Notícias / Justiça

10/12/19 às 21:34

TSE forma maioria a favor da cassação do mandato da senadora Juíza Selma Arruda

Mariana Oliveira, TV Globo — Brasília

AguaBoaNews

Imprimir Enviar para um amigo
TSE forma maioria a favor da cassação do mandato da senadora Juíza Selma Arruda

Foto: Assessoria

A maioria dos ministros do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) votou nesta terça-feira (10) a favor da cassação do mandato da senadora Juíza Selma Arruda (Podemos-MT).
 
Quatro dos sete ministros consideraram que a parlamentar praticou caixa 2 e abuso de poder econômico na campanha de 2018. O julgamento não havia sido concluído até a última atualização desta reportagem às 21h13 desta terça-feira (10).
 
A defesa da senadora nega qualquer irregularidade nas contas de campanha.
 
O julgamento começou na semana passada. Durante a sessão, o relator do caso, ministro Og Fernandes, votou da seguinte maneira:
  • cassação imediata do mandato da senadora independentemente de recursos;
  • convocação imediata de novas eleições para o cargo de senador em Mato Grosso;
  • inelegibilidade de Selma Arruda até 2026.
Nem todos os ministros se manifestaram se o entendimento tem efeito imediato nem se devem ser convocadas novas eleições antes mesmo dos recursos possíveis ao Supremo Tribunal Federal (STF).
 
Entenda o caso
 
Selma Arruda teve o mandato cassado pelo Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso (TRE-MT) em abril deste ano. A defesa da parlamentar, então, recorreu ao TSE.
 
Quando o TRE cassou o mandato de Selma Arruda, a parlamentar divulgou uma nota na qual afirmou estar tranquila porque não cometeu irregularidades.
 
Em manifestação enviada ao tribunal em setembro, a Procuradoria-Geral se manifestou a favor da manutenção da cassação. Para o órgão, é "inegável" que a conduta da parlamentar na eleição do ano passado "comprometeu a normalidade, a legitimidade e o equilíbrio do pleito".
 
Na semana passada, Og Fernandes destacou que a conduta da senadora desequilibrou as eleições.
 
Votos desta terça
 
Ao votar nesta terça, o ministro Luís Felipe Salomão defendeu que magistrados, como a juíza Selma, sejam submetidos à quarentena de pelo menos dois anos antes de serem candidatos.
 
"Me fez pensar, quando analisei essas provas, se não era o caso de a própria magistratura imaginar uma quarentena real, dois anos", disse.
 
Segundo ele, um dos pontos mais graves do processo é a constatação do uso de mais de 70% dos recursos sem estruturação contábil. "Em suma, o conjunto probatório revela-se firme, a meu juízo no sentido de que a cabeça da chapa e seu primeiro suplente usaram recursos próprios substanciais para pagar serviços de publicidade e marketing antes do início do período eleitoral sem passar pela conta de campanha e com consequente omissão no ajuste contábil a fim de desmarcar a realidade e inviabilizar a fiscalização."
 
O ministro Tarcísio Vieira concordou, e foi seguido pelo ministro Sérgio Banhos, que deu o quarto voto pela cassação.
 
"Pelo que se depreende dos autos, o uso de valor na pré-campanha em atos típicos. Me parece evidente a mácula do artigo da lei, de que houve abuso de poder econômico."
Imprimir Enviar para um amigo

comentar  Nenhum comentário

AVISO: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Agua Boa News. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O site Agua Boa News poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema da matéria comentada.

 
 

veja maisArtigos

Nilton Moreira

Estrada Iluminada - 'Destino da Terra e causas das misérias humanas'

“Admira-se de encontrar sobre a Terra tanta maldade e más paixões, tantas misérias e enfermidades de toda a sorte, concluindo-se quão deplorável é a espécie...

 
 
 
 
Sitevip Internet