Imprimir

Imprimir Notícia

30/07/20 às 16:24 | Atualizada: 30/07/20 às 16:41

Forças Armadas empregam cinco aeronaves no combate a incêndio no Pantanal

As Forças Armadas empregam cinco aeronaves no combate a incêndio no Mato Grosso do Sul e atuam em parceria com agências federais e estaduais. Por conta das queimadas na região, atendendo ao pedido do Governador do Estado, o Ministério da Defesa deflagrou, no sábado de manhã (25/7), a Operação Pantanal.


 Foto: FFAA

Dois helicópteros da Marinha (Esquilo e Super Cougar), um do Exército (Pantera) e um da Força Aérea (Black Hawk) estão sendo utilizados na missão, além do avião cargueiro C-130 Hércules da FAB.


 Foto: FFAA

O helicóptero Esquilo da Marinha está sendo utilizado em reconhecimento, transporte de brigadistas e também no combate direto ao incêndio, com um “bambi bucket” – dispositivo de combate a incêndios que permite aos operadores dessas aeronaves chegarem mais perto de incêndios e despejar água e espuma de forma mais precisa.

Já a aeronave HM-1 Pantera, do Exército Brasileiro, está sendo usada no transporte de pessoal e no reconhecimento e levantamento dos pontos de incêndio no Pantanal.

Além disso, o Hércules C-130, da Força Aérea Brasileira, opera de Campo Grande, munido do sistema de combate a incêndio “Modular Airbone Fire Fighting System” (MAFFS). O avião cargueiro tem capacidade de despejar até 12 mil litros de água em cada sobrevoo.

Operação Pantanal

No último sábado, quando começou a Operação Pantanal, as aeronaves militares realizaram três voos de reconhecimento. O primeiro no entorno das cidades de Corumbá e Ladário, ambas em Mato Grosso do Sul.

Em seguida, as Forças Armadas apoiaram o Corpo de Bombeiros Militar do Mato Grosso do Sul e o IBAMA em os voos que combateram focos de incêndio na Estrada da Codraza e em Baia Negra, além do norte do Porto Geral de Corumbá e na Volta do Arancuã.

O Ministério da Defesa (MD) atende à solicitação recebida na noite de sexta-feira passada (24), do Governador do Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja, que decretou também estado de emergência. Para a execução da operação, o MD estabeleceu um Centro de Coordenação no Comando do 6º Distrito Naval, na cidade de Ladário (MS).


 Foto: FFAA
Imprimir