Imprimir

Imprimir Notícia

09/12/23 às 12:49

Fisioterapeuta Patrícia Figueiredo Paiva recebe Título de Cidadã Aguaboense

A fisioterapeuta Patrícia Figueiredo Paiva recebeu o Título de Cidadã Aguaboense, após 20 anos em Mato Grosso e de serviços prestados ao município. Ela é esposa do deputado Dr Eugênio de Paiva (PSB).

O título foi ofertado pelo vereador Léo Enfermeiro nesta sexta-feira (8/12), em sessão especial na Câmara Municipal.

Patrícia atuou no Hospital Regional de Água Boa durante 10 anos, entre 2004 e 2014. Mineira de Boa Esperança, ela conheceu Mato Grosso em 1997, quando namorava Dr Eugênio, e ainda cursava Fisioterapia, e ele veio para o Estado. Ela retornou em definitivo em 2003, após se formar.

A homenageada se disse contente com o reconhecimento como Cidadã Aguaboense, porque na residência do casal ela é a única que não tinha ligação oficial com Mato Grosso.

"Estou muito feliz. Esse título é motivo de alegria, porque ele era muito esperado, obrigado Léo", disse.

"Na minha casa só eu não tinha esse título em Mato Grosso. Eugênio tem, minhas duas meninas nasceram aqui. Eu sempre quis esse título, porque eu e Água Boa fomos amor à primeira vista", contou Patrícia parte da sua história.

Apoio entre casal

Em seu discurso, Dr. Eugênio destacou o apoio mútuo dele e da esposa na área pública a favor da população, na saúde e na política.

"Só construímos uma história bacana na vida pública aqui em Água Boa, na Medicina ou na política, porque tenho do meu lado alguém que me dá sustentação e força para aquele momento que a gente pensa em desistir", disse o deputado.

"Então, Patrícia, eu quero publicamente aqui fazer meu reconhecimento a você. Léo, obrigado por esse reconhecimento", agradeceu. "Muito obrigado a você Patrícia. Sei que você está muito feliz. Ser reconhecido é o sinal que o que fizemos é o certo" , comemorou Dr Eugênio.

Política e casal

Dr Eugênio também explicou que a esposa Patrícia é uma excelente administradora e que sempre o ajudou nas decisões e nas disputas eleitorais.

"Ela não queria de forma nenhuma que eu entrasse para a vida pública. Sou o único médico da minha família de 9 filhos. Aquele sofrimento todo, e de repente, a gente deixar de 'stand-by' por um período", contou o deputado.

"Ela não queria, não concordava de jeito nenhum. Mas quando tomei a decisão, ela foi para a rua comigo, sempre vestiu minha camisa e me apoiou", relembrou o deputado sobre a relação do casal.
Imprimir