Notícias / Agronegócios

17/09/22 às 10:25 / Atualizada: 17/09/22 às 10:30

Agroindústria cria 40% das vagas geradas no agronegócio em MT

Destacam-se subsetores como abate e preparação de carne e pescado, laticínios, bebidas e fabricação de produtos de madeiras

Marianna Peres

Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Agroindústria cria 40% das vagas geradas no agronegócio em MT

Os números, que consideram os dados de 2020, atestam a importância da agroindústria mato-grossense para a economia estadual

Foto: Reprodução

A agroindústria de Mato Grosso é responsável por gerar mais de 75 mil empregos no ano.

O setor representa quase 40% do total de vagas ocupadas no agronegócio do Estado.

Dados do Observatório da Indústria da Federação das Indústrias de Mato Grosso (Fiemt) mostram que os empregos são gerados por 2,5 mil estabelecimentos agroindustriais.

Destacam-se os mais variados subsetores, tais como: abate e preparação de carne e pescado, laticínios, açúcar; fabricação de biocombustíveis, bebidas, fabricação de produtos de madeiras, entre outros.

Os números, que consideram os dados de 2020, atestam a importância da agroindústria mato-grossense para a economia estadual, pontuando crescimento no decorrer dos anos.

A participação da agroindústria de Mato Grosso, na quantidade de empregos gerados em todo o país, passou de 2,46% em 2019 para 2,51% em 2020.

“A indústria de Mato Grosso vem crescendo ao longo dos anos e tem potencial para expandir muito mais. Temos a disposição de matéria-prima, principalmente na produção de grãos e carnes e biocombustíveis”, destacou o presidente da Fiemt, Gustavo de Oliveira.

Ele disse ainda que o bom desempenho da economia é relacionado, principalmente, à indústria alimentícia, que detém mais de 70% de participação no setor.

“Estamos aumentando a capacidade de produção e, consequentemente gerando mais empregos”, acrescentou Gustavo.

Um levantamento divulgado recentemente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mostrou que a produção industrial de Mato Grosso tem se destacado nacionalmente com crescimento de 25,6% em julho deste ano na comparação com o mesmo mês do ano passado; de 23,2 no acumulado de janeiro a julho deste ano e de 3,7% em relação entre os meses de junho e julho.

FORÇA DE TRABALHO - A disponibilidade de vagas de trabalho esbarra na falta de mão-de-obra qualificada.

O documento ‘Prioridades da Indústria Mato Grosso – 2023/2026’ feito pela Fiemt apontou que o Estado entra em uma situação de ‘pleno emprego’, em que há mais vagas ofertadas do que candidatos disponíveis.

O trabalhador ativo, nesse caso, pode escolher onde quer trabalhar.

Nesse cenário, o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai/MT) tem trabalhado para qualificar esses trabalhadores e suprir a demanda da indústria.

O Mapa do Trabalho divulgado em maio de 2022 pelo Senai expõe essa necessidade de qualificação de mão-de-obra e a alta demanda de algumas áreas por mão-de-obra.

Na divulgação realizada, é exposto que, até 2025, Mato Grosso precisará qualificar 178 mil trabalhadores para atividades industriais e, dentre os setores com as maiores demandas destaque para as áreas traansversais (33.248), metalomecânica (32.654) e logística e transporte (28.123).

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

Vamos cuidar melhor da nossa 'Casa Comum'?

“Quando os seres humanos destroem a biodiversidade na criação de Deus, quando os seres humanos comprometem a integridade da terra e contribuem para a mudança climática, desnudando a terra de suas florestas naturais...

 
 
 
 
Sitevip Internet