Notícias / Agricultura

09/02/16 às 14:58 / Atualizada: 09/02/16 às 16:39

SOJA - Safra em MT deve perder 2 milões de toneladas

Silvana Bazzani - A Gazeta

Edição: Agua Boa News, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
SOJA - Safra em MT deve perder 2 milões de toneladas

Ótima lavoura de soja na fazenda Santo Antônio em Água Boa

Foto: Água Boa News

A expressiva produção de soja em Mato Grosso e que inspirou o enredo de escola de samba neste Carnaval terá redução mais acentuada que a previsão traçada pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), no 5º Levantamento da Safra de Grãos, divulgado na semana passada. Neste início de colheita, a Conab estima uma redução de 562 mil toneladas do grão no Estado e oferta total de 27,456 milhões (t). 

Meses antes, o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea) sinalizou para perdas de 1 milhão (t) da oleaginosa e prejuízo financeiro que poderia chegar a R$ 1 bilhão para os produtores. Estes, por sua vez, não descartam uma quebra de safra ainda maior, que poderá chegar a 2 milhões de toneladas. 

Se confirmada a projeção pessimista, a oferta estadual cai para 26 milhões (t) na safra 2015/2016. As condições climáticas que marcaram o cultivo da oleaginosa no atual ciclo, caracterizado por estiagem no início do plantio e chuvas mais intensas na fase de desenvolvimento do grão, são inéditas para os produtores mato-grossenses. 

Em algumas propriedades, sojicultores colheram 6 sacas por hectare, diz o secretário municipal de Agricultura e Meio Ambiente de Sorriso, Afrânio Cesar Migliari. “Estamos com vários laudos apresentando a frustração na produção deste ano. Em alguns casos, as perdas foram muito fortes”. 
Ele diz que “há de tudo”, com propriedades registrando baixíssimo rendimento e péssima qualidade do grão, enquanto outras garantiram uma produtividade elevada. “Mas, estamos em plena safra. Há casos muito ruins e outros muito bons. Na média geral, ainda deve ficar favorável, mas há situações de produtores que perderam tudo, primeiro com a seca e depois com as chuvas”. 

Em Sorriso, onde são colhidas cerca de 2,2 milhões de toneladas de soja - volume que alçou o município ao patamar de maior produtor nacional da oleaginosa - a expectativa é obter 1,8 milhão (t) do grão nesta temporada, complementa o vice-presidente da Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja), Elso Pozzobon. “No início do plantio foi quantificada a perda de 1 milhão de toneladas de soja em Mato Grosso, mas hoje pode ser o dobro disso”. 

Para o secretário Afrânio Cesar Migliari, a quebra total da safra de soja no município irá ultrapassar tranquilamente 500 mil toneladas. “Aqui já foram colhidos 30% da área plantada e esse volume de perdas é registrado somente na região do Barreiro, que responde por 20% da nossa produção municipal, com 150 mil hectares de soja plantados”. 

Pozzobon lembra que os dados gerais da colheita estão sendo levantados e a tendência é decretar estado de emergência. Conforme ele, as regiões Norte e Leste são as mais prejudicadas pelas adversidades climáticas decorrentes do fenômeno El Niño. “Além de Sorriso, municípios como Vera, Ipiranga do Norte, Gaúcha do Norte, Nova Xavantina, Canarana, Água Boa e toda a região do Araguaia foram bastante afetadas”.

Em Sorriso, na sexta-feira (5) à noite, os produtores filiados ao Sindicato Rural do município pleitearam a oficialização da situação de emergência ao Executivo municipal, que deverá decidir pelo Decreto de Situação de Emergência nos próximos dias, confirma Migliari. 
Com a medida, os produtores poderão obter auxílio na renegociação das dívidas com bancos e tradings - multinacionais exportadoras de grãos -, observa o secretário municipal de Agricultura. Em Ipiranga do Norte, o pedido de socorro dos produtores foi formalizado pela prefeitura local aos governos estadual e federal e outros municípios mato-grossenses cogitam recorrer à medida esta semana, como é o caso de Nova Ubiratã e Vera. 

