Notícias / Agricultura

01/11/23 às 21:27

Empaer promove Encontro Técnico da Cultura da Mandioca realizado no campo experimental

A cultura está sendo avaliada nos campos experimentais de Acorizal, Cáceres e Tangará da Serra - tanto para a mandioca de mesa como para indústria

Maricelle Lima Vieira | Empaer/MT

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Empaer promove Encontro Técnico da Cultura da Mandioca realizado no campo experimental

Foto: Empaer

Informações sobre plantio, colheita, comercialização, alimentação animal e agroindústria - foram os assuntos abordados no Encontro Técnico da Cultura da Mandioca, realizado na semana passada no Campo Experimental de Tangará da Serra. Com a presença de 73 pessoas de diversas regiões do estado que buscavam informações relacionadas à cadeia produtiva da mandioca.

Entre eles, o produtor de mandioca na comunidade Praia Grande, em Várzea Grande, Clênio de Souza Casarim, 45 anos. Ele conta que a experiência de participar do encontro foi fantástica e agregou muito conhecimento. “Desde os sete anos já trabalho na roça com meu pai e sempre achando que sei de tudo, mas é oportunidade como está que abre nosso horizonte”.

Segundo ele o que mais chamou sua atenção de tudo que aprendeu foi a possibilidade de tornar a maniva silagem. “Já estou pensando em reservar uma área de três hectares para isso. Será mais uma renda agregada a produção de mandioca”.

Em sua propriedade, a produção da cultura está em 12 hectares e colhendo entre 37 a 40 toneladas mês. Clênio conta que a colheita começou em maio e foi até julho. “Agora no mês de novembro vamos começar o plantio e aproveitar o início das chuvas já que minha área não é irrigada”, destaca Clênio.



Sobre o Encontro

Os assuntos abordados foram desde o início do plantio, como o planejamento da cultura iniciando com a realização da análise de solo para recomendações de calagem e adubação, uso de materiais de boa qualidade, manivas sadias livres de doenças e pragas, sendo estes, importantes para o sucesso da lavoura evitando que ocorram problemas que venham afetar o desenvolvimento das plantas e, de forma que não aumente o custo de produção, evitando assim, o uso de defensivos na lavoura.

De acordo com a especialista no assunto, a pesquisadora da Empaer, engenheira agrônoma e doutora Dolorice Moreti, em sua explanação sobre plantio e colheita ela frisou o controle cultural na cultura da mandioca que é de fundamental importância, uma vez que, o seu cultivo, na maioria, ainda é de forma manual do plantio a colheita e os produtores, na maioria, não dispõe de máquinas e implementos que auxiliem nas atividades durante o cultivo da mesma.

“Cito entre os tipos de controle cultural, as manivas sadias e de alto vigor, variedades resistentes a doenças e pragas, rotação de culturas, erradicação de plantas doentes ou com pragas. É importante evitar áreas e ferramentas contaminadas, realizar pousio, evitar áreas encharcadas entre outras”, explica.

Segundo a pesquisadora, nos trabalhos de avaliações realizadas nos campos experimentais da Empaer de Acorizal, Cáceres e Tangará da Serra - tanto para a mandioca de mesa como para indústria, tem sido analisada a produtividade, teor de amido, cocção (materiais de mesa) e outros que auxilia no planejamento de plantio e colheita em cada sistema de produção. Partes desses resultados foram demonstradas no encontro e, com isso, os produtores tenham conhecimento da importância dessas características no planejamento”, reforça Dolorice.



Sobre o potencial da mandioca e subprodutos na alimentação animal, o técnico da Empaer, zootecnista Antônio Rômulo Fava, destacou como de grande importância, pois as raízes são ricas em carboidratos e a parte aérea rica em proteínas e podem fazer parte como ingredientes na formulação das rações, silagem ou feno para bovinos, suínos aves e outros. Portanto, a mandioca pode ser utilizada de diversas formas e sendo aproveitada como um todo.

Outro assunto abordado na ocasião foi referente ao custo de produção que é variável para cada área a ser cultivada, pois, as quantidades de insumos, como corretivos, adubos e outros insumos são diferentes para cada sistema de produção.

Segundo o palestrante, Eliel Ferreira que também é produtor de mandioca, a cultura pode trazer um retorno em torno de 70%, se for utilizada as técnicas recomendadas para a implantação da cultura, sendo esta uma boa opção de investimento, por ser um alimento muito importante na mesa de cada cidadão, nas diversas formas de consumo e também na alimentação de animais.

Ele reforçou que no planejamento da implantação da cultura, o produtor já terá que ter definido como será o sistema de comercialização, pois, é necessário fazer o estudo de mercado, seja para venda de mandioca in natura, congelada ou processada (farinha ou fécula), de forma que atenda o hábito alimentar do consumidor, mantenha a qualidade do produto e a constância de produção.

“Importante também verificar a logística para não encarecer o custo de transporte. Caso a raiz de mandioca seja comercializada de forma processada ou congelada, apesar da necessidade de infraestrutura para isso, há agregação de valor na produção, tornando-a mais rentável”, reforça Eliel.

Sobre procedimentos para instalação de agroindústria da mandioca, a médica veterinária Priscilla Karine Gevaerd Corrêa, ressaltou a importância do credenciamento e ter uma estrutura adequada. Ela pontua que a regularização da agroindústria são três etapas.

“A primeira a regularização fiscal, onde o produtor precisa se informar sobre qual tipo jurídico é mais interessante para o seu caso. Pois pode vir a perder a condição de segurado especial. A segunda é a regularização ambiental. E hoje temos uma legislação nova que atende as agroindústrias com produção de baixo risco, diferenciadamente junto as licenças ambientais LAC e a LAS. O terceiro passo é a regularização sanitária, que pode ser feita na prefeitura, junto a vigilância sanitária do município caso já esteja descentralizado. Caso não esteja, procurar o escritório Regional de Saúde do Estado mais próximo. Para consulta, os endereços estão no site da Secretária Estadual de Saúde. Sugere as cartilhas do ISPN - Instituto Sociedade População e Natureza como fonte de informações”, explica Priscila.

Foram parceiros no encontro, a Prefeitura de Tangará da Serra, Embrapa e Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf). O encontro aconteceu na quinta-feira (26.10)

 

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Causa e efeito

         Reclamamos dos sofrimentos que nos alcançam de vez em quando e que nos tira a alegria. Muitas vezes são doenças graves com internações hospitalares. Nos questionamos...

 
 
 
 
Sitevip Internet