Notícias / Notícias Gerais

01/05/22 às 10:48

Mês das Mães - Trigêmeas cuiabanas nasceram em família de duas oficiais da PM

Uma das mães é comandante da Força Tática da corporação; as duas amamentaram as filhas

Alecy Alves

Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Mês das Mães - Trigêmeas cuiabanas nasceram em família de duas oficiais da PM

As tenentes-coronéis Susane Tamanho, 40, e Patrícia Silva Santos, 35, da PM, com as filhas

Foto: Arquivo pessoal

Juntas há 17 anos, as tenentes-coronéis Susane Tamanho, 40, e Patrícia Silva Santos, 35, da Polícia Militar de Mato Grosso, tornaram-se mães em plena pandemia da Covid-19, em julho de 2020.

Para elas, a maternidade não aconteceu como na maioria das famílias, ou seja, com um filho por gravidez.

Foi em dose tripla.

As filhas, Maria Lívia, Maria Sofia e Maria Fernanda, nasceram no dia 17 de julho de 2021, na 32ª semana de gestação.

Todavia, deixaram o hospital em datas diferentes.

As três precisaram ir para UTI neonatal.

O tempo de permanência delas na unidade hospitalar, para o desespero das mães, variou entre 21 e 35 dias.

O peso das três também variou. Maria Fernanda nasceu com 1,860 kg, e as duas irmãs, Maria Sofia e Maria Lívia, com 1,645kg e 1,335kg, respectivamente.

A gravidez trigêmea foi uma grande surpresa para Susane e Patrícia.

 
Arquivo Pessoal
Casal PM 2
A tenente-coronell Susane, na foto com as três filhas, é comandante da Força Tática da PMMT

 
Especialmente porque só descobriram na segunda ultrassonografia.

Já estavam surpresas quando, no primeiro exame de imagem, ouviram o anúncio de que havia dois bebês.

Susane conta que o médico as informou que, dos três embriões implantados. um não havia fecundado.

Assim, teriam dois bebês gerados separadamente.

No ultrassom seguinte, veio a maior surpresa: um embrião havia se dividido e gerado mais um bebê, esses dois univitelinos (na mesma placenta).

“Por causa da minha idade, engravidando aos 37 anos, o médico que ia pôr três embriões porque a possibilidade de fecundar todos era raríssima”, diz.

“A chance seria de 00,01%. E aí aconteceu comigo o que seria quase improvável”, completa, sorrindo.

Susane não teve uma gravidez tranquila.

Viveu os 9 meses da gestação e os três do pós-parto em sobressaltos. Não apenas por causa das crianças.

Durante a gestação, havia o risco de morte de um ou mesmo os dois bebês gerados na mesma placenta.

Isso porque a alimentação poderia chegar mais para uma que para outra filha, explicou-lhe o médico.

Também teve a internação por terem nascido prematuras, além de outras intercorrências comuns aos recém-nascidos, como as cólicas frequentes, nos primeiros três meses.  

No caso da mãe, uma hemorragia puerperal, ou seja, dia após pós-parto.

Susana já estava em casa, mas as filhas permaneciam no hospital.

Ela desmaiou duas vezes, enquanto Patrícia acompanhava as filhas no hospital.

Teve de ser socorrida pelo Samu e removida para uma maternidade, onde passou por dois procedimentos cirúrgicos.

Tudo isso no auge da Covid-19, sob o temor da contaminação pelo coronavírus e suas consequentes mutações.

Contaminação dela, da companheira, que passava muito tempo no hospital com as filhas; das filhas e das pessoas que davam suporte na jornada da maternidade tripla.

Hoje, 1 ano e 9 meses após o nascimento das filhas, Susane e Patrícia celebram a maternidade, vivendo um desafio, que, segundo elas, tem muito mais bônus do que ônus.

“Nossas vidas se dividem entre antes e depois da maternidade”, conta Patrícia.  

Ter ou não filhos, lembra Susane, foi algo que elas pensaram por muitos anos.

Já a decisão foi impulsionada pelo nascimento do sobrinho de Susana, Luiz Fernando.

Um mês depois de conhecer o sobrinho na maternidade, Susane e Patrícia procuraram um especialista em reprodução humana.

Três meses mais tarde, em dezembro de 2019, implantaram os embriões obtidos em um banco de São Paulo.

Patrícia compartilhou a gestação da companheira, fazendo o tratamento de estimulação para o aleitamento materno.

E conseguiu, assim como Susana, amamentar as três filhas.

Também obteve, por meio de recurso administrativo, a concessão da licença maternidade de seis meses, mesmo tempo previsto na lei dos servidores públicos estaduais.

Susane e Patrícia continuam atuando como policiais militares.

Susane, como comandante da Força Tática de Cuiabá, está diretamente nas ruas, no trabalho operacional de enfrentamento à criminalidade.

Já Patrícia desempenha função militar no Tribunal de Justiça de Mato Grosso.  

Parte da rotina de mães e filhas pode ser acompanhada no perfil no Instagram: astrigemeaseduasmaes.

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

DOIS DE JULHO, UM DIA ESPECIAL

Se nossa querida Afife estive viva, não tivesse nos deixado há pouco mais de sete meses, em um sábado, como hoje, aqui em Franklin Farm, Herndon, Virginia, EUA, no dia 20 de Novembro do ano passado (2021), HOJE, 02 de Julho de...

 
 
 
 
Sitevip Internet