Notícias / Meio Ambiente

02/10/20 às 17:27 / Atualizada: 02/10/20 às 18:54

Estudo realizado na Amazônia mostra que grandes ganhos de conservação são possíveis para ecossistemas de água doce ameaçados

Leandro Juen | UFPA

para o Agua Boa News

Imprimir Enviar para um amigo
Estudo realizado na Amazônia mostra que grandes ganhos de conservação são possíveis para ecossistemas de água doce ameaçados

Esforços de preservação na Amazônia devem focar em espécies aquáticas, segundo estudo.

Foto: Rafael Leitão via Dropbox

Um novo estudo na Amazônia brasileira, feito por uma equipe internacional de cientistas, mostra que projetos de conservação redesenhados podem gerar grandes ganhos para ecossistemas de água doce, aumentando as esperanças para o futuro de milhares de espécies.
 
Embora ocupem menos de um por cento da superfície da Terra, rios, lagos e riachos abrigam cerca de um décimo de todas as espécies conhecidas - incluindo um terço de todos os vertebrados.
 
Eles também são vitais para regular o clima e como fonte de alimento e combustível para as populações locais.
 
Apesar de serem essenciais à vida, os ecossistemas de água doce estão muito mais ameaçados do que seus equivalentes terrestres e marinhos.
 
Nos últimos 50 anos, as populações de vertebrados de água doce despencaram 83% - mais do que o dobro da queda de vertebrados terrestres e marinhos, que diminuíram cerca de 40% no mesmo período.
 
Esta queda dramática na biodiversidade de água doce tem sido causada por um conjunto de fatores relacionados à atividade humana, incluindo: perda e degradação de habitat; sobrepesca; ‘boom’ de algas; construção de barragens; e a introdução de espécies não nativas. Essas pressões estão agora sendo amplificadas por estresses adicionais, como mudanças climáticas e poluição por microplásticos.
 
Novas medidas de conservação são urgentemente necessárias em todo o mundo para ajudar a resolver a crise que os ecossistemas de água doce e suas espécies enfrentam. No entanto, apesar de tudo isso, os ecossistemas terrestres têm recebido muito mais atenção no planejamento de conservação do que os ecossistemas aquáticos.
 
Publicado na revista Science, o novo estudo avaliou mais de 1.500 espécies de água doce e terrestres na Amazônia brasileira. Os principais grupos de espécies de água doce que os cientistas analisaram incluíram peixes, libélulas e invertebrados aquáticos. Eles também examinaram espécies terrestres, incluindo plantas, aves e besouros rola-bosta.
 
A pesquisa, realizada pela Rede Amazônia Sustentável - uma iniciativa envolvendo cientistas do Brasil, Europa, EUA e Austrália - analisou como as espécies de água doce são protegidas por meio de esforços de conservação direcionados às espécies terrestres.
 
A primeira autora, Dra. Cecilia Gontijo Leal, da Universidade de São Paulo e da Universidade Federal de Lavras, explicou: “O planejamento da conservação geralmente se concentra na proteção de espécies que vivem na terra. Presume-se que as espécies de água doce serão protegidas incidentalmente - isto é, por acaso, como resultado dos esforços para conservar as espécies terrestres. No entanto, mostramos que as iniciativas de conservação com foco nas espécies terrestres protegem apenas 20% das espécies de água doce que teriam sido protegidas por meio da conservação direcionada a elas. Para enfrentar a crise da biodiversidade aquática, as espécies que vivem em rios, riachos e lagos precisam ser explicitamente incorporadas ao planejamento de conservação”.
 
Os pesquisadores então consideraram o quanto a proteção dos ecossistemas aquáticos poderia ser aumentada por meio de ações de conservação que considerassem simultaneamente espécies de água doce e terrestres.
 
Eles descobriram que os esforços de conservação com maior foco em ambientes aquáticos podem gerar grandes ganhos para esses ecossistemas, sem afetar adversamente os ecossistemas terrestres.
 
O co-primeiro autor, Dr. Gareth Lennox, da Lancaster University, disse: “Por meio do planejamento integrado que incorpora informações sobre as espécies de água doce e terrestres, descobrimos que a proteção das espécies aquáticas pode ser aumentada em até 600% sem redução na proteção das espécies terrestres. Isso representa uma grande oportunidade para a conservação, onde a proteção para um grupo de espécies não requer perdas de proteção para outros ou aumentos significativos de custo”.
 
O estudo também abordou o desafio de como colocar isso em prática. As espécies terrestres geralmente têm sido o foco dos esforços de conservação, portanto, as informações sobre a distribuição das espécies aquáticas não existem para muitos lugares, especialmente nas regiões tropicais hiperdiversas. Isso representa um problema para o planejamento da conservação: como proteger as espécies se não sabemos onde elas estão?
 
Os pesquisadores desenvolveram um novo método para proteger as espécies aquáticas nessas circunstâncias. O professor Silvio Ferraz, da Universidade de São Paulo, explicou: “As espécies de água doce dependem crucialmente da conectividade dos sistemas fluviais. Ao projetar redes de áreas prioritárias para a conservação que levam essa conectividade em consideração, descobrimos que a proteção aquática ainda poderia ser duplicada mesmo na ausência de dados de distribuição de espécies de água doce. Isso mostra que há poucos obstáculos para melhorar muito a conservação de água doce em regiões do mundo onde a biodiversidade é pouco conhecida”.
 
O professor Jos Barlow, da Lancaster University, resumiu as implicações do estudo: “A urgência da crise da biodiversidade que a humanidade enfrenta significa que não podemos mais ignorar as muitas espécies importantes e ameaçadas de extinção que habitam os ecossistemas aquáticos. Nossas descobertas mostram que a conservação que integra diferentes ecossistemas e habitats pode fornecer resultados substancialmente melhores em comparação a abordagens mais restritas”.
 
Embora o estudo não aborde ações específicas de conservação para espécies de água doce ou terrestres, ele pode ser usado como um guia para identificar áreas prioritárias em outros lugares, o que informará o desenvolvimento e implantação dos métodos de conservação mais adequados.
 
A pesquisa é descrita no artigo ‘Integrated terrestrial-freshwater planning doubles conservation of tropical aquatic species’. Link: https://science.sciencemag.org/content/370/6512/117
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 
 
Sitevip Internet