Notícias / Água Boa

29/04/20 às 12:05

Delegado da PF fala sobre invasão e venda de área da União em Água Boa

Segundo delegado, existe a possibilidade de novas prisões nos próximos dias

Fernanda Moraes, Semana 7

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Delegado da PF fala sobre invasão e venda de área da União em Água Boa

Foto: Semana 7

O delegado da Polícia Federal, Murilo de Oliveira Freitas, em entrevista no final da tarde de terça-feira (28), concedeu maiores detalhes acerca da prisão de dois acusados de invadir terra pública da União, localizada a 120 km de Água Boa. Os indivíduos foram detidos no interior da propriedade.

O Ministério Público Federal (MPF) iniciou as investigações com a instauração de inquérito civil público, a partir de denúncias de invasão liderada pela dupla, o que resultou em Ação Civil Pública (ACP). 

A Fazenda Nacional foi desapropriada pelo valor de R$ 37.3 milhões, e emitida na posse do Incra em 2018, porém não houve a normatização, coordenação e supervisão das atividades de seleção de famílias, de promoção do acesso à terra e de criação de projetos de reforma agrária, fato que ensejou o ato ilícito da invasão.

Reportou-se, ainda, que as invasões causam múltiplas consequências, tais como a divisão de lotes em desacordo com a política de reforma agrária, comercialização de lotes, desmatamentos irregulares, reconcentração de terras e a inviabilização do processo de seleção dos beneficiários, pelo Incra.

Nesse sentido, a Justiça Federal reconheceu que “a conduta dos réus está causando a expansão irregular da posse da Fazenda Nacional, como também há potencial de surgimento de conflito agrário na região, visto que, conforme os áudios juntados aos autos”.

Segundo o delegado Murilo de Oliveira, houve a incitação para que seja ocupado o imóvel, fazendo os participantes crerem na falsa promessa de que serão beneficiados pelo programa de reforma agrária, em tese, determinada pelo Incra, acaso estejam na posse do imóvel.

De acordo com o delegado, outras ações policiais estão sendo realizadas no local e em outras terras públicas da circunscrição da Delegacia da Polícia Federal de Barra do Garças e que existe e possibilidade de outras prisões nos próximos dias.

“As investigações seguem em andamento, com vistorias no local, como foi feita na terça-feira. A Polícia Federal estará nas fazendas realizando todas essas diligências e todas as pessoas que se encontrarem na situação de cometimento de crime, serão conduzidas, como determina a legislação vigente”, disse.

O delegado ressalta o compromisso da Polícia Federal com a comunidade e informou que as investigações continuarão até que os casos sejam encerrados, da melhor forma possível. 










Fotos: Assessoria PF
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Destino da Terra e causas das misérias humanas'

“Admira-se de encontrar sobre a Terra tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades de toda a sorte, concluindo-se quão deplorável é a espécie...

 
 
 
 
Sitevip Internet