Notícias / Meio Ambiente

27/06/15 às 16:38 / Atualizada: 01/07/15 às 16:02

Rio Araguaia: Usina que ficou 10 anos em processo de licenciamento ambiental vira pasto

Estadão

Imprimir Enviar para um amigo
Rio Araguaia: Usina que ficou 10 anos em processo de licenciamento ambiental vira pasto

Usina: licenciamento ambiental Araguaia

A Hidrelétrica Santa Isabel, no Rio Araguaia, entre os municípios de Ananás, no Tocantins, e Palestina, no Pará, ficou dez anos em processo de licenciamento ambiental e foi devolvida, em 2013, por desequilíbrio econômico financeiro do contrato de concessão. Nesse tempo, enquanto se discutia a viabilidade do projeto e os impactos que traria para a região, a área que daria lugar ao reservatório foi degradada. Dados obtidos pelo Estado, com base nos estudos ambientais do projeto mostram que, apenas no período entre 1988 e 2008, a pastagem no local aumentou 55% e as formações de florestas caíram 30,5%.

Ou seja, o mesmo cuidado que tiveram para avaliar o licenciamento ambiental não foi despendido na conservação da área. Hoje, o projeto está sem rumo. Em nota, o Ministério de Minas e Energia afirmou que ainda está estudando que encaminhamento dará para o empreendimento. Se tivesse saído do papel, a usina estaria produzindo 1.087 megawatts (MW) desde 2007 - o que daria importante alívio ao sistema elétrico, que vive sob intensa crise hídrica e financeira, com vários projetos atrasados.

A história de Santa Isabel começou em novembro de 2001, durante o maior racionamento de energia do País. O consórcio Gesai, formado por BHP Billiton, Vale, Camargo Corrêa, Alcoa e Votorantim, arrematou a usina por R$ 1,769 bilhão durante 35 anos. Naquela época, ganhava o leilão quem se comprometesse a pagar o maior valor de Uso de Bem Público (UBP) - montante que seria pago durante um determinado período.

Logo após a disputa, o consórcio iniciou o processo de licenciamento ambiental e, seis meses depois, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) afirmou que o projeto era inviável. Um dos principais pontos de divergência era que o Rio Araguaia era um dos poucos que não tinham nenhuma hidrelétrica e que, portanto, deveria continuar assim, afirmou uma fonte que participou das negociações. O entendimento era que a construção da usina traria muitos impactos, com aumento populacional e desmatamento.

Os estudos ficaram parados até 2008, quando o grupo entrou em consenso com o Ibama sobre o termo de referência para elaboração do Estudo de Impacto Ambiental (EIA-Rima). Os relatórios com as exigências feitas pelo órgão foram entregues em 2010 e, em 2012, o Ibama liberou os estudos para início das audiências públicas. Nessa altura, porém, os problemas eram outros: a tentativa de prolongar o contrato de concessão.

Rescisão contratual
O demorado processo de licenciamento ambiental havia consumido tanto tempo do período de concessão que a viabilidade econômico-financeira foi comprometida. Dessa vez, no entanto, as negociações com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e com o Ministério de Minas e Energia não chegaram a um consenso e a rescisão do contrato foi assinada em 29 de janeiro de 2014. Ou seja, leiloada em 2001, a Hidrelétrica Santa Isabel ficou 10 anos em licenciamento ambiental e, mesmo assim, não saiu do papel. O projeto foi devolvido porque, com a demora no licenciamento, o prazo do empreendimento ficou inviável economicamente.

Mas, apesar do longo tempo de processo ambiental, a região que receberia o reservatório foi transformada. Um mapa do local em três momentos diferentes mostra que a área urbana e a pastagem no local onde seria a represa aumentaram enquanto as formações de florestas diminuíram drasticamente. Em 1988, o espaço tinha 57% do total referente à formação de floresta e 31,72% de pastagem. Depois de 20 anos, os porcentuais de floresta caíram para 39% e o de pastagem subiram para 49%.

Com a devolução do projeto, o governo federal prometeu fazer uma nova licitação. Até hoje, porém, não há sinal de que isso vá ocorrer. O fato é que a usina não foi construída, mas os temidos impactos que ela traria para a região ocorreram. Além do aumento da pastagem e da queda na formação de florestas, a área urbana praticamente dobrou de tamanho e o cerrado caiu 6%. Mas a consultora Maria Cecília Wey de Brito, ex-executiva do WWF, faz algumas ponderações sobre a mudança na área.

Segundo ela, é preciso avaliar se a degradação ocorrida não é efeito da própria expectativa em torno da construção da hidrelétrica. "Os donos das terras, pensando que a área seria alagada pelo reservatório, podem ter acelerado o desmatamento", avalia. Outro ponto levantado é a questão da qualidade dos estudos apresentados pelos empreendedores, que muitas vezes atrasam o processo ambiental.

Em nota, o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) destacou que o projeto não recebeu licença prévia do órgão. Afirmou ainda que, se "de fato houve alteração significativa dos atributos ambientais da região, o estudo deverá ser atualizado, com repercussões nas condições de implantação e operação da usina".

Ou seja, se o governo decidir colocar a usina em leilão, os estudos ambientais terão de ser refeitos, partindo do zero. Considerando as experiências passadas, isso poderá demorar alguns anos. As informações são do jornal O Estado de S.Paulo.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Superiores e inferiores

A autoridade é uma delegação de que terá de prestar contas àquele que se ache dela investido. Não julgueis que lhe seja ela conferida para lhe proporcionar o vão prazer de mandar, nem, conforme o...

 
 
 
 
Sitevip Internet