Notícias / Agricultura

24/08/20 às 16:01 / Atualizada: 24/08/20 às 16:07

Certificação de armazéns evita perdas de grãos e agrega valor à produção agrícola

Paulo Santos

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Certificação de armazéns evita perdas de grãos e agrega valor à produção agrícola

Foto: Wenderson Araujo

Estabelecida pelo Ministério da Agricultura em 2011, a Instrução Normativa (IN) 29, trata da certificação de unidades armazenadoras no país.  Atualmente, apenas 10% dos 17,3 mil armazéns cadastrados na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) estão certificados, entretanto, a certificação é obrigatória para as pessoas jurídicas que prestam serviços remunerados de armazenagem a terceiros, de produtos agropecuários, seus derivados, subprodutos e resíduos de valores econômicos, inclusive de estoques públicos.
 
De acordo com Flaviana Bim, especialista em certificação do GenesisGroup, ao não seguir as recomendações da IN o produtor agrícola perde muitos benefícios proporcionados com a certificação dos armazéns. “A partir do momento em que as unidades armazenadoras operam sob os requisitos técnicos, a relação entre armazéns e setor produtivo se fortalece. A certificação é a garantia de que estão sendo cumpridas as boas práticas na armazenagem dos grãos, reduzindo as perdas observadas durante o processo e agregando valor à produção”.
 
“Quem possui um armazém certificado tem diferenciação frente aos concorrentes, associando a imagem do seu produto à conformidade do serviço, normas e regulamentos pré-estabelecidos, além de maior confiabilidade nas relações comerciais, facilidade de acesso ao mercado externo, entre outros. Mercado e consumidor estão aptos a investir mais recursos em produtos com garantia de procedência”, diz Flaviana Bim.
 
A especialista do Genesis ressalta que qualquer armazenador pode contratar o serviço e ser beneficiado com as vantagens que o processo proporciona.
 
Os armazenadores que desejam fazer esse tipo de certificação precisam cumprir com os requisitos estruturais e de boas práticas que envolvem questões como localização, infraestrutura, sistema de pesagem, de armazenagem, entre outros.
 
A Instrução Normativa do MAPA (IN 22, de 14/06/2017) estabelece dezembro de 2020 como prazo final para todas as unidades armazenadoras que oferecem serviços remunerados de armazenagem realizarem a certificação. A IN determina: “Art. 2º, Às empresas armazenadoras que tenham certificado 75% ou mais das suas Unidades até o final da 5ª etapa (31/12/2019), será concedido prazo de mais três anos, até 31/12/2022, para que as Unidades Armazenadoras remanescentes, de difícil adaptação, possam sofrer as intervenções necessárias, findo o qual, se não certificadas, não poderão prestar serviços de armazenagem de produtos agropecuários, seus derivados, subprodutos e resíduos de valor econômico.”
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Gilberto Figueiredo

Oficialização de Pazuello em Ministério garante continuidade de ações na Saúde

Foi com satisfação que recebi a notícia da permanência e oficialização de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde. O gestor, que antes atuava como interino, assumiu oficialmente a pasta na...

 
 
 
 
Sitevip Internet