Notícias / Policial

02/01/16 às 10:45 / Atualizada: 02/01/16 às 10:56

Índios pedem justiça no enterro de menino morto em Imbituba (SC)

Darci Debona - Diário Catarinense

Imprimir Enviar para um amigo
Índios pedem justiça no enterro de menino morto em Imbituba (SC)

Vitor Pinto, morto em Imbituba, foi enterrado nesta sexta-feira no cemitério da Aldeia Condá, em Chapecó

Foto: Darci Debona / RBS

Um bezerrinho de plástico era o brinquedo favorito do pequeno índio caingangue Vitor Pinto, enterrado às 16h de sexta-feira, no cemitério da Aldeia Condá, em Chapecó. No velório, em uma das igrejas evangélicas da comunidade, parentes e amigos da família seguravam placas com pedido por justiça. A tristeza dividia espaço com a indignação e a pergunta: por que tamanha crueldade?   

O menino foi morto por um desconhecido da família na rodoviária de Imbituba, no Sul do Estado, na quarta-feira, enquanto era amamentado pela mãe.

— Quem fez isso é um monstro - disse Celinho Alves, primo da vítima.
 
Pai da vítima, Arcelino Pinto, mostra o brinquedo que era o favorito do filho Foto: Darci Debona / RBS
 
A vice-cacique da Aldeia Condá e tia do menino, Márcia Rodrigues, lembra que no dia em que a família de Vitor saiu de Chapecó, 18 de dezembro, para vender artesanato no litoral e garantir o sustento da família, ele foi despedir-se dela:

— Não imaginei que seria a última vez que o veria.

Márcia sempre guardava as roupas que não serviam mais para seus filhos e dava para Vitor, um menino alegre e muito ativo. Ela suspeita que o crime possa ser resquício de preconceito contra os indígenas.

O pai, Arcelino Pinto, também sente que algumas pessoas se incomodam com a presença dos caingangue.  Há três anos ele viaja para o litoral com a família para vender artesanato. E é costume dos indígenas dormirem em estações rodoviárias, junto aos pertences. Mas eles nunca tinham sofrido tamanha violência. Arcelino Pinto disse que não estava com a mulher  e o filho no momento da agressão, estava vendendo.

—  Nós queremos justiça - disse o pai.

Os cartazes pedindo justiça seguiram em mãos durante o cortejo e foram colocados sobre o túmulo do menino. 

O bezerrinho e outros brinquedos de Vitor serão cuidados pela irmã irmã Jessé, de seis anos, e a irmã mais velha, Elionai, de 15. As brincadeiras na frente de casa, de onde é possível avistar o rio Uruguai e o vale em seu entorno, não terão mais a alegria de Vitor. A dor vai persistir enquanto os índios aguardam a justiça dos brancos. 

Saiba mais:

Vítor, um menino Kaingang de apenas dois anos, é assassinado enquanto era amamentado pela mãe

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Fernando Rizzolo

New Deal no Brasil

Bairro simples da periferia. O cheiro de café ainda estava pela cozinha e transpunha a sala com móveis simples, um sofá velho e uma antiga televisão que tinha em cima dela algumas xícaras, daquelas que têm o...

 

Enquete

Se a eleição para presidente tivesse Jair Bolsonaro e Sérgio Moro como candidatos, em quem você votaria?

 
 
 
Sitevip Internet