Notícias / Agricultura

11/03/20 às 16:14 / Atualizada: 11/03/20 às 16:40

Pacto deve ampliar condições de acesso ao Pró-Genética

Naiara Martins, Assessora de Comunicação

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Pacto deve ampliar condições de acesso ao Pró-Genética

Foto: Lucas Diego SEAF-MT

O Governo do Estado está prestes a firmar uma parceria com a Associação Brasileira de Criadores de Zebu (ABCZ), Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso (Famato) e Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), com o objetivo de revolucionar a genética bovina em Mato Grosso. Na última semana, a ABCZ apresentou ao secretário de Estado de Agricultura Familiar, Silvano Amaral, o Pró-Genética, um programa de melhoramento genético desenvolvido pela Associação.
 
Segundo o Supervisor de Melhoramento Genético da ABCZ, Fábio Ferreira o Pró-Genética tem a meta de estimular o aumento da produção de carne e leite nas pequenas e médias propriedades rurais, com a inserção de touros zebuínos Puros de Origem (PO), de alto padrão genético.
 
Enquanto o Pró-Genética trabalha com a oferta de touros reprodutores em condições acessíveis ao agricultor, o Governo do Estado aposta no Programa MT Produtivo – Leite, que tem a meta de estimular a renovação do rebanho leiteiro com a oferta de sêmen e embriões de alto potencial genético. Nessa modalidade, o Estado tem o papel de facilitador no processo de aquisição e distribuição do material genético. Com a tecnologia é possível estimar o aumento da produtividade por animal, saindo dos atuais 3,77 litros dia/animal, para algo em torno de 10 litros.
 
A proposta das entidades é se unir ao Governo do Estado para garantir a expansão do programa, ampliando a estratégia de acesso aos produtores. A expectativa é de que a parceria seja oficializada no lançamento do ‘Estande da Agricultura Familiar’, durante a realização da Norte Show, entre os dias 21 e 24 de abril, em Sinop.  
 
Segundo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2018 o rebanho brasileiro conta com mais de 213,5 milhões de cabeças, sendo que cerca de 70% das fêmeas são cobertas por touros sem procedência. Dados do Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (Imea) apontam para a existência de 107.665 propriedades ligadas à pecuária em Mato Grosso, sendo que 86% delas, ou seja 92,5 mil propriedades, são de agricultores familiares, com até 249 cabeças de gados.
 
“Precisamos gerar no Estado o sentimento de que as grandes entidades do setor produtivo também trabalham para atender o pequeno e o médio produtor. Precisamos romper com essa imagem de que o Estado ou as representações trabalham apenas para o privilégio do grande produtor; esse é um conceito errôneo que vem se perpetuando ao longo dos anos, e que precisa acabar. O objetivo do MT Produtivo – Leite é o mesmo objetivo do Pró-Genética, ou seja, queremos melhorar as condições de produção e renda do agricultor, seja no corte, seja no leite. A união do Estado com a ABCZ e parceiros, garantirá que os esforços de todos sejam ampliados na ponta, impactando na vida do produtor”, defendeu Silvano Amaral.
 
Para o pecuarista e diretor da ABCZ, Jorge Pires, o Pró-Genética é considerado um programa social, exatamente por facilitar ao produtor o acesso à tecnologia de ponta, democratizando as condições de avanço no campo. “O Pró-Genética é um programa eminentemente social, e que vem para corrigir uma série de distorções, entre elas a máxima de que tecnologia é algo caro e inacessível. Nós vamos provar que o acesso à tecnologia é totalmente compatível a todos os produtores, independentemente do tamanho de sua renda. Nós [parceiros] queremos transpor as dificuldades da porteira para fora. Uma das limitações é o acesso ao crédito. Já estamos trabalhando linhas específicas para que o produtor tenha tranquilidade na hora de negociar seus animais. Com certeza a chegada do Governo do Estado dará uma nova e ampla perspectiva ao programa”, definiu Jorge Pires, diretor da ABCZ.
 
Além do secretário Silvano Amaral, também fizeram parte da reunião o presidente da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Renaldo Loffi, o presidente do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea), Tadeu Mocelin; o vice-presidente da Famato, Francisco Olavo Pugliesi de Castro; o diretor da ABCZ, Jorge Pires; o Consultor Técnico da Acrimat, Amado de Oliveira Filho;  a médica veterinária e responsável pelo ‘Programa MT Produtivo Leite’ na Seaf, Ângela Kohl; o assessor sindical da Famato, Rui de Faria; e parte da equipe técnica da ABCZ – Cuiabá, Fábio Ferreira e Feliciano Benedetti, e o gerente do escritório, André Luís Lourenço Borges.  
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pessoas que estavam lá!

Alguns têm certeza. Outros não acreditam. A maioria suspeita de que possa existir, e outros tantos preferem não se questionar. Estou falando de vidas...

 
 
 
 
Sitevip Internet