Notícias / Educação

24/09/18 às 11:27 / Atualizada: 24/09/18 às 11:39

Bolsonaro tem 33% dos votos e Haddad vai de 16% para 23%, isolando-se em 2º lugar, mostra pesquisa

Candidato do PT ultrapassa Ciro Gomes, que caiu de 14% para 10%; no segundo turno, Bolsonaro empata com Ciro, Alckmin e Haddad

Infomoney.com.br

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Bolsonaro tem 33% dos votos e Haddad vai de 16% para 23%, isolando-se em 2º lugar, mostra pesquisa

Foto: Divulgação

Resiliência do candidato Jair Bolsonaro (PSL) na liderança das disputas de voto para o primeiro turno e uma tendência de forte crescimento de Fernando Haddad (PT). É o que mostra a mais recente pesquisa FSB/BTG Pactual, divulgada nesta segunda-feira (17) e registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) com o número BR-03861/2018. O levantamento foi realizado entre os dias 22 e 23 de setembro com 2000 eleitores e a margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos. 

No cenário espontâneo, a intenção de voto de Bolsonaro oscilou de 30% para 31%, de uma semana para outra, enquanto Fernando Haddad passou de 12% para 17% e se consolidou na segunda posição (duas semanas atrás, ele tinha apenas 3% das intenções de voto espontânea). Já Ciro Gomes (PDT) mostrou estabilidade, oscilando negativamente de 8% para 7%. Geraldo Alckmin (PSDB) oscilou positivamente no limite da margem de erro de 2% para 4%, João Amoêdo (Novo) oscilou negativamente de 3% para 2%, mesmo percentual de Marina Silva (Rede), que manteve o percentual da última semana. A intenção de voto de Lula despencou de 6% para 2%, com o eleitorado identificando cada vez mais que Haddad é o nome para a disputa eleitoral do PT após a candidatura do ex-presidente ter sido barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Álvaro Dias (PODE) e Henrique Meirelles (MDB) se mantiveram com 1%, enquanto os demais não pontuaram. Não sabem ou não responderam oscilaram de 22% para 21%, não votariam em ninguém continuaram em 8%, enquanto brancos e nulos foram de 4% para 3% em uma semana.

Já na intenção de votos estimulada, Jair Bolsonaro se manteve em 33%, enquanto Haddad teve a alta mais expressiva ao passar de 16% para 23% em apenas uma semana, isolando-se no segundo lugar. Ciro Gomes, por sua vez, teve queda de quatro pontos, passando de 14% para 10% em uma semana e caiu para o terceiro lugar. 

Alckmin oscilou no limite da margem de erro e passou de 6% para 8%, voltando ao patamar de duas semanas atrás e empatado tecnicamente com Marina Silva, que seguiu com 5%. Amoêdo seguiu com 3% da semana anterior, enquanto Alvaro Dias manteve os 2%. Meirelles oscilou de 2% para 3% dos votos neste cenário, enquanto Cabo Daciolo (PATRI) deixou de pontuar. A porcentagem de quem não votaria em ninguém foi de 9% para 7%, branco/nulo somam 2%, enquanto não sabe/não responderam foi de 5% para 4%.

Os eleitores de Bolsonaro também são aqueles cuja certeza do voto é maior. Para 86% deles a decisão de voto é definitiva, sendo seguido pelos de Haddad (84%), Amoêdo (66%),  Alvaro Dias (58%), Ciro (58%), Alckmin (56%), Meirelles (54%) e Marina (42%). Vale destacar que 61% dos que disseram votar branco/nulo apontaram ter certeza do seu voto, enquanto 67% dos que disseram votar em ninguém/nenhum disseram estar decididos. 

Segundo turno

Pela segunda vez, o levantamento fez uma simulação de segundo turno (todas com Bolsonaro) e mostrou um cenário, ainda que tímido, de crescimento dos adversários do candidato do PSL. Bolsonaro, que antes vencia Haddad, Alckmin e Marina e empatava com Ciro, agora ganha apenas de Marina, empatando tecnicamente com os demais candidatos. 

Quando o cenário é Bolsonaro contra Ciro, há um empate técnico, com 43% votando no candidato do PDT e 41% apoiando o candidato do PSL; na semana passada, ambos apareciam com 42%. 5% dizem votar branco/nulo, 9% em ninguém e 2% não sabem ou não responderam.

Entre Bolsonaro e Haddad, a situação passou a ser de empate técnico, no limite da margem de erro. 44% disseram votar no candidato do PSL e 40% apontaram votar no petista; semana passada, 46% disseram votar em Bolsonaro ante 38% que votariam no petista. Quando confrontado com Alckmin, Bolsonaro oscilou de 43% na semana passada para 41% dos votos, enquanto o tucano subiu de 36% para 40%, configurando mais uma situação de empate técnico. A maior diferença é contra Marina Silva: 46% do candidato do PSL ante 34% da candidata da Rede; na semana passada, ele possuía 48% ante 33% da ex-senadora. 

Potencial de voto X rejeição

Com relação ao potencial de voto (porcentagem dos que poderiam votar em um determinado candidato), Bolsonaro deixou a dianteira e passou de 48% para 46%, enquanto Ciro Gomes ficou empatado com o presidenciável do PSL ao oscilar positivamente de 45% para 46%. Já Alckmin subiu de 39% para 47% de uma semana para outra e ficando em primeiro lugar numericamente. Fernando Haddad subiu de 36% para 41%, sendo seguido por Marina, que oscilou negativamente de 36% para 35%.

Meirelles aparece em seguida ao subir de 19% de potencial de voto da semana passada para 25%, Alvaro Dias seguiu em 22%, enquanto Amoêdo oscilou de 16% para 18%. Cabo Daciolo e Guilherme Boulos (PSOL) têm 8% de potencial de voto, seguido por João Goulart Filho (PPL), com 7%, enquanto José Maria Eymael (DC) registra 6% de potencial de voto e Vera Lúcia (PSTU) tem 6%. 

Já Marina Silva segue na dianteira na lista de maior rejeição -  ou seja, a porcentagem de quem não votaria "de jeito nenhum" no candidato/candidata -, com oscilação de 58% para 60%. Bolsonaro, Haddad, Meirelles e Eymael estão empatados em segundo lugar entre os mais rejeitados, com 48%; a rejeição do candidato do PSL subiu ante os 45% da semana passada, enquanto a dos demais se manteve. Alckmin caiu em termos de rejeição, passando de 53% para 47%, empatando com Ciro Gomes, que tinha 46% na semana passada.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Alfredo da Mota Menezes

Nascendo a agroindústria

Deve crescer no Estado as fábricas de etanol de milho, como ocorreu nos EUA Têm em operação 12 fábricas de etanol em Mato Grosso. Duas são de milho e três, chamada flex, com cana e milho. As outras...

 
 
 
 
Sitevip Internet