Artigos / Caiubi Kuhn

14/06/22 às 15:10 / Atualizado: 14/06/22 às 15:24

O Chalé dos Governadores

              Não é de hoje que o clima de Chapada dos Guimarães chama a atenção da população mato-grossense. Durante o século XVIII, inúmeras fazendas foram criadas na região da então Serra Acima. Já no século XX uma residência ilustre foi construída na região do Rio da Casca, próximo à Usina Casca I, criada para gerar energia para abastecer a capital do estado. A residência nomeada “Chalé dos Governadores” está situada em meio a duas quedas da cachoeira que leva o nome da comunidade e do rio que fazia girar as turbinas da antiga usina. 

            Construída em 1928, a residência com certeza já foi palco de muitas conversas e decisões políticas que definiram o futuro do estado. Por mais que tenha sido tombado como patrimônio histórico estadual, desde 2009, pela Secretaria de Estado de Cultura, Esporte e Lazer (Secel), o local está totalmente abandonado e em poucos anos pode virar apenas uma ruína e uma memória registrada na mente dos mais antigos ou nas fotografias. 

             O chalé não está só, no local existem dezenas de casas, piscina, churrasqueiras e a antiga Usina Casca I, que também está abandonada, ao que tudo indica o cenário atual, com mesmo destino trágico da ilustre residência dos governadores. 

            Mas por que tal descaso acontece? 

            A área era parte do patrimônio da antiga Cemat, que após a privatização passou nas mãos da Apiacás Energia S.A. e atualmente pertence a Enel Brasil Participações. Por mais que a Usina Casca I não funcione mais, no local funciona ainda a Usina Casca 2, movida com água que regava outrora a Cachoeira do Rio da Casca. Sim, a cachoeira na maior parte do ano fica seca, sem cair uma gota de água. Um pouco mais abaixo, no rio, está a Usina Casca III, também em atividade. 

            Este cenário que junta história e natureza com certeza poderia ser utilizado para o desenvolvimento do turismo, atividades educacionais e científicas. Para que isso aconteça, existem dois caminhos. Em um deles, a empresa responsável, que adquiriu o local da antiga Cemat, deve realizar a recuperação da área, assim como desenvolver uma gestão para que estes patrimônios possam ser visitados. A outra alternativa seria o poder público tomar para si novamente este local histórico e realizar a recuperação da área, assim como, possibilitar uma gestão adequada para desenvolvimento da visitação focada para o turismo ou para a educação. 

            A sociedade mato-grossense não pode aceitar que sua memória vire ruína. Encontrar uma saída para esse problema é também buscar uma alternativa de geração de emprego e renda, é uma forma de gerar oportunidades, de ampliar as possibilidades de roteiros educacionais. 

            Em ano eleitoral, onde a elite política do estado busca fazer as construções e conchavos para disputar as tão importantes cadeiras representativas do estado. Talvez seria uma boa pauta para algum dos cafezinhos, entre uma conversa e outra, encontrar uma saída para o Chalé dos Governadores e para Usina Casca I. Encontrar uma forma de se valorizar a história do estado e as pessoas que vivem na região do Rio da Casca. Quem sabe o governo do estado ou assembleia legislativa consiga articular uma solução para preservar e promover nosso patrimônio natural e cultural.
Caiubi Kuhn

Caiubi Kuhn

Caiubi Emanuel Souza Kuhn é Professor na Faculdade de Engenharia (UFMT), geólogo, especialista em Gestão Pública (UFMT), mestre em Geociências (UFMT).




 
ver artigos

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet