Notícias / Justiça

09/07/24 às 20:25 / Atualizada: 09/07/24 às 20:40

Defensorias do Araguaia - Dona Lourdes busca pensão para renovar esperança de vida após a perda do marido

Moradora da Aldeia de Fontoura, localizada na Ilha do Bananal, a indígena vem passando por dificuldades após a morte do companheiro

Karine Arruda

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Defensorias do Araguaia - Dona Lourdes busca pensão para renovar esperança de vida após a perda do marido

Foto: Assessoria

Na Aldeia de Fontoura, localizada na Ilha do Bananal em Tocantins, Dona Lourdes enfrenta desafios desde a morte de seu esposo. Após solicitar a pensão por morte, viu seu pedido negado devido à falta de documentos que comprovassem sua união estável com o falecido. 

No idioma Karajá, falado em sua comunidade, a expressão "Awire" significa "bom" ou "tudo bem". "Muito Awire", diz Dona Lourdes, ao se referir à chegada do projeto "Defensorias do Araguaia". "Estou muito feliz que vieram aqui, é uma oportunidade muito boa, agradeço muito", acrescenta emocionada. 

O projeto "Defensorias do Araguaia", uma iniciativa colaborativa entre as Defensorias Públicas de Mato Grosso, Goiás e Tocantins, tem como objetivo promover o acesso à justiça, cidadania e defender os direitos indígenas na região. A iniciativa não apenas trouxe suporte jurídico, mas também renovou a esperança em um futuro mais justo e seguro para os povos indígenas da região. 



Sob a orientação da defensora pública federal Diana Ferreira de Andrade, Dona Lourdes e sua comunidade mobilizaram esforços para reunir evidências que sustentassem seu direito à pensão. A defensoria consultou órgãos como a FUNAI, Secretaria da Educação e o Núcleo de Serviços Especializados (NSES), buscando documentação essencial, incluindo registros do Distrito Sanitário Especial Indígena (DCEI) e depoimentos que confirmassem sua relação com o falecido marido. 

Para Dona Lourdes, essa batalha vai além do aspecto legal. É sobre garantir um futuro digno e estável para si mesma. "Quero ter minha própria casa com um quintal onde eu possa plantar minhas batatas doces, mandioquinhas e ter minha hortinha completa", compartilha ela, revelando seus sonhos simples, mas significativos. 

Durante a semana de 17 a 21 de junho, o projeto "Defensorias do Araguaia" percorreu quatro aldeias indígenas Karajá da região do Alta Araguaia, onde foram realizados 1100 atendimentos. Para ela e muitos outros indígenas locais, a presença do projeto foi um lembrete de que seus direitos são valorizados e defendidos. 

Enquanto aguarda o desfecho do processo judicial, a DPMT reforça a importância de iniciativas como "Defensorias do Araguaia" na garantia de justiça e dignidade para todos.
 

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet