Imprimir

Imprimir Notícia

01/02/23 às 12:05 | Atualizada: 01/02/23 às 12:13

Construção de 800 tanques de peixes com assistência da Empaer gera renda a agricultores

Um total de 800 tanques para a criação de peixes em cativeiro foram construídos por meio de uma parceria entre a Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e a Prefeitura de Querência (a 945 km a nordeste de Cuiabá), nos assentamentos rurais Canaã e Pingo D’água, no município, para fortalecer a cadeia produtiva da piscicultura na região do Vale do Xingu. A área de mais de 30 hectares de lâmina d’água proporciona aos agricultores familiares mais uma atividade geradora de renda.

O incentivo à piscicultura começou em 2017, de forma ambientalmente correta e economicamente viável para as famílias que manifestaram interesse no projeto. O secretário de Agricultura, Meio Ambiente e Reforma Agrária do município de Querência, Rodrigo Fenner, afirma que no ano passado foram comercializadas 50 toneladas de pescado. “A região tem um clima favorável para o cultivo de peixe, temos sol o ano todo e em algumas propriedades estão sendo retirados peixe com quase 2 kg, em apenas oito meses”, enfatiza.

De acordo com Rodrigo, a piscicultura desenvolvida nas pequenas propriedades é uma atividade complementar à agricultura familiar, que contribui com o aumento da receita financeira e também com a alimentação das famílias. Os tanques foram construídos sem custo para os proprietários e atualmente 20 produtores estão comercializando a produção nas feiras livres e entregando conforme encomenda. A previsão é que o número de produtores aumente em curto prazo.

Para facilitar a comercialização, os agricultores estão construindo um miniabatedouro com capacidade para abater 300 kg de pescado por dia, das espécies Tambatinga e Pacu Caranha. Para a criação e engorda em cativeiro, os agricultores adquirem por conta própria os alevinos e a ração. “Acredito que neste ano de 2023 o mini abatedouro estará pronto e incentivando a produção e comercialização de peixe no município", destaca Fenner.


Atualmente, 20 produtores estão comercializando a produção nas feiras livres e entregando conforme encomenda. O extensionista da Empaer, Vanilson Simões de Lima, explica que devido ao potencial hídrico da região o município pode ser o principal polo da piscicultura no Estado. Foram construídos tanques do tamanho padrão de 450 a 1.000 metros quadrados, considerados ideal para facilitar a despesca e o manejo. Ele esclarece que a regra básica para produção é de um quilo de peixe por metro quadrado. “Se o produtor colocar mais alevinos do que o recomendado, sugerimos que retire alguns e comece a consumir antes que o peixe atinja o peso de um quilo”, ressalta.

“Um dos pilares fundamentais para criação de peixe é a quantidade de alevinos a ser introduzida em cada tanque. Orientamos aos agricultores não colocar alevinos acima do recomendado, porque quando crescem vão competir por espaço, alimentação e principalmente por oxigênio. Ficam estressados e susceptíveis a doenças. Cuidados também com a quantidade de ração fornecida e a retirada de matos e ervas daninhas nas bordaduras dos tanques que é de suma importância para o manejo”, esclarece Lima.

Os técnicos da prefeitura foram responsáveis pela análise do terreno, escavação e em parceria com os técnicos da Empaer prestam assistência técnica. A extensionista da Empaer Carla Simões avalia que a cadeia da piscicultura é promissora, pois o produtor pode aumentar a renda em uma pequena área da sua propriedade e utilizar a terra para outras atividades e cultivo de diversas culturas. Os produtores recebem orientações desde a avaliação da qualidade da água, analise da água, teor de oxigênio nos tanques, correção de calcário, adubação, soltura dos alevinos, ração e o abate. “A manutenção da qualidade da água em viveiros de piscicultura é o requisito básico para o sucesso econômico e produtivo da atividade”, relata Carla.

O agricultor Ediberto Aparecido Ferreira, proprietário do Rancho Ponto 7, possui uma área de 65 hectares, localizado no assentamento Pingo d’água, com uma represa de 1.500 metros quadrados, onde são criados peixes da espécie tambatinga. Ele sugere que para ter retorno financeiro é necessário criar pelo menos 2 mil peixes. Na represa que foi construída pela prefeitura, o agricultor colocou 500 alevinos, que estão pesando em média 5 kg.


 
Empaer-MT
O incentivo à piscicultura começou em 2017. No Rancho, a represa é um ponto de diversão e encontro da família e dos amigos. O agricultor não gosta de passar a rede no tanque e para retirar o peixe tem que ser com a vara de pescar. Ele avalia se constrói outro tanque para produção de peixe para comercializar. No momento está acompanhando o manejo, a criação e com a experiência que está tendo, acredita que poderá ser uma fonte produtiva como alternativa de renda no campo.
Imprimir