Notícias / Saúde

11/05/24 às 20:43 / Atualizada: 11/05/24 às 21:06

Justiça do MT determina que SUS pague por mastectomias em homens transexuais

Cirurgia deverá ser realizada na rede privada porque a saúde pública não possui especialista na área

Sandra Carvalho

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Justiça do MT determina que SUS pague por mastectomias em homens transexuais

Rafaela Rosa Crispim

Foto: Assessoria

Em decisão inédita, a defensora de Direitos Humanos Rafaela Rosa Crispim conseguiu mais uma vitória esta semana em prol de dois homens transexuais, um residente do município de Sinop e outro do município de Cuiabá-MT. Isso porque, em decisão liminar, o juiz Agamenon Alcântara Moreno Júnior, da 1ª Vara Esp. Da Fazenda Pública De Várzea Grande, atendeu o pedido liminar e determinou que o Estado do Mato Grosso arque com os custos do procedimento de Mastectomia Bilateral (remoção das mamas) em rede privada, uma vez que, não possui médico apto a atender os pacientes na rede pública de saúde.

Na ação, a defensora argumentou que a cirurgia plástica reparadora de Mastectomia Bilateral (remoção das mamas) visa assegurar nos casos de homens transexuais um tórax anatomicamente masculino, deste modo, permitindo que o homem transexual exerça o direito à saúde plena.

Para homens transgênero, a mamoplastia masculinizadora funciona como uma ferramenta capaz de harmonizar o seu corpo e a sua alma, alinhando sua autopercepção. “Um homem transgênero busca o reconhecimento de sua identidade, pois sente-se desconectado do seu corpo, da sua mente e de suas sensações. A cirurgia traz a reconstrução disso e o recoloca dentro de sua personalização”, observa Rafaela Crispim.

A defensora pontua que a decisão representa uma vitória a todas os homens transgêneros hipossuficientes que aguardam a anos na fila do SUS e que não podem pagar pela cirurgia na rede privada: “A singularidade de cada ser humano não é pretexto para a desigualdade de direitos, principalmente o direito mais fundamental como a vida e a saúde. A tutela dos direitos fundamentais há de ser plena, para que a Constituição não se torne mera folha de papel”, acrescenta.

Rhavi Augusto de Araújo, 28 anos, é tatuador e reside em Cuiabá. Ele conta que desde o momento em que o juiz determinou que a cirurgia fosse feita pelo SUS viveu dias de desgaste emocional e físico, porque foi informado que na saúde pública não existe médico especializado para tal procedimento em Mato Grosso.

“Mastectomia é a representação da liberdade e a volta da autovalorização. Não consigo descrever em palavras, porém tem uma música de um homem trans que fala muito desse momento que estou vivendo: Agora eu vejo minha face do outro lado. Estou certo de que sou assim. Ser eu mesmo não é nenhum pecado. O espelho já não vai rir de mim”.

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet