Notícias / Política

16/07/15 às 21:09

SAÚDE: Após projeto de Maluf, Executivo pretende devolver 50% às cidades

Em março desse ano, o presidente da AL apresentou projeto de lei para a revogação da Lei 9.820, que limitou os repasses para a saúde dos municípios

KLEVERSON SOUZA / Assessoria da Presidência

Imprimir Enviar para um amigo
SAÚDE: Após projeto de Maluf, Executivo pretende devolver 50% às cidades

Deputado Guilherme Maluf

Foto: Marcos Lopes/ALMT

O presidente da Assembleia Legislativa, Guilherme Maluf (PSDB),  é autor de um projeto de lei que revoga a lei 9.870, de 28 de dezembro de 2012, que tramita na Casa desde março, que reduziu em até 50% o repasse para a saúde nos municípios. Nesta quarta-feira (15), o Poder Legislativo recebeu mensagem do Governo do Estado com o mesmo teor a fim de alterar a legislação.

O projeto de Maluf está em tramitação na Casa de Leis. Entrou em pauta, contou com apresentação de substitutivo do deputado José Domingos Fraga (PSD), foi para a consultoria para despacho, passou pelo núcleo da Comissão de Constituição, Justiça e Redação (CCJR), pela própria comissão para a avaliação do mérito e retornou ao núcleo.

Autor do projeto, Maluf ainda vai fazer uma emenda para que seja garantido o mínimo de repasse aos municípios. Acrescenta a importância do Governo do Estado apoiar o projeto inclusive com o encaminhamento da mensagem.

Maluf justificou que a lei, desde a sua publicação, prejudicou os municípios e que os repasses para a saúde deveriam ficar a critério do próprio Governo do Estado, que assim pode investir montante superior a 10%.

A lei de 2012 instituiu os recursos destinados ao desenvolvimento das ações de saúde – Fonte 134, onde o Estado deveria repassar aos Fundos Municipais de Saúde, o montante anual de até 10% de forma regular e automática.

“A norma não apresentou o efeito desejado em sua proposta, uma vez que limitou estes repasses em até 10%, o que muitas vezes tem se mostrado insuficiente para atender às demandas dos municípios, causando assim enormes prejuízos aos Fundos Municipais de Saúde, inviabilizando e engessando sua gestão”, explicou o presidente da Assembleia Legislativa.

De acordo com Maluf, a revogação da lei vai fazer com que o Governo do Estado tenha mais autonomia na destinação desses recursos, podendo realizar o planejamento dos repasses de acordo com a real necessidade de cada município, podendo, quando for preciso, exceder ao limite de 10%.
Também com o pensamento de investir mais em saúde, o Governo do Estado encaminhou a mensagem nº 53 para a revogação da lei de 2012. “Tais repasses possuem o propósito de financiar as ações e serviços públicos de saúde de atenção primária e de média complexidade nos municípios, conforme critérios de repasses financeiros, de elegibilidade dos municípios e mecanismos de fiscalização, monitoramento e controle da utilização de recursos, regulamentados por portarias específicas da Secretaria Estadual de Saúde em pactuação com a comissão Intergestores Bipartite (CIB)”, diz trecho da mensagem.

Na mensagem, o governo do estado também justifica que passados mais de dois anos da execução do supracitado diploma normativo, demonstrou-se, na prática, que o modelo normatizado não foi capaz de suprir a contento as demandas dos programas públicos de saúde, impedindo que o gestor implemente um modelo de gestão com mais efetividade prática.

“Assim, o objetivo do presente projeto de lei, ao pretender a revogação da lei, é o de promover a autonomia ao gestor estadual para destinação de recursos, podendo reavaliar a real necessidade dos municípios no desenvolvimento das ações de saúde, a revisão de critérios para o cofinanciamento visando à redução das iniqüidades no Estado e o fortalecimento da descentralização da saúde, por meio da municipalização e regionalização dos serviços e sistemas de saúde”, argumenta o Poder Executivo.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

A Exclusão e o Pancadão

Uns anos atrás, escrevi um artigo sobre a repressão praticada pelos seguranças dentro dos shoppings centers em São Paulo, uma vez que não permitiam que grupos de jovens da periferia, que marcavam encontros chamados...

 
 
 
 
Sitevip Internet