Notícias / Meio Ambiente

18/05/17 às 09:50

Drone flagra pela primeira vez narval usando chifre para caçar; veja

hypescience.com

Edição para ÁguaBoaNews, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
Drone flagra pela primeira vez narval usando chifre para caçar; veja

Foto: Assessoria

Vídeos feitos por drones têm captado momentos da vida selvagem que antes eram impossíveis de ser testemunhados. O último flagra marinho é a alimentação de narvais no nordeste do Canadá, em Nunavat.

O vídeo ajuda a explicar um mistério antigo: por que essas baleias raras têm um dente canino longuíssimo voltado para frente, lembrando o chifre de um unicórnio? Esses “chifres” podem chegar a 2,7m e já levantaram várias hipóteses sobre sua existência. Uma delas é que serviria para ajudar na navegação, em batalhas por território e até a de que o tamanho do dente seria proporcional ao tamanho dos testículos.
 
No final das contas, o vídeo mostra as baleias usando os caninos para caçar bacalhaus do Ártico. Pela primeira vez ficou claro que o canino dos narvais é um apêndice com várias funções. Em 2016, pesquisadores também descobriram que os chifres ajudam os narvais a “ver” como nenhuma outra espécie no mundo, com um sistema de ecolocalização totalmente único em relação às outras baleias.

Como golfinhos e outras baleias, o narval pode navegar em águas escuras ao produzir um som de clique com velocidade de mil cliques por segundo. Com base nos ecos desses sons, é possível construir mentalmente o tipo de ambiente ao seu redor, como a presença de rochas ou outros obstáculos. Como o canino do narval é incrivelmente sensível, ele consegue captar melhor que as outras baleias os estímulos do eco.

Por conta dessa sensibilidade no canino, o apêndice não é utilizado de forma agressiva. É possível notar no vídeo que a caçada é realizada de forma “gentil”. Isso também é um indicativo do enorme custo que uma batalha entre narvais representa para os indivíduos, já que eles usam uma região do corpo muito sensível como arma de ataque e defesa.
 
 
Os drones foram operados por Adam Ravetch, do World Wildlife Fund (WWF) e por pesquisadores da Fisheries and Oceans do Canadá.

“Essa é uma observação completamente nova de como o canino é usado”, diz Brandon Laforest, um especialista em espécies árticas do WWF-Canadá, em entrevista para o National Geographic.

A análise do comportamento observado nos vídeos ainda não foi publicada em revistas com revisão de outros cientistas, portanto esta pesquisa ainda está em fase inicial e não foi confirmada. Mesmo assim, não deixa de ser um registro único da alimentação desses animais especiais. [Science Alert]
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

João Baptista Herkenhoff

Os Vices e a Democracia

Penduricalho é a coisa que fica pendurada, que pende como enfeite ou adorno. Os vices, em plano federal, estadual ou municipal (vice-presidente, vice-governador, vice-prefeito) têm sido penduricalhos. Com esta afirmação...

 
 
 
 
Sitevip Internet