Ainda assim, o reflexo das perdas no campo será sentido em outras atividades econômicas, pondera Migliari. “Neste momento estamos em plena safra, ainda há demanda por mão de obra, mas o reflexo dessa quebra na produção deve ser sentido mais à frente. Se há uma produção menor, a movimentação de recursos também cai. Se um trabalhador recebe participação na produção, passará a ganhar menos. Além disso, o custo dessa safra está muito alto devido à disparada na cotação do dólar”.

O vice-presidente da Aprosoja diz que o comércio, por exemplo, já sente o impacto dos prejuízos nas lavouras de soja. “Ainda mais porque é um setor que já vinha experimentando dificuldades. Notamos até uma certa ansiedade dos comerciantes em saber como será o rendimento das lavouras, há uma grande expectativa”. 

COLHEITA - De acordo com o último boletim semanal divulgado pelo Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea), no fechamento do mês de janeiro todas as 7 regiões mapeadas apresentaram queda na produtividade das lavouras de soja, com destaque para o Médio-Norte (-5,52%). Na principal região produtora do Estado, a produtividade baixou da média de 52 sacas por hectare na safra 2014/2015 para 49 sacas/ha no atual ciclo produtivo. 

No geral, o rendimento médio esperado das lavouras mato-grossenses é de 50 sacas de soja por hectare nesta safra, ante quase 52 sacas/ha na temporada anterior. Até agora, a colheita segue mais adiantada na região Norte, com 17,85% dos 277 mil hectares plantados já colhidos. Contudo, em comparação com a safra 2014/2015, o trabalho está atrasado em 14,66 pontos percentuais em relação ao mesmo período do ano passado. 

Situação oposta é registrada no Nordeste mato-grossense, onde foi colhido até agora 1,80% dos 1,519 milhão (ha) ocupados com soja. Comparado com o ritmo de colheita na última safra, o trabalho está mais acelerado em 1,08 ponto percentual, registra o Imea. 

No fim de janeiro, cerca de 8,2% das lavouras de soja em Mato Grosso tinham sido colhidas. “Com o clima mais favorável para a colheita da soja na última semana de janeiro, as atividades avançaram (...) e reduziram o atraso em relação à safra passada. (...) Mesmo assim, a produção disponível da safra 2015/2016 é reduzida, apenas 2 milhões de toneladas até agora, e por isso os tradicionais recuos mais acentuados nos preços disponíveis no mercado ainda não ocorreram neste ano”, registram os analistas do Imea no boletim semanal. 

Outro aspecto observado pelos analistas é a antecipação da elevação do custo do frete este ano, com a aceleração do ritmo de colheita e aumento do volume de soja disponível. 

MILHO - As precipitações pluviométricas acima da média em janeiro atrasaram o início da colheita da soja e, por consequência, o plantio do milho. Até agora foram semeados 5,45% da área total prevista para ser ocupada com o cereal em Mato Grosso, na atual safra. De acordo com o Imea, nesta temporada muitos produtores assumiram o risco de semear o milho fora da janela ideal de plantio e isso pode levar a baixos índices de produtividade. 

Estimativas apresentadas pelo Imea sinalizam para um rendimento médio de 95 sacas por hectare na safra 2015/2016, ante a média de 106 sacas por hectare na última safra. Espera-se que a produção estadual de milho alcance 19,361 milhões (t) neste ciclo, com o plantio de 3,378 milhões de hectares. Na última temporada foram colhidas 21,205 milhões (t) de milho, em área equivalente à da safra atual. “Identificamos a intenção dos produtores de milho em aumentar em 2,5% a área plantada e isso pode ocorrer em função de áreas de soja que não tiveram desenvolvimento”, pondera o vice-presidente da Aprosoja.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Ronivaldo Lemos

Médico todo dia

Muito cedo eu tomei a decisão de ser médico. Estudei muito para entrar na Universidade Federal de Mato Grosso e me esforcei igualmente para me formar. Ali, nos corredores do Hospital Universitário, eu reafirmava todos os dias a...

 
 
 
 
Sitevip Internet