Notícias / Nacional

17/07/15 às 08:20

ÓLEO DIESEL: Dois reajustes em um mês

Em um intervalo exato de 30 dias, preços foram majorados por decisão da Petrobras e já vigoram

MARIANNA PERES

Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Está vigorando desde ontem o segundo aumento em um intervalo de 30 dias para o litro do óleo diesel comercializado no país. As distribuidoras e revendas que já adquiriram novos estoques estão pagando mais e, consequentemente, repassando a alta para os valores de bomba. Conforme a Petrobras, o reajuste de julho é de R$ 0,017. Há exatamente um mês, em 16 de junho, outro aumento de R$ 0,02 sobre o litro do óleo diesel e R$ 0,01 sobre o litro da gasolina haviam sido determinados pela estatal brasileira. Majoração pegou muitos consumidores de surpresa.

Como informou o Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis do Estado de Mato Grosso (Sindipetróleo), em um primeiro instante, os últimos dois reajustes podem até parecer pequenos, contudo, a direção da entidade lembra que o mercado de combustíveis vem sendo impactado desde o início do ano. “Em fevereiro começou a vigorar a revisão dos impostos {Cide, Pis e Cofins} sobre esses combustíveis, que gerou um aumento de R$ 0,22 centavos sobre o preços do litro da gasolina e R$ 0,15 centavos sobre o preço do diesel nas refinarias”.

Como reforça a entidade patronal, os diversos reajustes somados causam grande impacto à economia, especialmente a mato-grossense, que é muito dependente dos fretes via o modal rodoviário. “Ressaltamos que qualquer mudança que inflacione os preços dos combustíveis acaba gerando um grande impacto.”, explica o diretor-executivo do Sindipetróleo, Nelson Soares.

Ele aponta que os reajustes afetam toda a cadeia econômica, dos preços dos produtos que chegam aos supermercados, aos insumos utilizados pela agricultura, entre outros setores que são impactados. “Existe no setor de combustíveis uma preocupação com a política de preços adotada pela Petrobras de realizar aumentos de pequenos percentuais. Sem divulgação prévia por parte da estatal, o Sindicato sente a necessidade de informar o consumidor de que a responsabilidade pelo aumento é da política de preços do governo federal e não do posto revendedor”, explica.

Soares ressalta que a decisão de repassar ou não os reajustes de preços e o tempo em que isso ocorre cabe a cada revendedor, já que o mercado é livre e cada um tem fluxo de caixa e uma planilha de custos que permite absorver as altas num primeiro momento, ou, repassá-las de imediato.

Um posto da BR Distribuidora, uma subsidiária da estatal brasileira, localizado na Avenida Miguel Sutil, ainda não havia alterado o preço de bomba do litro do diesel até o meio da tarde de ontem. O valor de R$ 2,85 seguia inalterado. Questionado, o frentista disse que o proprietário não havia pedido a mudança até aquele momento e não soube informar se o posto havia comprado algum carregamento novo de óleo diesel. Já o economista Luiz Augusto Lima e Silva, que abastecia sua caminhonete na tarde de ontem, soube do aumento pelo Diário e se mostrou surpreso e indignado. “Não vi publicidade alguma nesse aumento de forma prévia. Se não bastassem todos os aumentos que estamos contabilizando nesse primeiro semestre, a Dilma manda mais um. Quando aumentam os preços dos combustíveis aumenta tudo no país. É uma reação em cadeia”.

MERCADO - Mesmo com os aumentos do último mês, o preço médio dos dois combustíveis no Estado seguiu estável entre os dias 14 de junho e 5 de julho, conforme levantamento da Agencia Nacional de Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis (ANP), que faz o monitoramento semanal de preços em revendas de todo o país. O preço médio do óleo diesel, em Mato Grosso, é de R$ 3,05, com máxima de R$ 3,33. Considerando o valor médio, o preço de bomba do Estado é o quarto maior do Brasil atrás apenas do registrado no Acre, R$ 3,36 e em Rondônia e Roraima, R$ 3,09.

Com relação à gasolina, o valor médio em Mato Grosso é de R$ 3,32, considerando o mesmo período de comparação, com máxima de R$ 3,90. O valor médio está entre os 16 mais caros do Brasil, mostrando que a alta da gasolina atingiu muitos estados. Para se ter uma ideia, a média de Mato Grosso é inferior a de Minas Gerais, em R$ 3,35.

As altas das principais matrizes derivadas do petróleo refletiram no volume consumido no Estado. Ambos contabilizam comercialização negativa quando comparada ao acumulado de janeiro a maio desde ano com igual intervalo de 2014. Conforme a ANP, o consumo do diesel no Estado recuou 4,3% ao contabilizar a movimentação de 1,05 bilhão de litros. Em maio, com o consumo de 183,27 milhões de litros, o combustível registrou o menor volume para o mês, em Mato Grosso, desde 2009.

A gasolina registra acumulado negativo em 11%, somando de janeiro a maio 238,17 milhões de litros consumidos.

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Ronivaldo Lemos

Médico todo dia

Muito cedo eu tomei a decisão de ser médico. Estudei muito para entrar na Universidade Federal de Mato Grosso e me esforcei igualmente para me formar. Ali, nos corredores do Hospital Universitário, eu reafirmava todos os dias a...

 
 
 
 
Sitevip Internet