Notícias / Policial

08/07/15 às 13:59

PF combate tráfico internacional de drogas em Mato Grosso

Comunicação Social da Polícia Federal no Mato Grosso

Imprimir Enviar para um amigo
PF combate tráfico internacional de drogas em Mato Grosso

Foto: DPF/MT

Cuiabá/MT - A Polícia Federal deflagrou hoje (8/7) a Operação Hybris para desarticular organização criminosa especializada em tráfico internacional de drogas, atuante nos municípios de Pontes e Lacerda/MT. A quadrilha era responsável por movimentar vultosas quantias de dinheiro e utilizava uma marca para atestar a qualidade da droga comercializada em vários estados e na Europa.

Cerca de 220 policiais federais participam da Operação, que conta com o apoio do Exército Brasileiro e da Polícia Rodoviária Federal. Foram realizadas 36 prisões preventivas, quatro prisões temporárias de 30 dias e 48 buscas e apreensões, nos municípios mato-grossenses de Cuiabá, Cáceres, Pontes e Lacerda e Vila Bela da Santíssima Trindade, e nos estados de São Paulo, Tocantins e Minas Gerais.
Também foram apreendidos bens de alto valor, veículos, fazendas, apartamentos, casas, aeronaves, armas e dinheiro em espécie, frutos da atividade criminosa e utilizados nas atividades do tráfico de drogas.

O inquérito policial foi iniciado em 2013, por meio de informações de inteligência coletadas durante a Operação Sentinela do Ministério da Justiça, que identificou um grupo criminoso com características de organização criminosa dedicada ao tráfico de drogas atuando no município de Pontes e Lacerda/MT e circunvizinhanças. Foi apurado que ele era responsável por frequentes carregamentos de cocaína oriunda da Bolívia para os estados de São Paulo, Minas Gerais, Maranhão, Goiás, Pará, Maranhão e para Europa.

Durante a investigação foram apreendidas cerca de quatro toneladas de cocaína e dois milhões de dólares americanos, em quinze ações policiais que resultaram nas prisões em flagrante de 32 pessoas, materializando assim a atuação do grupo, muito embora se estima que fossem comercializadas até três toneladas da droga ao mês.

Para atestar a qualidade do produto, os criminosos rotulavam a droga com a imagem de um herói de histórias em quadrinhos, seguida de uma palavra que identificava o grupo criminoso. Essa “logomarca” é uma referência ao líder da organização, existindo outras apreensões de drogas no país e no exterior com esta marca, mas não relacionadas à operação Hybris.

Também foi apurado que a organização criminosa é fortemente estruturada e hierarquizada, com liderança firme e divisão de tarefas, incluindo a participação de casas de câmbio para a compra de dólares utilizados na negociação e a adoção de práticas violentas para aterrorizar inimigos e moradores da região de fronteira. Além disso, o grupo possui ligações políticas que culminaram na utilização de empresas fantasmas e contratos com órgão público municipal para lavar o dinheiro obtido com o tráfico.

Será concedida entrevista coletiva hoje, 8/7, às 15h, na sede da Superintendência de Polícia Federal no Mato Grosso.

*O nome da operação remete a um conceito grego que pode ser traduzido como "tudo que passa da medida, “descomedimento" e que atualmente alude a uma confiança excessiva, um orgulho exagerado, presunção, arrogância ou insolência, que com frequência termina sendo punida.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet