Notícias / Educação

06/02/20 às 06:39

Estudo da UNEMAT de Nova Xavantina é destaque na Revista Brasileira de Fruticultura

Rubens Bedin, Unemat

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Estudo da UNEMAT de Nova Xavantina é destaque na Revista Brasileira de Fruticultura

Foto: Divulgação Unemat

O trabalho intitulado “Adubação fosfatada e nitrogenada na produção de mudas de barueiro (Dipteryx alata)”, desenvolvido por docentes e acadêmicos da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), do Câmpus de Nova Xavantina, a 650 km da capital Cuiabá, foi publicado na edição número 5 do volume 41 da Revista Brasileira de Fruticultura (RBF) no ano de 2019.
 
A pesquisa foi desenvolvida no âmbito do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) da então acadêmica Erika Katianne Costa Pinho que, sob a orientação da Doutora Ana Cláudia Costa, contou ainda com a colaboração dos doutores Cesar Crispim Vilar e Manoel Euzébio de Souza, da agrônoma Aline Borges Vilela Silva e do acadêmico do curso de Ciências Biológicas Carlos Henrique Gomes de Oliveira para a publicação dos resultados.
 
De acordo com o trabalho, “o barueiro (dipteryx alata), frutífera nativa do cerrado, tem despertado o interesse de produtores e consumidores devido a suas múltiplas possibilidades de uso.” O experimento foi desenvolvido no viveiro da UNEMAT de Nova Xavantina entre dezembro de 2017 e abril de 2018 com o objetivo de avaliar o crescimento das mudas de barueiro com a realização de adubações fosfatadas e nitrogenadas. O estudo destaca que o maior crescimento das mudas se deu com uma maior concentração de fósforo associado a uma adubação nitrogenada e que não houve efeito isolado da adubação fosfatada no crescimento das mudas sem a aplicação de nitrogênio.

 
Sobre o Baru (Texto cedido pelos autores reproduzido na íntegra)
 
O barueiro (Dipteryx alata Vog.), espécie arbórea disseminada no bioma cerrado, pertence à família Fabaceae e é considerada uma das mais promissoras para cultivo devido às múltiplas possibilidades de utilização. A planta foi incluída em uma lista de oito espécies frutíferas nativas, prioritárias na região Centro-Oeste do Brasil, as quais foram compiladas pelo governo brasileiro para incentivar o uso sustentável destas espécies a curto prazo.
 
A literatura atual ainda carece de estudos relacionados ao cultivo das frutíferas nativas do cerrado, que ainda são subutilizadas devido ao desconhecimento científico e à falta de incentivos para a comercialização; assim, grande parte da exploração ainda é feita de forma extrativista, e dados oficiais sobre a produção e a comercialização de baru são escassos.
 
Tanto a polpa quanto a amêndoa (castanha) do baru podem ser usadas na alimentação humana. Após torrada, a castanha possui alto valor agregado, sendo comercializada por aproximadamente 100 reais o quilo, em empórios e supermercados, e pode ser utilizada na elaboração de diversos produtos, como paçocas, pés-de-moleque, barras de cereais, pães, biscoitos, licores, óleo e, ainda, como fonte de inspiração na gastronomia. A castanha possui propriedades funcionais relacionadas ao perfil de ácido graxos, principalmente oleico e linoleico, e ao teor de fito esteróis, vitamina E, selênio e fibra alimentar, especialmente as insolúveis.
 
O uso do baru, em produtos alimentícios tradicionais e em dietas saudáveis, além de aumentar o valor nutritivo destes, ainda contribui para a preservação do bioma cerrado e para o aumento da renda e a qualidade de vida das comunidades rurais que exploram esse recurso genético vegetal. Considerando as características da planta e dos frutos de baru, principalmente sua rusticidade, capacidade de adaptação a diversos tipos de solo, multiplicidade de uso da planta, possibilidade de consórcio com pastagens e as características funcionais da amêndoa, pode-se afirmar que esta espécie apresenta grande potencial de cultivo em sistemas produtivos mais sustentáveis.
 
A Revista Brasileira de Fruticultura (RBF)
 
A Revista Brasileira de Fruticultura foi criada em 1978 para difundir as pesquisas da fruticultura brasileira e destina-se à publicação de artigos técnicos científicos e comunicações científicas na área de fruticultura, referentes a resultados de pesquisas originais inéditos, redigidos em português, espanhol ou inglês, tendo recebido conceito B1 da Capes nas últimas avaliações.
 
A RBF (www.rbf.org.br) conta com o patrocínio da Sociedade Brasileira de Fruticultura (SBF) e da Universidade Estadual Paulista (UNESP).
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Coronavírus. Fé. Deus é Justo!

Deixamos de direcionar nossas metas de evolução e crescimento no âmbito da moral, e pior ainda, nos preocupamos com coisas materiais que não nos levam a nada, a não ser nos dar prazer e encantamentos, exaltando...

 
 
 
 
Sitevip Internet