Notícias / Política

26/07/16 às 20:26

Senador cobra solução para famílias retiradas de terra indígena Marãiwatsédé

Assessoria

ÁGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Senador cobra solução para famílias retiradas de terra indígena Marãiwatsédé

Foto: Assessoria

O senador Wellington Fagundes, líder do PR no Senado, cobrou do governo federal  solução para um problema que se arrasta há dois anos, desde a desintrusão da Terra Indígena Marãiwatsédé, em Confresa, região nordeste de Mato Grosso - o do assentamento de 369 famílias da Gleba Suiá Missu, que ficava no interior da reserva. O pedido foi encaminhado durante  audiência com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha.

Após a demarcação das terras indígenas pela Funai, as famílias  ainda não conseguiram ser tituladas nas terras desapropriadas pelo governo nas fazendas Angola e Selva Morena, no município de Vila Rica – ao lado de Confresa. Segundo o senador, faltam recursos federais para que o Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) realize este trabalho.

A fazenda Angola tem uma área de aproximadamente 20 mil hectares e capacidade para abrigar 340 famílias. Já na Selva Morena, 28 famílias poderão ser alojadas nos quase 2 mil hectares disponíveis. Segundo dados da Diretoria de Obtenção de Terras e Implantação de Projetos de Assentamentos do Incra, o custo para remover cada família chega a R$ 113 mil e os processos tem previsão para conclusão de suas análises e encaminhamentos nos próximos 15 dias.

Gaspar Lazari, prefeito de Confresa, contou ao senador que a situação das pessoas da cidade de Alto boa Vista - antigo Posto da Mata - é lastimável e que elas estão abandonadas. “As condições que se encontram estas famílias que foram retiradas das terras de Marãiwatsédé é deplorável. Elas estão largadas à própria sorte. Alguns chegaram a tirar suas próprias vidas. Precisamos resolver essa triste situação”.

O ministro Padilha afirmou que resolver a situação dos assentados é prioridade do governo interino e ordenou que a Casa Civil faça um levantamento da situação de todos os assentados pela reforma agrária e também do programa Terra Legal, que agora está sob comando da pasta.

Durante a reunião, Wellington também cobrou do ministro soluções para a falta de titulação de posse de ao menos 600 glebas em todo Mato Grosso. Desta forma, o parlamentar busca evitar a chamada “favelização rural”. Segundo ele, há pequenos agricultores assentados que sequer possuem títulos de posse. Aqueles que os possuem, são de forma precária. Com isso, há uma falta de registro dos domínios, o que fere a segurança jurídica dessas pessoas.

“Só com a documentação correta essas famílias de pequenos produtores poderão acessar diversos programas sociais e de financiamentos para trabalhar sem riscos. E isso garante emprego, renda e dignidade a toda essa população, além de promover o desenvolvimento regional”, cobrou Wellington.

Histórico 

Há cerca de dois anos, após um conflituoso processo de desintrusão, a comunidade xavante de Marãiwatsédé obteve a posse definitiva de seu território. Desde então os moradores anteriores não conseguem a remoção definitiva para terras federais destinadas à reforma agrária.

A região é cortada pela BR-158, considerada estratégica, pois atravessa o país de Norte a Sul. Hoje, a pista representa a principal rota de escoamento da produção regional.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar4 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por Luis Gonzaga Domingues, em 27/07/16 às 18:09

    O Senhor Jurismar tem um bom nível de informação! Não sabe ele que os Europeus brancos mataram 8 milhões de pessoas de origem asiáticas( quando os europeus chegaram no Brasil não existem pessoas de origem indígenas) que na verdade são de diferentes origens, mas com certeza não da Índia. É LAMENTÁVEL ter que discutir com pessoas via internet que não estudaram ou não aprenderam nada quando frequentaram a escola. Pessoas egoístas, ambiciosas que só pensam no ego e jamais conseguem entender que Deus colocou o ser humano para viver em harmonia consigo mesmo e com a natureza. Frequente uma a Universidade.

  • por Luis Gonzaga Domingues, em 27/07/16 às 16:44

    Primeiro eu sou a favor do sistema capitalista do norte da Europa que você por analfabetismo não sabe que existe vários níveis. Os índios são os verdadeiros dono dessas terras. Você é um desinformado. Estude. Com certeza entenderá o que falei. O país com a pior distribuição de terra no planeta é o Brasil. Os pequenos proprietários é que produzem para o consumo interno. Eu sou pós-graduado e fui Diretor do principal projeto de formação de professores. E você por que não escreve o nome completo. É analfabeto! Com certeza. Queres discutir qual ciência como. Tenho que quando mares não levara nada do que acumulou. Procuro procurei e ainda procuro ajudar pessoas que são exploradas por capitalismo que você os ricos defendem. Estudei na UNICAMP/SP, UFSM/RS E FIC/RS e dirigi a UNEMAT/MT. Onde estudastes que não aprendeu escrever o nome. Vai estudar!

  • por Jarismar, em 27/07/16 às 13:19

    Os "ricos" são os que produzem o mantimento que Vc????come, latifundiário é a Funai e o governo que coloca em terras produtivas pessoas que nada produz, come do que os "ricos" produzem, se é rico e pq trabalha, corre atrás, já ouviu falar em meritocracia? Seu comunista, se está insatisfeito, saia do Brasil, e deixa tudo para os índios. Se quer saber os indígenas representa 1% da população brasileira, e detém 13% do território, procure informar mais antes de escrever bobagem

  • por Luis Gonzaga Domingues, em 27/07/16 às 09:32

    O golpista de do Senador Wellington Fagundes vem agora defender os invasores latifundiários da Suiá -Missú, coisa que o mesmo não faria se fosse do MST que defendem os sem terra. Os ricos ao longo do quinhentos e dezesseis anos de formação história do Brasil invadiram e roubaram as terras indígenas que hoje estão sobre o domínio do poder público federal já que os índios não possuem a propriedade das terras em que vivem. Eu conheço muito bem a história da ocupação dos fazendeiros na região, entre eles, o Filemon e o dezembargador Emanuel, etc.

 
 

veja maisArtigos

Benedito Figueiredo Junior

Como por fim as rugas ao redor dos olhos

Quem já não se pegou em frente ao espelho olhando os chamados pés de galinha, as rugas que ficam ao redor dos olhos? Elas surgem pela atividade muscular ligada aos movimentos da face, e estão associadas ao processo de...

 
 
 
 
Sitevip Internet