Notícias / Agricultura

11/11/16 às 09:33

Chapadão do Céu/GO - Grupo de mulheres debate a gestão e sucessão de empresas rurais familiares

Safras & Cifras

AGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Chapadão do Céu/GO - Grupo de mulheres debate a gestão e sucessão de empresas rurais familiares

Foto: Assessoria

Inspiradas na interação entre seus pais, há um ano, sucessoras de empresas rurais familiares da cidade de Chapadão do Céu/GO decidiram criar um grupo para realizar encontros mensais com o objetivo de trocar experiências e debater sobre a gestão de seus negócios. Mesmo vivenciando processos de sucessão diferentes, elas compartilham o mesmo desafio: dar continuidade a um trabalho desenvolvido por geração após geração com trajetórias de superação e luta.

Assim como na maioria das famílias empresárias rurais do Centro-Oeste brasileiro, a história de Bruna Schlatter Zaparolli, 28; Carine Letícia Schneider Faifer, 27; Carla Mayara Borges, 26; Dallila Pelizon Pianezzola, 29; Luiza Taylor Peixoto, 29; Marina Boff, 29; Marina Crestana Rodrigues da Cunha, 26; e Marjorie Peixoto, 28; começa com a primeira geração da família migrando do Sul em busca de um futuro melhor. O espírito empreendedor da época, aliado à muito trabalho, resultou em uma base sólida às suas empresas que hoje passam por um processo de sucessão planejado e organizado para garantir a sequência e crescimento do negócio.

“É um grande desafio dar continuidade a um trabalho que vem sendo realizado desde a geração de meus avós, um trabalho feito com amor, dedicação e muito suor”, explica Luiza. Em meio às barreiras enfrentadas nesse contexto familiar, Carine também destaca a necessidade de separar a relação profissional e a pessoal, além da responsabilidade de manter a qualidade da gestão dos antecessores.

Esses obstáculos, entre outros, motivaram a realização dos encontros periódicos na busca por soluções de pontos em comum das famílias, troca de ideias e desenvolvimento de projetos que foram surgindo com o tempo, como a realização de compras em conjunto e a organização de eventos sociais, entre outros. A primeira reunião aconteceu em novembro de 2015, após um curso que focava a gestão de pessoas. Na ocasião, Carla e Marjorie, idealizadoras do grupo, conversaram sobre a possibilidade de regionalizar a discussão e dialogar com quem vive a mesma realidade.

“Percebemos que nossos pais trocam muitas experiências de maneira informal, durante o futebol de quarta-feira, por exemplo. E nós, sucessoras, nunca nos falávamos. Decidimos copiar nossos pais, mas com um foco diferente, o de gestão, que é um tema ainda pouco discutido no meio rural”, explica Carla. A partir disso, a execução do projeto aconteceu de forma natural, visto que grande parte das empresas rurais da região são, atualmente, gerenciadas por mulheres que, pelo contexto social e faixa etária próxima, são também amigas de muito tempo.

Desde então, os assuntos antes tratados em conversas informais passaram a ser levados como tema para debate e análise nas reuniões mensais que acontecem em diferentes propriedades. Segundo Luiza, há uma ajuda mútua, pois as pautas são sugeridas pelas próprias participantes de acordo com as demandas que surgem nas suas atividades diárias e, as soluções são encontradas através da troca de experiências.

Para o consultor da Safras & Cifras, Bernardo Kiefer, a iniciativa das sucessoras de Chapadão do Céu é um exemplo a ser seguido, pois representa a importância do diálogo e da transparência na gestão das empresas rurais familiares. “A transparência é justamente um dos pilares da governança e o ideal é que esta prática, que hoje elas realizam entre famílias, seja levada para dentro das suas empresas e inserida na rotina administrativa através de reuniões periódicas e exposição de todos os assuntos que são pertinentes ao negócio”, afirma.

Família x Negócio

Embora tenham chegado ao processo de planejamento sucessório por caminhos diferentes, todas são unânimes quanto à responsabilidade de assumir uma posição de protagonismo na continuidade da empresa rural familiar. Para elas, um dos principais desafios é fugir do estereótipo de filha do dono e evidenciar que a posição ocupada na estrutura corporativa é merecida. “Temos que mostrar profissionalismo, comprometimento e muito entusiasmo pelo o que fazemos porque somos parte da identidade do negócio”, considera Carine.

Segundo Kiefer, a diferença entre as gerações é um aspecto relevante em estruturas de administração familiar, por isso deve ser levada a sério e debatida de forma profissional e estruturada. Para Carla, o primeiro passo de resolução das divergências é conquistar a confiança dos antecessores. “É preciso conseguir que a família compre suas ideias, não te trate como uma criança inexperiente e passe o bastão das decisões”, finaliza.

Ainda, conforme Kiefer, níveis diversos de formação entre os sócios é um dos contrastes mais comuns em empresas que chegam a ter três gerações atuando juntas na administração, o que precisa ser trabalhado. “Normalmente a primeira geração aprendeu muito na prática, a segunda já teve oportunidade de buscar mais conhecimento e a terceira costuma ter um alto nível de qualificação com embasamento teórico e foco em inovação e tecnologia”, explica.

Com Luiza aconteceu desta forma, logo que concluiu a graduação em agronomia foi trabalhar com a família e conquistou seu espaço aos poucos. Na época, o pai era muito presente na administração da empresa, mas progressivamente foi delegando funções e passou à filha muitas das funções primordiais, especialmente nas áreas administrativa, financeira, de recursos humanos e pecuária, além de dar espaço para que ela pudesse agregar novidades, como a implantação de um software de gestão.

Um ano de trocas

As questões familiares e os desafios da sucessão envolvem assuntos delicados como a estruturação do patrimônio e da sociedade familiar bem como a definição das funções na estrutura organizacional das empresas. Um ano após o grupo começar a tomar forma, esses tópicos ainda são recorrentes nos encontros das sucessoras e dividem espaço com assuntos mais práticos como a gestão de custos, de pessoas e financeira. “A experiência é muito construtiva, desenvolvemos uma sintonia bacana e nesse tempo também já conseguimos fazer boas parcerias que nos ajudam com questões sem solução, mesmo depois de debatidas”, avalia Marjorie.

Para ela, outro ponto significativo é o olhar diferenciado que todas possuem dos seus negócios por serem mulheres. “Penso que os homens costumam ficar muito focados na área técnica e na produção – que também são muito importantes – e nós conseguimos ter mais percepção da parte de gestão, planejamento e recursos humanos, por exemplo”.

Questionada sobre os resultados provenientes dos diálogos mensais, Marjorie ressalta que o comprometimento das participantes com os encontros do grupo é um reflexo do quanto a prática é produtiva para elas. “Nem sempre é fácil conciliarmos as agendas para que todas participem, mas conseguimos manter o foco e priorizar nossas reuniões porque sabemos o quanto este trabalho tem sido importante”, finaliza.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Eduardo Gomes de Andrade

De figuras menores

Maior espetáculo da terra não é título fácil e mais difícil ainda é mantê-lo décadas após décadas neste planeta competitivo onde a duras penas o Brasil consegue poucas...

 
 
 
 
Sitevip Internet