Notícias / Meio Ambiente

01/12/15 às 22:06 / Atualizada: 02/12/15 às 09:46

MANEJO SUSTENTÁVEL - Estudo discutirá o reenquadramento do Parque do Araguaia

Naiara Martins da Assessoria

ÁGUA BOA NEWS

Imprimir Enviar para um amigo
Um novo estudo para reenquadramento do Parque Estadual do Araguaia (PEA) pode por fim ao impasse entre produtores, ocupantes e Governo do Estado sobre o manejo da unidade. Criado pela Lei 7.517/01, o PEA possui 223.169,54 hectares, e ocupa 62% da área do município de Novo Santo Antônio, no Norte Araguaia. Os conflitos gerados pela incapacidade de um dialogo equilibrado sobre a gerência da área se agravam diante da necessidade de subsistência das famílias e do apelo à preservação ambiental.

A polêmica foi tema de audiência pública realizada pelo deputado Estadual Baiano Filho (PMDB) na ultima semana, em Novo Santo Antônio.

Famílias que já ocupam a área desde a década de 50, questionam a rigidez do plano de manejo e a falta de habilidade dos agentes ambientais na resolução de divergências rotineiras. Hoje habitam no parque cerca de 50 famílias entre ocupantes, posseiros e proprietários, e outras 80 famílias remanescentes dos Quilombos, que também alegam direito sobre a área.
 
Os moradores aproveitaram a presença do coordenador de Unidades de Conservação Ambiental da SEMA (CUCA) Alexandre Batistela para questionar vedações relativas a obras de reforma e ampliação de residências, pastos e currais, conservação das estradas, manejo do gado, exploração turística, entre outras atividades proibidas no local. Os participantes cobraram a elaboração de uma espécie de cartilha com informações acessíveis sobre a vivência na unidade.

“Nós precisamos ter clareza, não temos clareza sobre as orientações dentro do parque, dizem que estamos em um país democrático, mas democracia é nos ensinar como proceder dentro do parque, precisamos de educação, isso sim seria nos ensinar, isso seria democracia; nós precisamos de servidores capazes de falar com o povo, não precisamos de policias armados, com uniformes de heróis e que não sabem conversar com as nossas famílias”, colocou emocionado o vice-presidente da Associação dos Quilombolas, José Antônio Ribeiro.

Segundo Alexandre, pequenas obras de reforma e reparo estão autorizadas, e vedadas as ampliações e novas construções. A exploração de qualquer atividade econômica também está proibida. Quanto ao manejo do gado, estão autorizados a manter a criação apenas os proprietários que, no levantamento ocupacional realizado pelo INTERMAT no ano de 2000 já possuíam animais. Ainda assim, deverá ser mantido o mesmo numero de animais à época, ou seja, se o produtor possuía 100 cabeças de gado em 2000, deverá permanecer nos dias de hoje com os mesmos 100 animais, o excedente deverá ser retirado da área do parque.

Batistela ainda frisou a compensação somada à receita do município pela área declarada de preservação, o chamado ICMS Ecológico. Os estados adotam o imposto como base para o calculo da recomposição financeira dos municípios que por possuírem grandes áreas de preservação, têm suas possibilidades de expansão econômica reduzidas. No período de 2001 a 2014, Novo Santo Antônio recebeu R$ 37 milhões, o equivalente a 60% da receita do município.

Entre os encaminhamentos, Baiano propôs o envolvimento da UNEMAT e UFMT na realização de novos estudos, a fim de analisar o reenquadramento do parque em uma nova categoria, uma espécie de reserva de desenvolvimento sustentável, que garantiria às famílias opções de exploração dos recursos naturais conciliados a preservação ambiental.

Participaram das discussões o prefeito de Novo Santo Antônio Eduardo Penno (PMDB), o presidente da Associação das Pessoas Impactadas pela Criação do Parque Estadual do Araguaia (AIPEA) Raimundo Aguiar, o presidente da Câmara Municipal José dos Santos Vasconcelos, entre outros.
  • MANEJO SUSTENTÁVEL -  Estudo discutirá o reenquadramento do Parque do Araguaia
  • MANEJO SUSTENTÁVEL -  Estudo discutirá o reenquadramento do Parque do Araguaia
  • MANEJO SUSTENTÁVEL -  Estudo discutirá o reenquadramento do Parque do Araguaia
Imprimir Enviar para um amigo

comentar2 comentários

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

  • por YDA, em 14/12/15 às 00:22

    Todos este s povo que querem a transformação do PEA são exploradores do Meio Ambiente..... sem cultura e desenformados, 32% do PEA ja foram passado ao governo como área de compensação de reserva... os grandes latifundiários vendes e os exploradores fica querendo ter direito, e o único berçário de reprodução de vida silvestre da região e por isso que muitos brigão por este canto onde a natureza ainda existe..

  • por Carlos, em 02/12/15 às 07:20

    o que esses vereadores deveriam se preocupar é onde esta sendo aplicado o ICMS Ecologico, imaginem 37MILHÕES forma investidos onde? senhores moradores e politicos da região tomem uma posição.

 
 

veja maisArtigos

José Sarney

São Luís em Dezembro

O sinos do Natal já podem ser ouvidos nos seus sons distantes Quando eu era menino e começava, em São Bento, a descobrir o mundo com suas belezas, a primeira coisa que me encantava era o campo verde, lindo tapete de capins:...

 
 
 
 
Sitevip Internet