Notícias / Justiça

26/01/16 às 07:59

METÁSTASE - Ex-funcionários de Riva assinam acordo de delação

Rafael Costa - Diário de Cuiabá

Edição: Água Boa News, Clodoeste Kassu

Imprimir Enviar para um amigo
Réus na ação penal da operação Metástase do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Contra o Crime Organizado) que aponta desvio de R$ 1,8 milhão dos cofres da Assembleia Legislativa por meio de fraudes na verba de suprimento destinada ao gabinete do ex-deputado José Riva (sem partido), o contador Hilton Carlos da Costa Campos e a ex-servidora do Legislativo, Marisol Castro Sodré, assinaram termo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MPE).

Ambos se comprometeram a colaborar com a Justiça em troca de redução ou até mesmo extinção da pena.

Por conta disso, novos detalhes do esquema fraudulento deverão vir à tona.

A verba de suprimento era um benefício de R$ 8 mil destinado ao gabinete dos parlamentares para compra emergencial de produtos como marmitas e material gráfico.

No entanto, notas fiscais foram fraudadas para justificar gastos do gabinete do ex-deputado José Riva.

O dinheiro servia para pagar propina a vereadores de municípios do interior, sustentar casa de apoio e até pagar despesas pessoais como abastecimento de aeronave e massagista.

O Ministério Público Estadual (MPE) já instaurou inquérito civil para apurar a suspeita de que outros deputados tenham cometido fraudes na verba de suprimentos no período de 2011 a 2015.

O contador Hilton Carlos da Costa Campos é réu pelos crimes de constituição de organização criminosa, peculato e falsidade ideológica, enquanto a ex-servidora Marisol Sodré responde apenas pelo crime de falsidade ideológica.

Em decisão no dia 21 deste mês, a juíza da 7ª Vara Criminal de Cuiabá, Selma Rosane Arruda, decidiu manter no mesmo processo criminal os dois delatores na mesma ação penal em que figura como réus o ex-deputado José Riva e dois de seus ex-chefes de gabinete que são Geraldo Lauro e Maria Helena Ayres Caramelo.

Atualmente, os três estão presos preventivamente.

José Riva e Maria Caramelo respondem pelos crimes de constituição de organização criminosa, peculato, falsidade ideológica e coação no curso do processo, o que pode lhe render pena de até 45 anos de prisão.

O ex-chefe de gabinete Geraldo Lauro é acusado de constituição de organização criminosa, peculato e falsidade ideológica.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Destino da Terra e causas das misérias humanas'

“Admira-se de encontrar sobre a Terra tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades de toda a sorte, concluindo-se quão deplorável é a espécie...

 
 
 
 
Sitevip Internet