Notícias / Agricultura

09/12/16 às 19:50

Fórum Mais Milho reúne mais de 500 pessoas em Cuiabá

Lançamento do evento debateu mercado, políticas públicas e tecnologia

Assessoria

AGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
O milho esteve em foco na manhã e no início da tarde desta sexta-feira (9), durante o Fórum Mais Milho, no Centro de Eventos Pantanal. Lançado em Cuiabá pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e Associação Brasileira de Produtores de Milho (Abramilho), o evento reuniu mais de 500 pessoas e a ideia, agora, é que seja ampliado e realizado em outros estados produtores.
 
Atualmente, o Brasil é o terceiro maior produtor mundial de milho. Um dos objetivos do evento foi exatamente debater de que maneiras o país pode ampliar sua produtividade, tendo em vista uma melhor gestão do negócio, aliada à tecnologia e políticas públicas eficientes.
 
Produtor rural em Mato Grosso e ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi se disse otimista quanto a próxima safra de milho e ao crescimento da produção. Quanto ao mercado do grão, Maggi afirmou que é preciso pensar além do mercado internacional. 
 
“O Brasil produz cerca de 90 milhões de toneladas de milho anualmente e temos potencial para muito mais. Queremos avançar e alcançar novos números, mas precisamos ter uma política um pouco mais duradoura na questão dos preços do milho. O mercado internacional nos é muito importante, mas temos que ter um consumo interno maior, porque precisamos manter um preço um pouquinho mais estabilizado. Para regular o mercado, temos, por exemplo,  produção do etanol de milho”, pontuou.
 
O etanol, inclusive, foi um dos pontos cobrados durante o Fórum. Vice-presidente da Abramilho, Glauber Silveira pediu mais agilidade na liberação de usinas de etanol. “É preciso agilidade por parte do Governo do Estado em liberar as licenças e promover políticas de incentivo”, define.
 
Representante do Governo no evento, o secretário de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Ricardo Tomczyck, também afirmou que Mato Grosso tem condições de elevar a produção, além de capacidade de transformar cereal em biocombustível.
 
"Nós como Governo temos que pensar na transformação e temos condições de transformar o cereal em biocombustível e proteína animal. Mato Grosso é um gigante, mas também precisamos estar atentos e dar condições para que o nosso produtor possa trabalhar e termos uma produção de forma sustentável".
 
Sinal vermelho - Presidente da Aprosoja, Endrigo Dalcin afirmou que o evento pode ser um divisor de águas na discussão sobre milho, mercado e armazenagem. De acordo com ele, o grão é o sinal vermelho quando o assunto é venda e preço.
 
"O milho é realmente o nosso sinal vermelho (venda e preço). Eu acho que se vier a safra no tamanho desenhado nós podemos ter preços deprimidos entre R$ 15,00 e R$ 17,00 em algumas regiões e isso não cobre os custos de produção hoje", afirmou.
 
O presidente lembra que o preço mínimo para a saca do milho (60 kg) no estado é de R$ 16,50. Para cobrir os custos de produção, o mínimo seria R$ 22,00. "O Mais Milho vem para levantar uma questão principal entre produtores e compradores, mas não só compradores internacionais, grandes multinacionais, e sim os compradores que usam o milho dentro do Brasil, que usam para a produção de carne. Esse foi o intuito de trazer o Mais Milho, ou seja, para tentar trazer essa junção entre comprador e vendedor, para que a gente não tenha essas oscilações bruscas de preço e traga desestímulo ao produtor", disse.
 
“Pé direito” – Um dos mentores do Fórum Mais Milho, Glauber Silveira lembrou que os painéis e as discussões a partir de todos eles fomentaram ideias e possivelmente ações para as próximas safras do cereal. Para ele, o primeiro evento cumpriu o seu objetivo.
 
“O evento lançou uma semente. Conseguimos trazer pessoas bastante importantes e interessantes no mercado, com a mensagem de integração e agregação de valor, tecnologias, comercialização e manejo para produção do milho. Saímos do evento com o pé direito”, afirma um dos idealizadores do evento e vice-presidente da Abramilho, Glauber Silveira.
 
Painéis – Além do ministro da Agricultura, Blairo Maggi; do presidente da Aprosoja, Endrigo Dalcin; e do vice-presidente da Abramilho, Glauber Silveira, participaram do Mais Milho o presidente da Famato, Rui Prado; o diretor de originação da JBS Foods, Arene Trevisan; o líder de negócios da Cargill América Latina, Paulo Sousa.
 
Também estiveram nos painéis o presidente da Monsanto América do Sul, Rodrigo Santos; o diretor comercial da FMC, Marcelo Magurno; o diretor geral da BBM, César Henrique Bernardes; o diretor operacional da Nova Futura Corretora, João Francisco; o superintendente do Imea, Daniel Latorraca; o secretário geral de Política Agrícola do Mapa, Neri Geller; o secretário adjunto de agricultura de Santa Catarina, Airton Spies; o presidente da Abramilho, Sérgio Bortolozzo; o gerente industrial da Usimat, Vital Nogueira; e o superintendente do Senar, Otávio Celidônio.
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Eduardo Gomes de Andrade

Gol de placa

Com o dobro da dimensão do Brasil a Rússia é o maior país do mundo. Seu gigantismo vai muito além da área territorial e avança pelos campos militar, econômico, cultural, esportivo...

 
 
 
 
Sitevip Internet