Notícias / Agricultura

01/11/23 às 19:45 / Atualizada: 01/11/23 às 19:55

Produção Vegetal - Prevenção da resistência conta com uso correto de produtos e diversificação de estratégias de controle

Gabriel Faria

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Produção Vegetal - Prevenção da resistência conta com uso correto de produtos e diversificação de estratégias de controle

Foto: Assessoria

Pesquisadores e especialistas apresentaram resultados de monitoramento e pesquisas ligadas à resistência de insetos, plantas daninhas e fungos aos mecanismos de ação em uso nas lavouras de Mato Grosso durante o III Seminário Mato-grossense sobre Manejo de Resistência, realizado no auditório Cloves Vettorato, nesta terça e quarta-feira. Em comum a todas as apresentações, está o relacionamento dos casos de resistência ao uso inadequado de produtos químicos e cultivares Bt e a falta de rotação de mecanismos de ação.

Entre os equívocos que contribuem para a pressão de seleção que resulta em uma aceleração do surgimento de populações resistentes está o uso de doses menores do que as recomendadas pelos fabricantes dos produtos, a ausência de rotação de princípios ativos, o uso sucessivo dos produtos em uma mesma safra, a ausência de áreas de refúgio e a falta da adoção de estratégias complementares.

No caso das pragas, além da rotação de produtos químicos, os produtores contam com ferramentas alternativas como o controle biológico e o uso de feromônios. Nas plantas daninhas o sistema de manejo pode ser um grande aliado. O uso de braquiária, por exemplo, traz resultados importantes, como mostrou o pesquisador da Embrapa Algodão Sidnei Cavalieri, com base em experimentos realizados em sistema de produção de soja-milho-algodão.

“Quando coloca espécies de cobertura no sistema temos economia de aplicações e aumento de produtividade”, demonstrou o pesquisador.

No caso das doenças, a pesquisadora Mônica Muller, da Fundação MT, lembrou que as boas práticas recomendadas na bula dos produtos, como doses e intervalos de aplicação são fundamentais para o sucesso da aplicação. Da mesma forma, a necessidade do uso de multissítios em mistura deve ser observada.

“Os fungicidas devem ser usados preventivamente. Deve-se evitar aplicações em alta pressão de doença e de forma curativa”, acrescentou a pesquisadora.

João Ascari, da Fundação MT, lembrou ainda que o manejo de doenças não pode ser dependente apenas do controle químico. É preciso o uso de genética, com materiais resistentes e também o manejo cultural, com a rotação de culturas.

Rafael Galberi, do IMAmt, falou sobre o desenvolvimento de cultivares resistentes a nematoides e da necessidade de fazer o manejo correto, a rotação de culturas e de fontes de resistência para garantir a longevidade dos materiais.

Dentre os resultados de monitoramento em Mato Grosso apresentados no evento estão episódios de resistência total ou parcial em doenças da soja e do algodão, lagartas e plantas daninhas como capim-pé-de-galinha, capim-amargoso e buva.

Outros problemas

Durante o seminário também foram abordados outros problemas que merecem atenção do setor produtivo. Um deles é o combate e erradicação do Amaranthus palmeri, uma planta daninha invasora, resistente a herbicidas, cujo combate precisa ser feito com a capina associada a práticas como o uso de plantas de cobertura.

O risco da importação de máquinas usadas foi destacado, uma vez que acredita-se que essa foi a forma como o A. palmeri chegou a Mato Grosso.

Outro tema cujos resultados de pesquisa foram apresentados é o apodrecimento das vagens da soja. Ainda de causa desconhecida, o problema foi identificado na região médio-norte de Mato Grosso na safra 2019/2020 e vem causando perdas nas lavouras. Pesquisadores da Embrapa apresentaram dados de pesquisas com avaliação de cultivares e com diferentes programas de manejo de fungicidas. Embora ainda não se tenha o fator causal, as informações levantadas já contribuem com a tomada de decisão do produtor.
 
Seminário

O III Seminário sobre Manejo de Resistência foi promovido pela Fundação MT, IMAmt e Embrapa, com patrocínio da Agbitech e Sumitomo Chemical, e apoio da Bayer, Crop Life Brasil, Ihara e dos Comitês de ação à Resistência de Fungicidas (Frac), de Herbicidas (Hrac) e de Inseticidas (Irac).

Durante todo o Seminário, foi constante a fala sobre a responsabilidade compartilhada entre produtores, indústria, revendas, assistência técnica, pesquisa e governo para que o problema da resistência seja minimizado. Do evento saiu a proposição para a formação de um conselho anti-resistência com atuação em Mato Grosso desenvolvendo ações de monitoramento, pesquisa, treinamento e comunicação no estado. O tema será discutido posteriormente pelos representantes das instituições.
  • Produção Vegetal - Prevenção da resistência conta com uso correto de produtos e diversificação de estratégias de controle
  • Produção Vegetal - Prevenção da resistência conta com uso correto de produtos e diversificação de estratégias de controle

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Causa e efeito

         Reclamamos dos sofrimentos que nos alcançam de vez em quando e que nos tira a alegria. Muitas vezes são doenças graves com internações hospitalares. Nos questionamos...

 
 
 
 
Sitevip Internet