Notícias / Governo de MT

20/08/15 às 00:02

Auditorias: Silval gastou R$ 1 bi irregularmente

Superfaturamentos, fraudes em licitações e aditivos contratuais indevidos, foram os principais vilões da gestão Silval Barbosa, segundo a CGE

Rafael Costa

Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Auditorias: Silval gastou R$ 1 bi irregularmente

O governador Pedro Taques voltou a afirmar que não “varrerá para debaixo do tapete” as irregularidades

As auditorias exigidas pelo governador Pedro Taques (PSDB) logo após a sua posse identificaram irregularidades dimensionadas em R$ 1,03 bilhão de um montante de R$ 5,03 bilhões avaliados em contratos da gestão passada.

Taques reafirmou seu compromisso com a ética e a transparência tão propagadas em discurso durante o período eleitoral. “Na campanha eu disse que não jogaria a sujeira para debaixo do tapete. Assumi o compromisso de fazer auditorias. Olhamos para o passado e de forma paralela construímos o presente”, afirmou.

Conforme levantamento da Controladoria-Geral do Estado (CGE), as irregularidades estão concentradas em descumprimento de cláusulas contratuais, baixa qualidade dos serviços contratados, superfaturamentos, fraude à licitação, pagamentos antes da prestação de serviços ou entrega dos bens, aditivos contratuais indevidos, despesas sem contratos formalizados e despesas desnecessárias.

O balanço dos trabalhos foi apresentado na tarde desta quarta-feira (19) pelo controlador-geral do Estado, Ciro Rodolpho Gonçalves.

Deste montante, houve uma economia de R$ 250 milhões e outros R$ 750 milhões o Estado busca recuperar por meio de processos administrativos e vias judiciais.

A pedido do governador Pedro Taques, o controlador-geral do Estado, Ciro Rodolpho Gonçalves revelou que toda a documentação será entregue aos órgãos fiscalizadores que são TCE (Tribunal de Contas do Estado), MPE (Ministério Público Estadual), MPF (Ministério Público Federal), Defaz (Delegacia Fazendária) e também PGE (Procuradoria-Geral do Estado), por meio do procurador-geral Patrick Ayala, para tomar as providências cabíveis no Judiciário.

De janeiro a junho de 2015, a CGE elaborou 90 produtos especiais decorrentes das auditorias estabelecidas nos Decretos n. 02/2015 e 04/2015 e executadas com base em critérios como volume financeiro, impacto social e oportunidade.

Dos 90 produtos, 54 foram relatórios e recomendações de auditoria sobre contratos firmados desde 2011, em diversas áreas, como infraestrutura, educação, segurança pública e saúde; e 36 relatórios acerca de despesas pendentes de pagamento da gestão anterior (restos a pagar).

Para corrigir essas irregularidades e assegurar eficiência na aplicação dos recursos públicos, a CGE recomendou às secretarias a adoção de medidas imediatas (atos administrativos) como repactuação de preços, rescisão de contratos, cancelamento de restos a pagar, indeferimento de aditivos, dentre outras, para garantir economia de R$ 291,4 milhões.

No pacote de economia dos gastos ainda está incluso a recusa em pagar R$ 169 milhões às empreiteiras que compõem o Consórcio VLT. A quantia foi exigida para garantir a retomada das obras em Cuiabá e Várzea Grande.

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

A furna da Marruá

Bobbio dizia que a velhice era muito boa e cheia de encantos, o maior deles o gosto de matar saudades. Mas eu acho que o divertimento maior da velhice é o espaço de contar histórias, bom para encher e passar o tempo. As...

 
 
 
 
Sitevip Internet