Notícias / Indígena

21/06/24 às 17:35 / Atualizada: 21/06/24 às 17:50

Indígenas barram brigadistas e apreendem carro em aldeia no Xingu; equipe fazia queima prescrita autorizada, diz Ibama

Influencer Ysani Kalapalo estava entre os indígenas que protestaram contra brigadistas. Segundo o Ibama, queima prescrita, feita para evitar grandes incêndios, foi autorizada por lideranças do Parque do Xingu; Polícia Federal foi acionada.

Mariana Mouro, Gustavo Nolasco e Ricardo Freitas

g1 MT e TV Centro América

Imprimir Enviar para um amigo
Três indígenas Kalapalo bloquearam a passagem de brigadistas que realizavam uma atividade de queima prescrita na Aldeia Barranco Queimado, no Território Indígena do Xingu, em Gaúcha do Norte, a 595 km de Cuiabá. Em protesto, os indígenas apreenderam um veículo usado pelos brigadistas. A situação ocorreu na última terça-feira (18). O veículo continuava apreendido até esta quinta (20).
 
Vídeos gravados no momento da abordagem dos indígenas mostram que o trio estava armado com facão e espingarda quando abordaram os brigadistas, que estavam em veículos,. Em nota, o Ibama informou que a equipe de brigadistas fazia atividade de queima prescrita, e que ação foi autorizada pelas lideranças indígenas da região.
 
Entre os indígenas estava Ysani Kalapalo, influencer que tem quase 1 milhão de seguidores nas redes sociais e ficou conhecida após ir à Assembleia Geral da ONU, em 2019, junto com o ex-presidente Jair Bolsonaro.
 
A Polícia Federal foi acionada para conter a confusão. O g1 entrou em contato com a PF, que informou que está acompanhando o caso para assegurar que as atividades de fiscalização ambiental e proteção do território indígena sejam realizadas dentro da legalidade.
 
Os brigadistas registraram um boletim de ocorrência contra os três indígenas que os abordaram. No documento, o supervisor dos profissionais informou que a equipe era composta por 11 trabalhadores e que, ao terminarem a queima, que estava autorizada pelas lideranças indígenas do Xingu, foram abordados pelo grupo.
 
Indígenas apreenderam veículo do Ibama — Foto: Redes sociais
Indígenas apreenderam veículo do Ibama — Foto: Redes sociais
 
Procurada pelo g1, Yasani Kalapalo alegou que tentou defender a área e conversar com os trabalhadores, que teriam negado o contato.
 
Ysani, que é irmã do cacique da aldeia Barranco Queimado, disse que ela e outros dois indígenas tentavam apagar uma área com fogo na região, quando encontraram os brigadistas e os chamaram para uma conversa. Segundo ela, o grupo da brigada não parou o carro e teria agido de forma agressiva.  
 
"Por isso apreendemos esse veículo, porque queremos dialogar com o presidente do Ibama. Ele vindo aqui [na aldeia] vamos conversar com ele de uma maneira educada, não vamos agir com truculência. Se a gente agiu daquela maneira, é porque eles queriam passar por cima da gente", declarou.
 
Ysani disse ainda que ela e o grupo que atuou no bloqueio são contra a queima prescrita, pois, segundoa ela, animais e plantas mediciais que tinham na região começaram a desaparecer após a chegada dos brigadistas.
 
O Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), que é responsável pela brigada, reiterou que a equipe realizava a atividade de queima prescrita, e que viaturas do Instituto foram danificadas e que uma foi apreendida pelo grupo.

Ninguém ficou ferido.

 
“O Ibama solicita a devolução do veículo para que o trabalho de prevenção a grandes incêndios nas áreas indígenas possa continuar”, disse o Ibama em nota.
 
A queima prescrita é uma ação de manejo tradicional usada para queimar apenas o que está na superfície e evitar grandes incêndios durante a seca.
 
Nessa técnica, o fogo controlado é monitorado pelos bombeiros e pela Defesa Civil. Segundo o Ibama, antes de incendiar as áreas estratégicas, as equipes realizam um planejamento de análise para saber se as condições de umidade, temperatura e direção do vento são favoráveis para execução da ação.  
 
Queima foi autorizada, diz liderança do Xingu
 
Nesta quinta-feira (20), o cacique geral do Xingu, Tapi Yawapati Xingu, gravou um vídeo em que diz que as lideranças haviam entrado em consenso para apoiar o trabalho de brigadistas do Ibama, que conta com trabalhadores indígenas. A gravação foi disponibilizada ao g1 pelo Ibama.

“Quero dizer aqui, apoiando os brigadistas, somos a favor sim, do trabalho. Assim a gente vai preservando o meio ambiente, a floresta que a gente tem. Em 2018, eu tirei o chapéu pros meninos que trabalharam durante esses anos, porque eles controlavam a queimada da floresta. Então digo aqui pra todos, apoio os brigadistas trabalhando no Xingu”, disse.

 
Brigadistas do PrevFogo durante queima prescrita no Xingu em MT — Foto: PrevFogo/Ibama
Brigadistas do PrevFogo durante queima prescrita no Xingu em MT — Foto: PrevFogo/Ibama
 
O cacique Kuikumuro Amuneri, da aldeia Aldeia Ipatse, disse que entende a importância da queima prescrita e que os povos da região já entraram em um acordo para apoiar e acompanhar o trabalho dos brigadistas do Ibama. Ele ressaltou ainda que pediu aos trabalhadores que entendam a forma que os indígenas também atuam no combate ao fogo para que trabalhem juntos.
 
"É muito importante ter queima prescrita na nossa área e a nossa comunidade apoia e entende esse trabalho. A gente sempre fala aos chefes das brigadas e aos não indígenas para entender também a nossa preocupação. Já temos acordo compactuado, existem mapas aqui na região para ver onde vai ser queimado. Estamos unidos e acompanhando o trabalho", pontuou.
 
O Parque Indígena do Xingu, onde vivem mais de 6 mil indígenas de 16 povos, fica no estado de Mato Grosso, em uma zona de transição entre os biomas da Amazônia e do Cerrado. A região é próxima ao Pantanal, que enfrenta neste mês de junho uma escalada de incêndios que já supera o registrado no mesmo período de 2020, ano recorde de queimadas em todo o Pantanal.
 
Queima prescrita realizada no Xingu — Foto: PrevFogo/Ibama
Queima prescrita realizada no Xingu — Foto: PrevFogo/Ibama

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet