Notícias / Meio Ambiente

20/12/19 às 08:46

Nasce mais um filhote de Cervo do Pantanal no Parque Ecológico de São Carlos (SP)

São Carlos Agora

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
Até parece um filhote de rena, que nesta época ajuda o Papai Noel a trazer presentes, porém para o Parque Ecológico de São Carlos ele é o verdadeiro presente de Natal. Nascido no início de dezembro, o mais novo habitante é um Cervo do Pantanal, maior cervídeo nativo do Brasil, e muito ameaçado na natureza.

O Cervo do Pantanal (Blastocerus dichotomus) também chamado suaçuetê, suaçupu, suaçuapara, guaçupuçu, é um mamífero ruminante da família dos cervídeos e único representante do gênero Blastocerus. Ocorria em grande parte das várzeas e margens de rios do centro da América do Sul, desde o sul do rio Amazonas até o norte da Argentina, mas atualmente, a espécie só é comum no Pantanal, na bacia do rio Guaporé, na ilha do Bananal e em Esteros del Iberá.

É o maior cervídeo sul-americano, podendo pesar até 125 kg e ter até 127 cm de altura. Os machos são um pouco maiores que as fêmeas e possuem chifres ramificados. Os cascos são longos e podem se abrir até cerca de 10 cm, graças à presença de uma membrana interdigital, o que é uma adaptação ao deslocamento em ambientes inundados. É preferencialmente solitário e diurno, e seus predadores são a onça-pintada (Panthera onca) e a onça-parda (Puma concolor). Sua dieta constitui-se principalmente de plantas aquáticas. A gestação dura entre 251 e 271 dias, e as fêmeas dão à luz um filhote por vez.

A IUCN e o ICMBio consideram a espécie como “vulnerável” e sua área de distribuição geográfica foi radicalmente reduzida a partir do século XX. As principais ameaças são a alteração do habitat por conta da construção de usinas hidrelétricas, as doenças advindas de animais domésticos, como a febre aftosa e a caça, principalmente como troféu. Existem inúmeras unidades de conservação em que ocorre a espécie, e ela foi reintroduzida com sucesso na Estação Ecológica Jataí, em Luiz Antônio, perto de São Carlos, Inclusive o Parque Ecológico contribuiu com este programa de reintrodução.

Este é o segundo filhote que nasce em 2019 no Parque de São Carlos. Os nascimentos em sequência são importantes para a manutenção da colônia em cativeiro e demonstra os bons serviços realizados com a espécie, inclusive o Parque Ecológico foi escolhido pela AZAB (Associação de Zoológicos e Aquários do Brasil) como “Padrinho do Cervo do Pantanal“ e assumiu a responsabilidade de organizar e divulgar as atividades de conservação e de educação ambiental relacionados com a espécie.

De acordo com Fernando Magnani, diretor do Departamento de Defesa e Controle Animal da Secretaria de Serviços Públicos, o Parque foi um dos primeiros zoológicos do Brasil a integrar o Programa de Conservação do Cervo do Pantanal, ainda na década de 90. “Fui procurado, em 1990, pelo pesquisador da UNESP de Jaboticabal e coordenador do programa de resgate do cervo do pantanal, Maurício Barbante, quando do início da construção da hidrelétrica de Porto Primavera e atendendo ao pedido do professor, remanejamos um dos últimos cervos e construímos um recinto para abrigar o animal. A partir daí formamos um plantel viável e iniciamos o trabalho de conservação”, explica Magnani lembrando que esse é o 17º filhote da espécie que nasce em cativeiro em São Carlos.

O Parque Ecológico “Dr. Antônio Teixeira Vianna” está localizado na Estrada Municipal Guilherme Scatena, km 2. O Parque é aberto para visitação pública gratuita de terça-feira a sábado, das 8h às 16h30 e aos domingos, das 8h às 17h30, inclusive aos feriados. Outras informações podem ser obtidas pelo email pq.ecosc@saocarlos.sp.gov.br ou pelos telefones (16) 3361-2429 ou 3361-4456.
 
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Destino da Terra e causas das misérias humanas'

“Admira-se de encontrar sobre a Terra tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades de toda a sorte, concluindo-se quão deplorável é a espécie...

 
 
 
 
Sitevip Internet