Notícias / Agricultura

05/07/20 às 10:34 / Atualizada: 05/07/20 às 10:53

Julho iniciou com valores mais altos para o milho

Em Primavera do Leste, a alta foi de mais de 4% no dia, e o preço da saca avançou para R$ 35,50

Marianna Peres, Diário de Cuiabá

Imprimir Enviar para um amigo
Julho iniciou com valores mais altos para o milho

O que também vem favorecendo os preços nos portos é o câmbio que eleva a competitividade do milho brasileiro

Foto: Divulgação

A cotação do milho ganhou tração nos primeiros dias do mês.

Julho iniciou com preços mais altos para o cereal em praticamente todas as praças pesquisadas no indicador da Bolsa Brasileira de Mercadorias.

A maior alta foi registrada em Acreúna (GO), onde a saca subiu mais de 8% em um só dia e o preço da saca na região foi para R$ 40 reduzindo a queda do acumulado dos últimos 30 dias. Na quinta-feira, dia 2, os preços voltaram a subir em praticamente todas as regiões produtoras.

Em Primavera do Leste (MT), a alta foi de mais de 4% no dia, e o preço da saca avançou para R$ 35,50.

No estado gaúcho, os preços também apresentaram variação positiva neste início de mês. No município de Sarandi (RS), a alta de 4,35% na quinta-feira elevou o preço da saca do cereal para R$ 48.

“Aqui no Rio Grande do Sul os preços deram uma melhorada devido ao atraso das entregas da safrinha, mas o mercado reagiu também nos preços futuros”, esclareceu Sérgio Fontoura Júnior, da Corretora Renato Agronegócios, associado à Bolsa Brasileira de Mercadorias.

De acordo com a corretora, algumas multinacionais estão fechando a posição de fevereiro de 2021 no valor de até R$ 54 a saca com entrega no Porto de em Rio Grande e há oferta no valor de R$ 50 no mercado spot para a região de Vacaria (RS).

O que também vem favorecendo os preços nos portos é o câmbio que eleva a competitividade do milho brasileiro. No ano, o dólar acumula uma alta de mais de 35% frente ao real.

Os estados de Minas Gerais, Paraná, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e São Paulo também abriram o mês de julho com preços mais altos para o insumo.

SALDO DE JUNHO – Conforme apontam os analistas da Agência Safras, o mercado brasileiro de milho, assim como em maio, teve um mês de junho conturbado por toda a volatilidade câmbio, com os altos e baixos do dólar. E esteve à espera da safrinha, com junho encerrando ainda com uma colheita discreta e com expectativa de intensificação dos trabalhos agora em julho.

A volatilidade cambial afetou muito os preços do milho nos portos, com as oscilações do dólar tendo efeito direto sobre os valores do cereal em Santos e Paranaguá, especialmente, diante das exportações. Mexendo com os preços nos portos, pouco a pouco o mercado doméstico disponível também foi influenciado.

Junho abriu com o dólar caindo, mas depois passou por um processo de recuperação. Isso garantiu recuperação nas cotações do milho nos portos e foi melhorando os valores também ao produtor. Sem o peso ainda da colheita da safrinha, o mercado reagiu a essa volatilidade cambial.

No balanço mensal, o dólar comercial no Brasil subiu de R$ 5,337 no último dia de maio para R$ 5,436 no fechamento de junho, acumulando alta de 1,8%. Mas, a mínima do mês ficou em 10 de junho, quando o dólar caíra a R$ 4,839, e a máxima foi no dia 30, quando a moeda americana chegou a bater em R$ 5,509.

O mercado brasileiro também acompanhou as oscilações na Bolsa de Chicago, para o milho, que também afetam primeiro mais diretamente os preços nos portos. A Bolsa de Chicago fechou junho acumulando uma alta de 3,5% no contrato setembro.

Ao final do mês, as cotações deram um salto refletindo a previsão de área plantada menor que a esperada nos Estados Unidos, segundo relatório do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA).

A alta do dólar garantiu sustentação aos preços no mercado brasileiro de milho em junho e pode contribuir para o suporte também em julho, segundo o consultor de Safras & Mercado, Paulo Molinari. Ele destaca que o mercado seguirá monitorando também a Bolsa de Chicago e dependendo muito de boas exportações para limitar quedas nos preços com a entrada da safrinha.

Um bom volume exportado mensalmente daqui até a virada do ano, que leve o Brasil a fechar a temporada 2019/20 (que encerra em janeiro próximo) com 30 milhões de toneladas embarcadas, será decisivo para garantir um suporte às cotações. A tendência é de natural pressão de baixa com a colheita desta segunda safra.

O mês de junho também encerrou com o mercado acompanhando a chegada de massas de ar polar sobre as regiões produtoras, com a possibilidade de geadas ao longo de julho. Se geadas atingirem as lavouras, podem trazer prejuízos e mexer com a oferta de milho safrinha.

No balanço de junho, o preço do milho na base de compra no porto de Santos subiu de R$ 46,50 para R$ 52, acumulando alta de 11,8%. No porto de Paranaguá, a cotação avançou de R$ 45 para R$ 52,50, elevação de 16,7%.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pandemia com clausura

Quando chegamos ao Planeta Terra encontramos dificuldades no convívio com pessoas que vamos encontrando pelo caminho. Interessante que não adianta nos mudarmos de bairro, cidade e até de estado, que vamos nos deparar com...

 
 
 
 
Sitevip Internet