Notícias / Justiça

21/02/20 às 15:39

Carnaval 2020: não é não!

Keila Maressa

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Carnaval 2020: não é não!

Foto: Alair Ribeiro

Sabe aquele beijo forçado que algumas pessoas acham que é brincadeira? Ele é crime, assim como uma passada de mão na perna, nos seios ou nas nádegas sem autorização ou ainda um abraço agarrado sem consentimento. Com a chegada do Carnaval, época em que muitas pessoas saem para brincar nas ruas, é importante lembrar que todo contato físico que não é consentido por uma das partes é crime.
 
De acordo com a juíza da Primeira Vara de Violência Doméstica e Familiar da Comarca de Cuiabá, Ana Graziela Vaz de Campos Alves Corrêa, depois que a pessoa diz não, a insistência em ‘ficar’ se torna importunação sexual. A regra vale para homens que querem a todo custo ‘pegar’ as mulheres, bem como para mulheres que com homens, homens com homens e também mulheres com mulheres, pois a lei prevê que a importunação sexual é considerada crime praticado por qualquer pessoa, independente do gênero.
 
“A importunação sexual ocorre quando uma pessoa tenta satisfazer seus desejos sem o consentimento da outra. E não é só quando ocorre a tentativa de um beijo forçado ou uma passada de mão. Quando alguém fala não e a pessoa rejeitada começa a xingar e a agredir verbalmente, também é considerado importunação. Ninguém é obrigado a ficar com ninguém.”
 
O crime está previsto na lei 13.718/2018, que prevê pena de 1 a 5 anos. “É importante frisar que a partir da edição da lei, a importunação sexual é um crime inafiançável e é julgado na justiça comum. Antes de 2018, era considerada mera contravenção penal, o criminoso poderia pagar fiança e, como a denúncia ia para o Juizado Especial Criminal, a pena era paga com pena alternativa. Isso mudou”, explica Ana Graziela.
 


A magistrada explica que a importunação sexual é diferente da paquera e aproveita para dar dicas para que as pessoas não cometam esse crime. “A diferença entre a paquera e a importunação é a correspondência da outra parte. Ninguém não pode chegar para uma pessoa desconhecida e tacar-lhe um beijo na boca, puxar seu braço, pegar em partes do corpo sem ser correspondido. É necessário ver se a pessoa está gostando e está aberta a uma relação, mesmo que casual. Só se uma das partes deixar é que a outra pode tentar beijá-la.”
 
Na festa de Carnaval, geralmente, o agressor é uma pessoa totalmente desconhecida. Por isso, Ana Graziela ressalta que é importante que a vítima chame a polícia ou o segurança mais próximo quando sentir sua privacidade invadida. Caso não tenha policial por perto, é interessante ligar para o 190 e ficar de olho, com muita discrição, onde o agressor/a está.
 
“A lei é importante porque a pessoa tem o direito de escolher quem ela quer beijar e com quem ela quer se relacionar. Se uma das duas pessoas não quiser se relacionar, não pode acontecer nada. Recebeu um não, está na festa, vamos investir em outra pessoa. O melhor é levar na esportiva e não como algo pessoal. Não é porque ela/ele não quis que acabou a festa. O melhor é tentar outra paquera, de forma consentida, sempre”, finaliza a juíza.
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - Pessoas que estavam lá!

Alguns têm certeza. Outros não acreditam. A maioria suspeita de que possa existir, e outros tantos preferem não se questionar. Estou falando de vidas...

 
 
 
 
Sitevip Internet