Notícias / Meio Ambiente

16/07/15 às 19:43

O Globo destaca belezas do Pantanal de MT

O Globo via Folha Max

Imprimir Enviar para um amigo
Os versos do poeta cuiabano Manoel de Barros (1916-2014) ajudam o turista sem palavras a traduzir a sensação de estar em meio à maior planície alagável contínua no mundo, declarada Reserva da Biosfera e Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco:

“No Pantanal ninguém pode passar régua. Sobremuito quando chove. A régua é existidura de limite. E o Pantanal não tem limites”.

Estar no Pantanal é amanhecer com o sol, despertar com o canto dos pássaros. Respirar o ar puro e se esquecer da correria das grandes cidades. O importante aqui é saber a que horas as araras vão pousar nos buritis, onde fazem seus ninhos. É passar longos minutos observando como são harmoniosas as cores dos tuiuiús, o pássaro-símbolo da região, e como é perfeito o pouso do gavião. É tentar adivinhar para onde olham os jacarés, e como é curioso o fato de as capivaras andarem sempre em conjunto. É ter receio até de adormecer no carro para não perder a aparição de um novo animal no meio da estrada, de um tipo novo de árvore ou de um pássaro no céu.

A experiência pode variar, dependendo da época em que a região é visitada. A estação da seca ocorre de maio a novembro quando as águas baixam, formando baías. É a época para admirar a fauna e ver de pertinho os jacarés, capivaras e ariranhas, além das muitas espécies de pássaros que procuram seus alimentos e dos rios repletos de pacus, dourados, pintados e outras peixes típicos.

De dezembro a abril, na estação da cheia, as águas avançam sobre os campos, no desabrochar espetacular da flora. Começam a surgir, aí, os animais de grande porte como os cervos pantaneiros, os tamanduás e as antas.

Os números impressionam: os 220 mil km² de área divididos entre três países — Brasil, Bolívia e Paraguai — abrigam 3.500 espécies de plantas, 650 de aves, 300 de peixes, 95 de mamíferos, 41 de anfíbios e 50 de répteis.

São três cidades que levam ao Pantanal: Cáceres (onde ficam as onças-pintadas), Barão de Melgaço e Poconé. Esta última é um município de 234 anos, com população de 29.970 pessoas, e famosa por sua típica a Dança dos Mascarados. É considerada o portal de entrada para o Pantanal: são 10km do centro até a MT-060, conhecida como a Transpantaneira.

Cruzar a estrada exige cuidados. Seus 145km ligam Poconé a Porto Jofre, na beira do Rio Cuiabá, na divisa entre Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. Andar por ela é como estar num safári: a qualquer momento um animal pode surpreender o viajante. Além disso, a estrada é conhecida por suas pontes: são 125 pontes de madeira ao longo do percurso.

Para um almoço tradicional,a boa é parar em um dos hotéis-fazendas da região e experimentar os peixes típicos de água doce (pacu e pintado são os hits, e deliciosos!) acompanhados de farofa de banana-da-terra. O caldo de piranha, outro peixe comum naquelas águas, é uma aposta que também vale a pena.

RESISTINDO AO SONO
No Pantanal, o segredo é ter disposição. Acordar em torno das 5h, 6h para acompanhar o nascer do sol em um passeio de barco e se encantar com a presença de tuiuiús, gaviões, garças, biguás, emas e marrecos. Observar as plantas aquáticas que floreiam. E resistir ao sono, mais tarde, para se concentrar na focagem noturna.

Nessa atividade, picapes e caminhões adaptados percorrem diferentes trajetos para flagrar os animais em seu habitat. Vista um casaco para se proteger das mudanças bruscas de temperatura e dos mosquitos, fique atento e se deixe levar: você pode ter um encontro especial com os cervos do Pantanal, os macacos, as araras...

MUITOS PANTANAIS EM UM
O complexo do Pantanal é composto por um bioma de savana estépica alagadiça que cobre os estados do MT e MS, além da Planície do Chaco boliviana e da porção norte do Paraguai. Também chamada de Território das Belezas, a região se divide entre Pantanal Sul (Pantanal Maior) e Pantanal Norte (Pantanal Amazônico). Aí, subdivide-se de sete a 12 áreas, segundo critérios variáveis. A nomenclatura “sete pantanais” (Paiaguás, Corumbá, Nhecolândia, Abobral, Rio Negro, Miranda e Nabileque) é usada para classificar sub-regiões do Pantanal Sul. Também há a divisão por critérios físicos entre áreas sem alagamento periódico, campos inundáveis e ambientes aquáticos. O Pantanal Norte abrange três cidades, Barão de Melgaço, Cáceres e Poconé. Há um projeto do Centro de Pesquisas do Pantanal (CPP) para unificar a regionalização da área, explica Augusto Neto, professor de geografia do Colégio PH.

SERVIÇO
Araras Eco Lodge. A partir de duas noites, por R$ 1.645 por pessoa, pensão completa e duas ou três atividades diárias com guia. Estrada Parque Transpantaneira, Km 32 (araraslodge.com.br).
Pantanal Mato Grosso. Diárias a partir de R$ 485 por casal, com pensão completa, passeio de barco e uma hora de cavalgadas incluídos. Rodovia Transpantaneira Km 65, Poconé (hotelmt.com.br/pantanalmatogrosso).
 
  • O Globo destaca belezas do Pantanal de MT
  • O Globo destaca belezas do Pantanal de MT
  • O Globo destaca belezas do Pantanal de MT
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Destino da Terra e causas das misérias humanas'

“Admira-se de encontrar sobre a Terra tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades de toda a sorte, concluindo-se quão deplorável é a espécie...

 
 
 
 
Sitevip Internet