Notícias / Justiça

06/07/15 às 14:54

Seminário de prevenção e combate ao trabalho escravo tem participação do MPT

Assessoria MPT/MT

Imprimir Enviar para um amigo
03/07/2015 - O Ministério Público do Trabalho em Mato Grosso (MPT-MT) participou, na manhã da última quinta-feira (02), do I Seminário de Prevenção e Combate ao Trabalho Escravo Contemporâneo, promovido pelo Centro de Pastoral para Migrantes (CPT), em parceria com as secretarias municipais de Educação, de Saúde e de Promoção e Assistência Social de Rondonópolis.

O evento ocorreu no Salão Multiuso Joaquim Ramalho, na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rurais da cidade, e reuniu cerca de 200 pessoas, entre assistentes sociais, enfermeiros e agentes públicos e comunitários.

Segundo a procuradora do Trabalho Claudia Fernanda Noriler Silva, que conduziu painel sobre o papel do MPT na prevenção e combate ao trabalho escravo, o seminário ajudou a esclareceu para a população as condições em que essa violação pode ser identificada na atualidade.

“É necessário entender o trabalho escravo dentro de uma nova roupagem. Quando se fala sobre o tema, o senso comum traz para as pessoas a ideia do negro acorrentado. Mas hoje este conceito tem que ser revisto. Há trabalho escravo na construção civil, por exemplo, atividade que tem a rotina de trazer trabalhadores de regiões pobres do Brasil, especialmente do Nordeste, e colocar estas pessoas, que viviam em condições desumanas por lá, para trabalhar em alojamentos indecentes, sem alimentação adequada e muitas vezes em remunerações não condizentes com o mercado atual”.

A procuradora também explicou que, no Brasil, país que possui uma das legislações mais avançadas no mundo no que se refere à repressão do trabalho escravo, a prática é considerada crime pelo Código Penal. “Se comprovada a exploração do trabalho em condições análogas às de escravo, o autor pode ser enquadrado pelo artigo 149 e ter sua propriedade embargada pelo Ministério do Trabalho e Emprego, ficar sujeito a pagar indenizações ou mesmo ser privado de sua liberdade”, pontuou.

Para ela, o evento foi uma ótima oportunidade de aproximar a instituição da população. “Há ainda muita confusão entre as atribuições do Ministério do Trabalho e Emprego, Ministério Público do Trabalho e Justiça do Trabalho, por isso esse contato é importante. Dei exemplos, inclusive, de casos que tiveram a atuação do MPT e reforcei que é fundamental, pa
ra pôr fim à escravidão contemporânea, a colaboração dos agentes públicos que estão mais pximos da sociedade e vivenciam a realidade local”.

O seminário também contou com a participação do chefe da Fiscalização na Superintendência do Trabalho de Mato Grosso, Amarildo Borges de Oliveira, e da juíza do Trabalho da Vara de Rondonópolis, Samantha da Silva Hassen Borges.

 

 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Gilberto Figueiredo

Oficialização de Pazuello em Ministério garante continuidade de ações na Saúde

Foi com satisfação que recebi a notícia da permanência e oficialização de Eduardo Pazuello no Ministério da Saúde. O gestor, que antes atuava como interino, assumiu oficialmente a pasta na...

 
 
 
 
Sitevip Internet