Notícias / Meio Ambiente

24/07/20 às 08:52 / Atualizada: 24/07/20 às 09:15

Rede de Sementes do Xingu vence o Ashden Awards, prêmio internacional para soluções climáticas

Iniciativa foi escolhida entre mais de 200 propostas de todo o mundo. Com 13 anos de história, é a maior rede de sementes nativas no Brasil

ISA

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Rede de Sementes do Xingu vence o Ashden Awards, prêmio internacional para soluções climáticas

Clerizia Pantaleão beneficia sementes de Tingui no Projeto de Assentamento Jaraguá município de Água Boa (MT)

Foto: Tui Anandi-ISA

A Rede de Sementes do Xingu está entre os 11 vencedores do Ashden Awards 2020, prêmio internacional para soluções climáticas. A rede foi escolhida entre mais de 200 propostas de todo o mundo.

O prêmio é concedido anualmente pela Ashden, organização baseada no Reino Unido que dá visibilidade e apoio a iniciativas inovadoras nos campos do clima e energia em todo o mundo - incluindo empresas, organizações não-governamentais e do setor público que estão entregando soluções comprovadas.

Os vencedores recebem um prêmio em dinheiro, apoio ao desenvolvimento da iniciativa e a oportunidade de conectar com investidores do setor de energia e clima.

“Essas organizações fazem mais que reduzir emissões - elas criam novos empregos, melhoram a saúde e reduzem a desigualdade. Elas são o rosto do futuro”, disse Harriet Lamb, CEO da Ashden.
“É um reconhecimento da iniciativa e do trabalho feito ao longo desses 13 anos de existência”, comemora Bruna Ferreira, diretora da Associação Rede de Sementes do Xingu.

A Rede de Sementes do Xingu é composta por 568 coletores indígenas, urbanos e agricultores familiares, em sua maioria mulheres, e se consolidou como a maior rede de comercialização de sementes nativas no Brasil.

Em mais de dez anos de trabalho, a rede e seus parceiros recuperaram 6,6 mil hectares de áreas degradadas na bacia do Xingu e Araguaia e outras regiões de Cerrado e Amazônia. Para isso, foram utilizadas mais de 221 toneladas de sementes de 220 espécies nativas.

A iniciativa já é uma referência para a produção comunitária de sementes no Brasil. “É uma alternativa de renda que vem da floresta, valorizando a diversidade ambiental e cultural. No contexto de emergência climática, a Rede de Sementes é o nosso maior exemplo de um futuro possível”, ressalta Ferreira.

A Rede de Sementes do Xingu tem o apoio da União Europeia, Conservação Internacional, Partnerships for Forests (P4F), Funbio, Instituto Bacuri, Rainforest Foundation Norway, DGM, Good Energies, PPP Ecos/ISPN, e Amaz.


Coletora Yarang beneficia das sementes de murici-da-mata, Território Indígena do Xingu (MT) - Foto: Carol Quintanilha-ISA

Ações de enfrentamento à Covid-19

Reconhecidas por suas soluções climáticas inovadoras, muitos dos finalistas e vencedores do Ashden Awards foram também parabenizados pelas respostas rápidas e efetivas à pandemia da Covid-19, incluindo a Rede de Sementes do Xingu.

Com o avanço da Covid-19 no Brasil, a Rede de Sementes tem atuado para garantir a saúde e segurança dos coletores e equipe. Kits de higiene e proteção, além de materiais para beneficiamento das sementes foram enviados na última semana.

A coleta de sementes segue dentro de cada núcleo familiar ou aldeia, e a entrega será feita com agendamento, para evitar aglomerações. A fim de assegurar a sustentabilidade financeira e o isolamento dos associados, a Rede vai realizar o pagamento antecipado de 21 toneladas das sementes e estendeu o valor do Fundo Rotativo, fundo de crédito destinado aos coletores.

Ainda assim, foram registrados ao menos cinco casos e uma morte por Covid-19 - a de Mônica Renhinhãi'õ (foto abaixo) - entre as mulheres coletoras Xavante da Terra Indígena Marãiwatsédé. A TI já contabilizava, até o fechamento deste texto, 25 casos e três óbitos.


Mônica Renhinhãi'õ, coletora Xavante da Terra Indígena Marãiwatsédé (MT) - Foto: Marcelo Okimoto

O grupo Pi’õ Rómnha Ma’ubumrõi’wa, das coletoras Xavante é composto por mulheres coletoras e seus familiares, e destina todas as sementes coletadas para a restauração das áreas dentro e adjacentes à TI. Além de ser uma importante alternativa socioeconômica, o trabalho com as sementes é uma forma de se apropriar e proteger o território, ameaçado por invasões e intensamente desmatado.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pandemia com clausura

Quando chegamos ao Planeta Terra encontramos dificuldades no convívio com pessoas que vamos encontrando pelo caminho. Interessante que não adianta nos mudarmos de bairro, cidade e até de estado, que vamos nos deparar com...

 
 
 
 
Sitevip Internet