Notícias / Justiça

10/04/20 às 18:33 / Atualizada: 15/04/20 às 23:03

Inventário - Juiz cobra esclarecimento sobre aplicação milionária da ex-primeira dama Mariza Letícia

Claudio Dantas, O Antagonista

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Inventário - Juiz cobra esclarecimento sobre aplicação milionária da ex-primeira dama Mariza Letícia

Foto: Divulgação

O juiz Carlos Henrique André Lisbôa, que assumiu o processo de inventário de Marisa Letícia, quer esclarecimentos sobre uma aplicação no Bradesco de 2.566.468 unidades de CDB, com vencimento em 18 de maio e cujo emissor é o Bradesco.

Lisboa quer que o inventariante (Lula) esclareça “se tal investimento” refere-se a contratos juntados aos autos que estipulariam valor de R$ 100 para cada unidade do CDB.

Pelo raciocínio do magistrado, o investimento de Marisa poderia chegar a R$ 256,6 milhões. Deve ser apenas um engano.



No entanto, a defesa do ex-presidente afirma que houve 1 “equívoco” do juiz em sua decisão, fruto de erro de digitação cometido pelos advogados de Marisa.

“O valor é 100 vezes menos. Foi corrigido, mas não param de usar isso. Todas as contas do Lula e dos seus parentes foram analisadas pela Lava Jato. Não tem esse dinheiro”, afirma a assessoria do petista.

A defesa também alega que o próprio magistrado “reconhece não ter relação com os bens a partilhar”.

“O despacho proferido em 06 de abril faz referência, por equívoco, a escrituras de debêntures que o próprio Juízo reconhece não ter relação com os bens a partilhar (“não há debêntures a partilhar quer em nome da falecida, quer em nome do inventariante”).”

Leia a íntegra da nota dos advogados de Lula sobre o assunto:

“Sobre notícias falsas divulgadas com objetivos políticos pelo filho do presidente da República, segue nota dos advogados de Dona Marisa Letícia:
“1 – É inverídica a afirmação divulgada por alguns veículos noticiosos e reproduzida em redes sociais de que o Espólio da ex-primeira dama Marisa Letícia Lula da Silva seria proprietário de CDBs no valor de R$ 256 milhões.
2- Todos os bens que integram o espólio de D. Marisa e que deverão ser partilhados foram apresentados nos autos do inventário e constam das últimas declarações protocoladas em 02/03/20020, termos da lei. O despacho proferido em 06 de abril faz referência, por equívoco, a escrituras de debêntures que o próprio Juízo reconhece não ter relação com os bens a partilhar (“não há debêntures a partilhar quer em nome da falecida, quer em nome do inventariante”).
3 – Lamentavelmente, mais uma vez o nome de D. Marisa está sendo utilizado para produzir ‘fake news’, com novos ataques à sua honra e memória.
Teixeira, Martins & Advogados”
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Cirurgias espirituais. Curas.

É comum por ocasião dos aniversários desejarmos coisas boas e entre os desejos o que nunca falta é a manifestação de saúde. Isso acontece em razão de ser um fato primordial para todos...

 
 
 
 
Sitevip Internet