Notícias / Agricultura

30/09/21 às 08:35

Tecnologia agrícola evitou o desmatamento de 138 milhões de hectares no Brasil

Laís Costa Marques - Assessora de Comunicação

AguaBoaNews / Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Estudo realizado pela Neo Agro Consultoria, baseado nos dados sobre produção, área plantada e cultivada e produtividade, aponta que a produtividade das lavouras brasileiras triplicou nos últimos 45 anos e isso evitou a abertura de 138 milhões de hectares para agricultura. O chamado efeito poupa terra é uma medida adotada para analisar como os ganhos de produtividade reduzem a pressão para abertura de novas áreas de vegetação nativa, ao mesmo tempo que asseguram a produção de alimentos em escalas cada vez maiores.

Em 1976 o Brasil produzia 46,9 milhões de toneladas de grãos em 37,31 milhões de hectares, 1.258 quilos por hectare. Para esta safra a previsão é de que sejam colhidas 257 milhões de toneladas em 65,9 milhões de hectares, 3.790 quilos por hectare, de acordo com dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

O estudo realizado pela Neo Agro Consultoria analisa o efeito poupa terra a partir de três recortes temporais. O primeiro compara o início da série histórica, em 1976, com a atual safra. A segunda análise registra a evolução da produtividade e consequentemente a redução de abertura de novas áreas nos últimos 21 anos.

De 2000 para cá, a produção das lavouras brasileiras passou de 100 milhões de toneladas/safra para 257 milhões de toneladas/safra. Neste mesmo intervalo, a área plantada passou de 37 milhões de hectares para 68,8 milhões. Uma diferença importante a ser destacada com relação à área neste recorte, segundo o diretor da Neo Agro Consultoria, Luciano Vacari, é entre área ocupada e área cultivada.

“Nas últimas duas décadas houve um crescimento significativo no cultivo de segunda safra, o que permitiu aumentar a área plantada sem aumentar a área ocupada. Em alguns locais já é possível fazer a terceira safra. Ou seja, a mesma área é plantada três vezes no ano”.

A afirmação de Vacari fica mais clara ao analisar os dados da produção de milho, por exemplo. Em 2000, 80% da safra de milho era cultivada em primeira safra e 20% na safrinha. Para a safra 2020/2021 a proporção é exatamente a inversa, 20% na primeira e 75% na segunda, isso porque há estimativa de que aproximadamente 5% sejam cultivados em terceira safra. Lembrando que na terceira safra a irrigação é uma tecnologia fundamental, onde o potencial de crescimento no Brasil é expressivo.

No último comparativo realizado pela Neo Agro, entre a safra 2011/2012, anos em que o Código Florestal passou a vigorar no país, e a de 2021 houve uma “economia” de abertura de 11,05 milhões de hectares. Há dez anos a produtividade no país era de 3.266 quilos por hectare e atualmente é de 3.790 kg/ha.

O agricultor – Para Luciano Vacari é fundamental destacar o papel dos produtores rurais no desenvolvimento de uma produção mais sustentável no país. Nestes últimos anos, o investimento em tecnologias viabilizou aumentar a produtividade, diversificar as culturas, reduzir o desmatamento para finalidades agrícolas e reduzir os custos dos brasileiros com a alimentação.

“Há 40 anos atrás o Brasil importava alimentos e a população gastava mais de 30% da renda para com alimentação. Hoje somos um dos maiores exportadores de alimentos e o custo das famílias brasileiras com comida passou para 15% de acordo com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística)”, explica Vacari.

De acordo com o consultor, além da coragem dos produtores em investir em tecnologias, também é importante destacar o papel das políticas públicas para fomentar a agropecuária brasileira, com estudos, pesquisas, linhas de créditos e apoio técnico. “Não podemos dizer que todos têm acesso ao pacote tecnológico, mas houve uma ampliação com estruturação de institutos como a Embrapa e a criação de entidades como o Senar e associações de produtores”.

O chamado pacote tecnológico, segundo Vacari, inclui desde os cursos de capacitação para manejo das lavouras até a chamada agricultura de precisão, que por meio de softwares programam as máquinas agrícolas para evitar perdas e melhorar os ganhos produtivos. “Há também técnicas como a integração lavoura-pecuária- floresta e a agricultura irrigada que estão trazendo mais eficiência, tornando o solo mais produtivo e otimizando a utilização dos recursos naturais”.

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

A furna da Marruá

Bobbio dizia que a velhice era muito boa e cheia de encantos, o maior deles o gosto de matar saudades. Mas eu acho que o divertimento maior da velhice é o espaço de contar histórias, bom para encher e passar o tempo. As...

 
 
 
 
Sitevip Internet