — Foto: TV Centro América

O presidente do Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT), desembargador Márcio Vidal, foi entrevistado no quadro Papo das seis, do Bom Dia Mato Grosso desta quinta-feira (21). Ele falou sobre a biometria em Mato Grosso, eleições suplementares e atuação da Justiça Eleitoral.
 
Sobre as eleições suplementares em Bom Jesus do Araguaia e Ribeirão Cascalheira, a 983 e 893 km de Cuiabá, respectivamente, no dia 7 de abril, o presidente declarou que o procedimento ocorre depois que gestores dos municípios foram cassados por serem acusados de abuso de poder econômico e compra de voto.
 
“Existe um prazo razoável para que ele possa exercer o direito da ampla defesa. Isso, obviamente, vai se arrastando. O sistema legal, cria, às vezes, mecanismos que propiciem esse retardamento e brechas [no desfecho do processo]. Nem sempre as leis são claras e precisas, ou cirúrgicas, elas são criadas e são variáveis”, declarou.
 
Bom Jesus do Araguaia e Ribeirão Cascalheira
 
Os eleitores de Bom Jesus do Araguaia e Ribeirão Cascalheira devem voltar às urnas em eleições suplementares após a cassação dos prefeitos. Ao todo, 11,1 mil eleitores devem participar das eleições que devem ser realizadas no dia 7 de abril.
 
Os novos representantes devem comandar as prefeituras até 2020.
 
Em Bom Jesus do Araguaia disputam Ronaldo Rosa de oliveira, pela coligação ‘Uma Nova História’, e Silvio Maria Dantas, da coligação ‘Deus no Comando, Trabalho e Amor por Bom Jesus’.
 
Serão quatro locais de votação para acomodar os 4.668 eleitores.
 
Em setembro de 2017, Joel Ferreira (PSDB) e Edmárcio Moreira (PRP) foram cassados por abuso de poder econômico e compra de votos. À época, eles negaram os crimes no curso do processo.
 
Já em Ribeirão Cascalheira, disputam o cargo Luzia Nunes Brandão, pela coligação ‘Unidos pelo progresso de Ribeirão Cascalheira’, e Wiser Barbosa Moura, da coligação ‘Rumo novo com a força do Povo’.
 
Serão cinco locais de votação para acomodar os 6.631 eleitores.
 
No ano passado, o então prefeito Reynaldo Fonseca Diniz (PR), e o vice dele, Gleison Oliveira, também do PR, tiveram os mandatos cassados por abuso de poder político e econômico nas eleições de 2016.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Alfredo da Mota Menezes

Nascendo a agroindústria

Deve crescer no Estado as fábricas de etanol de milho, como ocorreu nos EUA Têm em operação 12 fábricas de etanol em Mato Grosso. Duas são de milho e três, chamada flex, com cana e milho. As outras...

 
 
 
 
Sitevip Internet