Notícias / Meio Ambiente

07/08/20 às 08:04 / Atualizada: 07/08/20 às 08:13

Terras indígenas recebem quase R$ 1 milhão para recuperação de vegetação nativa

Do total, R$ 500 mil foram destinados à aquisição de sementes, mudas e insumos

Redação

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Terras indígenas recebem quase R$ 1 milhão para recuperação de vegetação nativa

A Funai é responsável por coordenar e apoiar ações de gestão territorial e ambiental de Terras Indígenas

Foto: Funai

A Fundação Nacional do Índio (Funai) investiu R$ 900 mil em ações de recuperação da vegetação nativa em 40 terras indígenas localizadas em diversos biomas brasileiros ao longo dos últimos 12 meses. Do total, R$ 500 mil foram destinados à aquisição de sementes, mudas e insumos. As medidas contribuem para a conservação da biodiversidade, promoção da segurança alimentar e fortalecimento de práticas tradicionais indígenas de manejo ambiental.

Ao completar um ano no cargo, o presidente da Funai, Marcelo Xavier, destaca as vantagens de os indígenas apostarem no plantio de espécies que, além de reforçar a alimentação, tenham elevado valor econômico. "A preservação ambiental também pode resultar em retorno financeiro para as aldeias. Ao plantar espécies com valor agregado, os indígenas podem gerar renda a partir da comercialização do excedente, o que contribui para que eles tenham melhores condições de vida", ressalta. 

Na Terra Indígena Kapoto/Jarina (povo Kayapó) e na Terra Indígena Panará (povo Panará), estão sendo cultivadas 4 mil mudas de espécies nativas, como mogno, ipê, jatobá, seringueira, copaíba, cedro, peroba, cumaru, pequi, cacau, açaí e cupuaçu. A recuperação de áreas degradadas foi realizada por meio da implantação de Sistemas Agroflorestais (SAFs), que são formas de uso e manejo do solo nos quais que árvores são combinadas com cultivo agrícola para diversificar a produção. As ações tiveram o apoio da Coordenação Regional da Funai Norte do Mato Grosso.

Marcelo Xavier destaca as vantagens de os indígenas apostarem no plantio de espécies que, além de reforçar a alimentação, tenham elevado valor econômico. "A preservação ambiental também pode resultar em retorno financeiro para as aldeias. Ao plantar espécies com valor agregado, os indígenas podem gerar renda a partir da comercialização do excedente, o que contribui para que eles tenham melhores condições de vida", ressalta. 

Outras diligências 

O povo Xavante, por meio da Funai, participou de ações de capacitação, oficinas de planejamento e implantação de três módulos agroflorestais nas aldeias São Bráz, Nossa Senhora das Graças e Novo Diamantino, da Terra Indígena São Marcos; e dois módulos nas aldeias Tsorempre e Riprere, da Terra Indígena Sangradouro, no estado de Mato Grosso. Um mutirão foi responsavel pelo plantio de espécies de uso tradicional do povo Xavante além de epécies frutíferas exóticas.  

REDD+

A Funai estuda maneiras de garantir o pagamento por serviços ambientais aos povos indígenas. A ideia envolve o chamado REDD+, que é um incentivo desenvolvido no âmbito da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) para recompensar financeiramente países em desenvolvimento por seus resultados de redução de emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento e da degradação florestal. As tratativas são coordenadas pelo Ministério do Meio Ambiente (MMA), com suporte da Funai no escopo indígena.

A fundação também participa da implementação do Programa Floresta+, instituído pelo MMA e que busca valorizar as ações de preservação da floresta nativa brasileira.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Juacy da Silva

DIA DA ÁRVORE, DESMATAMENTO E QUEIMADAS

“Seu eu soubesse que o mundo iria acabar amanhã, hoje eu plantaria uma arvore”, Martinho Lutero, líder a Reforma Protestante, que viveu entre 1483 e 1546, poucos anos depois do descobrimento do Brasil, demonstra que a...

 
 
 
 
Sitevip Internet