Notícias / Meio Ambiente

03/12/16 às 08:19 / Atualizada: 03/12/16 às 13:59

Mato Grosso negocia seis toneladas de ouro por ano; só em Nova Xavantina é extraída 1,1 t

O desenvolvimento econômico da mineração passa pelo desinteresse do Estado em instrumentalizar trabalhos para o mapeamento

Reinaldo Fernandes, Circuto Mato Grosso

Edição para Água Boa News, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
Mato Grosso negocia seis toneladas de ouro por ano; só em Nova Xavantina é extraída 1,1 t

Foto: Divulgação

Ouro é o produto forte de Mato Grosso no mercado mundial. Só no ano passado, foram extraídas e depuradas seis t (toneladas)  de ouro, a metade vinda de garimpos. O metal é explorado hoje em quatro distritos. O maior está na província de Peixoto de Azevedo de onde foram extraídas 2,4 t em 2015, com foco em mineralização de ouro tipo secundário.

A província de Guaporé, a segunda em volume de exploração, alcançou a quantidade de 1,8 t no ano passado. O distrito de Poconé e Livramento somaram 1,5 t de ouro no mesmo período, e o quadro é fechado pelo distrito de Nova Xavantina, com 1,1 t.

A Metamat estima que a exploração de ouro já gerou 15 mil empregos diretos e 75 mil indiretos, colocando em circulação R$ 711 milhões na economia local. A companhia identificou até o momento 15 reservas de ouro, que somam mais de 95 t de material.

Também aparecem na lista de exploração mineral, o zinco, com uma mina em Aripuanã; níquel, com mina em Comodoro; água mineral explorada por 22 empresas de engarrafamento, e o diamante que representou 87,2% do total da produção do Brasil em 2014, ano em que foram movimentados treze milhões de dólares.  

Mato Grosso tem, hoje, 144 concessões e 247 pedidos para exploração de subsolo, em busca de minerais que, segundo a Metamat, está concentrada nas mãos de grandes empresas.

Desinteresse do governo retarda desenvolvimento

O desenvolvimento econômico da mineração passa pelo “desinteresse” do Estado em instrumentalizar trabalhos para o mapeamento de minérios em Mato Grosso. Segundo o geólogo, Antônio João Paes de Barros, integrante da equipe de estudos da Metamat, hoje o segmento carece de estudos para identificar os pontos de concentração e minerais e os tipos  que podem ser explorados. Segundo ele, a construção de georreferenciamento contribuirá, consequentemente, para o controle de garimpos irregulares.
“Hoje, canadenses são os que mais investem em estudos de subsolo na América Latina, e a soma total do que entra na pesquisa representa menos de 1% do total que é investido no País. Isso tem reflexo direto na pesquisa de mineral. O governo não enxergar prosperidade na área de mineração, apesar da possibilidade de apoio para economia, principalmente neste período de crise”, comenta o pesquisador.

Conforme ele, mesmo com a atividade estagnada há décadas, o segmento de extração de mineral representou em 2013 entre 1,2% e 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto) de Mato Grosso, um montante de R$ 89,1 bilhões.

Números apresentados pela Metamat apontam ainda que do superávit de 13,02 bilhões de dólares do balanço comercial de Mato Grosso, em 2014, mais de 1 bilhão de dólares corresponderam a insumos agrícolas de sais de potássio e fósforo, material enriquecido para correção de solo.

Ainda de acordo com a Metamat, além da agropecuária, bens minerais estão presentes em produtos utilizados para a construção civil, fertilizantes, utensílios domésticos, equipamentos eletrônicos e meios de transporte. “O problema é que a industrialização, em Mato Grosso, é quase nula. Muito do que é adquirido em outros países e até outro continente, a Ásia, por exemplo, poderia ser produzido em Mato Grosso, mas não há setor para isso. Temos uma riqueza enorme que pode ser explorada, mas sequer sabemos direito onde está. E o Estado está completamente vendido no assunto”, critica o geólogo Paes de Barros.

Cooperativa ganha prêmio de sustentabilidade

A Cooperativa de Garimpeiros do Vale do Rio Peixoto (Coogavepe), com sede em Peixoto de Azevedo (698 km de Cuiabá) venceu a premiação da Organização de Cooperativas Brasileiras (OCB). O título para Mato Grosso chama a atenção justamente por causa da contracorrente do cenário, e o mérito do reconhecimento mostra as dificuldades de desenvolvimento regularizado dos serviços no Estado.

 
O primeiro faz parte da história regional que tem uma rota de exploração garimpeira, ao longo de décadas, desde o início da formação territorial, com consequências até hoje. Cidades ganharam alcunha de fantasma ao fim do período exploração, que deixou para trás a ressaca de intensa escavação, e a população que por lá ficou atravessa dificuldades econômicas e sociais devido à quebra da produção.
 
