Notícias / Política

27/05/17 às 10:49

Indígenas articulam partido próprio para entrar no Congresso

Anna Virginia Balloussier, Folhapress

Edição para ÁguaBoaNews, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
Em 1983, a Folha de S.Paulo publicou na primeira página uma foto de Mário Juruna (1943-2002) tomando café no Congresso. A reportagem descrevia a irritação do cacique xavante, primeiro indígena eleito à Câmara, com um churrasco insosso que lhe serviram: "Gente branca não sabe comer carne".

Não era seu único incômodo. Se acabar a Funai (Fundação Nacional do Índio), criada em 1967 pela ditadura, "vai ser bom pra índio, pois Funai não faz nada pra Índio", disse. "Quem vai ter prejuízo é militar, que está empregado lá."

Passaram-se 34 anos, a Funai voltou a ter um general como líder, e nunca outro indígena conseguiu uma cadeira parlamentar. Um quadro que o Partido Nacional Indígena (PNI) quer reverter, diz o índio caincangue Ary Paliano, 56.

Advogado formado pela Unochapecó (SC), ele preside a sigla em formação, que precisa de 487 mil assinaturas para ser aceita pelo Tribunal Superior Eleitoral. A colheita -que costuma demorar anos- começa agora, diz Paliano.

O lema: "Colocar os índios no Congresso pela porta da frente". Secretário-geral do partido, Francisco de Oliveira Lima Tabajara, 57, cearense da tribo Tabajara e hoje cirurgião-dentista em Brasília, foi ao Acampamento Terra Livre, que juntou 4.000 indígenas na capital entre 24 e 28/4.

No segundo dia, vários tentaram entrar no Congresso pela porta da frente -à força. Furaram o bloqueio policial até o espelho d'água na entrada.

Reagiram com arco e flecha às bombas de gás da polícia. Protestavam pela retomada das demarcações de terras e pela saída do ministro Osmar Serraglio (Justiça), que um mês antes disse à Folha de S.Paulo que era preciso "parar com essa discussão sobre terras. Terra enche a barriga de alguém?".

Tabajara acha que sim. Uma de suas lutas é contra a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 215. Apoiado pela bancada ruralista e repelido por índios, o texto transfere do Executivo ao Legislativo a palavra final sobre terras indígenas. "O ruralista quer tomar de vez as causas indígenas. Coloca pra lascar mesmo, quer tomar até o que a gente não tem", diz. "Índio é realidade viva da ladroagem do poder público: é dono das terras, mas não se preparou e não conseguiu escrituração. E tem terra muito rica, cheia de diamantes, de ouro", afirma.

O general Franklimberg Ribeiro de Freitas, 61, indicado pelo Partido Social Cristão para presidir a Funai (o primeiro militar no cargo em 25 anos), é rejeitado por referências no meio, como a Articulação dos Povos Indígenas do Brasil. Mas, dentro do PNI, seu nome foi bem recebido.

"O primeiro indígena a assumir a presidência da Funai é muito significativo", diz a historiadora Kuana, 41, ladeada por outra simpatizante do PNI, Silvia Nobre Waiãpi, 42, a primeira indígena mulher nas Forças Armadas (em 2011).

Freitas, porém, já afirmou: "Não sou índio, sou de origem indígena. Minha mãe, avo e bisavó eram indígenas".

O estatuto do PNI, publicado em 2013 no "Diário Oficial da União", fala do "anseio dos índios em obter as rédeas de suas próprias vidas". Tabajara diz temer que agendas ideológicas à esquerda sequestrem sua causa. Achou justa, por exemplo, a repressão policial quando índios invadiram o Congresso. "Não pode ultrapassar as regras da lei."
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Coronavírus. Fé. Deus é Justo!

Deixamos de direcionar nossas metas de evolução e crescimento no âmbito da moral, e pior ainda, nos preocupamos com coisas materiais que não nos levam a nada, a não ser nos dar prazer e encantamentos, exaltando...

 
 
 
 
Sitevip Internet