Notícias / Agricultura

06/12/16 às 16:38

Presidente da Famato é citado em livro como um dos pioneiros da cotonicultura em MT

Assessoria

AGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Presidente da Famato é citado em livro como um dos pioneiros da cotonicultura em MT

Foto: Assessoria

A Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão (Ampa) lançará quinta-feira (8) um livro sobre a história do algodão em Mato Grosso. Com o nome “Algodão - Os pioneiros que transformaram Mato Grosso em um grande produtor”, de autoria da jornalista Martha Baptista, o livro de 184 páginas cita no capitulo “Os visionários - Em busca de alternativas de cultura no Chapadão do Parecis” a história do produtor rural e presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato), Rui Prado. O lançamento será feito durante a cerimônia de posse da diretoria eleita para o próximo biênio.
 
No capítulo, Prado aparece ao lado dos irmãos Rogério e Ricardo Arioli Silva e outros pioneiros integrantes da Cooperativa Mista Parecis Ltda (Coomipa). Na época, a cooperativa aderiu à parceria com o grupo Itamarati.
 
Prado chegou em Campo Novo do Parecis em 1986 e no mesmo ano começou a trabalhar com o sogro Nelson Boger, na fazenda Cachoeirinha. O Grupo Itamarati foi o que motivou Prado a se enveredar pelo cultivo de algodão, pois o caminho que fazia para chegar até a fazenda onde trabalhava passava pela propriedade do empresário Olacyr de Moraes, responsável pelo desenvolvimento do cultivo mecanizado do algodão naquela região.
 
Em parceria com o sogro, Prado semeou aproximadamente 50 hectares de algodão na primeira safra. A parceria resultou em 500 hectares de área plantada na terceira safra. Depois disso, com um intervalo de três safras, Prado conseguiu plantar outras duas safras sozinho. Ele lembra que na primeira safra a colheita foi 100% manual. Como não tinham colhedora, o algodão foi beneficiado na algodoeira da fazenda Itamarati Norte.
 
Em função dos altos custos que a cotonicultura exige, na década de 90 Prado resolveu investir em outras culturas. Segundo ele, foram tempos difíceis e de grandes desafios, mas um período valoroso que marcou a produção de algodão em Mato Grosso. “Apesar de não continuar na cultura tenho orgulhoso de ter contribuído com outros pioneiros para alavancar a cotonicultura mato-grossense. Com certeza essa experiência foi fundamental para a consolidação do setor e do agronegócio no estado”, afirmou Prado.
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Benedito Figueiredo Junior

Como por fim as rugas ao redor dos olhos

Quem já não se pegou em frente ao espelho olhando os chamados pés de galinha, as rugas que ficam ao redor dos olhos? Elas surgem pela atividade muscular ligada aos movimentos da face, e estão associadas ao processo de...

 
 
 
 
Sitevip Internet