Alto Paraguai (199 km de Cuiabá), que passou por ciclos de exploração garimpeira (o segundo deles iniciado na década de 1930) é um exemplo das cidades exauridas. Na fase de descoberta, ouro e diamante “brotavam” da terra; o que ficou ao fim foram fazendas onde houve a criação de sítios de escavação. Desde meados do século XVIII, época em que ocorreu a primeira fase de exploração de pedras preciosas, o local era uma corruptela ligada a Diamantino; somente em 1948 ganhou o status de cidade. Desde então, está em estado de estagnação.

“Uma das preocupações da cooperativa é justamente pensar o que pode e deve ser feito ao fim da exploração mineral. Sabemos que o ouro e o diamante vêm da terra e que um dia vão acabar, e dentro do programa dos cooperados existe estudo e investimento para manter a economia viva desses locais, para não caírem, também, em histórias que sabemos de cidades prejudicadas. Aqui entra a questão da sustentabilidade que precisa ser pensada”, diz Gilson Camboim, presidente da Coogavepe.

A cooperativa ficou classificada em primeiro lugar em sua categoria no Sistema OCB Nacional por desenvolvimento do projeto Cidade Verde, de ações voltadas para a proteção de patrimônios naturais, ambientais e históricos, e o desenvolvimento da atividade de extração mineral com foco no equilíbrio, responsabilidade e conceito de sustentabilidade.

Com mais de cinco mil garimpeiros cooperados, o segundo no Brasil, o município Peixoto de Azevedo teve uma produção de quatro toneladas do minério em 2015; só em ouro, houve produção de 1,9 t, que gerou cerca de R$ 500 milhões em comércio da pedra. A Coogavepe implantou em 2014 o projeto Cidade Verde - Plantando o Futuro e Preservando a Vida. Em todas as suas edições foram expostas e doadas milhares de mudas de árvores ornamentais, nativas e frutíferas. A meta é contribuir para ampliação das florestas, matas e o meio ambiente urbano e rural da região norte de Mato Grosso.
Recuperação de áreas degradadas

Com o apoio da Companhia de Mineração de Mato Grosso (Metamat), a Cooperativa de Garimpeiros  tem avançado nos projetos de recuperação de áreas degradadas em cumprimento às normativas e legislação ambiental. Além da arborização da cidade, são realizados trabalhos de transformação de antigas cavas de garimpo em tanques para criação de peixes, recomposição do solo para o plantio de árvores e plantas frutíferas e também o reflorestamento com espécies nativas brasileiras.

“Nós entendemos que a exploração é realizada por pessoas que moram na cidade e nos arreadores, e são elas que permanecerão no local quando chegar um momento de satura da exploração mineral. Esse cenário é preciso ser pensado agora. A cooperativa busca conscientizar os cooperados da importância dos desenvolvimentos, econômico, social e ambiental”, pontua Camboim.

Seis universidades estudam o subsolo do Vale do Peixoto

Seis universidades federais e estaduais realizam pesquisa em minas de exploração em Peixoto de Azevedo. Além da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), há 18 anos em trabalho de campo, mestrando e doutorando de Paraná (UFPR), Rio de Janeiro (UERJ), de Brasília (UnB), Estadual Paulista (Unesp) e a Estadual de Campinas (Unicamp). Todas em campo de mapeamento geológico.

A UnB e UFPR realizam pesquisa de geofísica para identificar áreas de maior incidência de ouro na região do Vale do Rio Peixoto. As universidades trabalham no mapeamento de rochas e suas camadas, suas formações, idades e tudo pertinente a elas desde o seu surgimento. Nesta metodologia não é necessário perfurar ou escavar o solo para se detectar o minério, minimizando os danos ambientais e garantindo resultados mais precisos nos processos de sondagens.


Um dos objetivos da pesquisa em campo é identificar os potenciais alvos para exploração mineral aurífera nas áreas legalizadas pela Cooperativa de Garimpeiros que atuam nos municípios de Peixoto de Azevedo, Matupá, Guarantã do Norte, Novo Mundo e Nova Guarita.

O mestrando da UnB, Alexandre Santos Jerônimo Costa, disse que a prospecção mineral será determinante para traçar a geometria dos depósitos minerais aluviais, como o ouro. A técnica utilizada por meios elétricos é a mais viável e de baixo custo, na busca por este metal precioso, pois se utilizam  ensaios geofísicos, fator que colabora para uma maior rapidez no processo de sondagem e indicação do caminho exato a ser seguido para exploração mineral com baixíssimos impactos ambientais conforme planejamento estratégico de atuação da Coogavepe.

Segundo a Coogavepe, todos os estudos geológicos desenvolvidos pelas universidades parceiras UFMT, UFPR, UnB, UERJ, Unicamp e Unesp são essenciais, pois envolvem usos de satélites e de fotografias aéreas, além de técnicas de geofísica e geoquímica. 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pessoas que estavam lá!

Alguns têm certeza. Outros não acreditam. A maioria suspeita de que possa existir, e outros tantos preferem não se questionar. Estou falando de vidas...

 
 
 
 
Sitevip Internet